sexta-feira, 4 de junho de 2010

chega em mim sem medo, toca no meu ombro, olha nos meus olhos, como nas canções do rádio. depois me diz: — “vamos embora para um lugar limpo. deixe tudo como está. feche as portas, não pague as contas nem conte a ninguém. nada mais importa. agora você me tem, agora eu tenho você. nada mais importa. o resto? ah, o resto são os restos. e não importam.” mas seus livros, seus discos, quero perguntar, seus versos de rima rica? mas meus livros, meus discos, meus versos de rima pobre? não importa, não importa. largue tudo. venha comigo para qualquer outro lugar. Triunfo, Tenerife, Paramaribo, Yokohama. agora, já. peço e peço e não digo nada mas peço e peço diga, diga já, diga agora, diga assim. você não diz nada. você não me vê por trás do meu olho que vê. você não me escuta por trás da minha boca que pede sem dizer, e eu bem sei.

- Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário