sábado, 17 de julho de 2010

amanhã é dia de nascer de novo. para outra morte. hoje é dia de esperar que o verde deste quase fim de inverno aqueça os parques gelados, as ruas vazias, as mentes exaustas de bad trips. hoje é dia de não tentar compreender absolutamente nada, não lançar âncoras para o futuro. estamos encalhados sobre estas malas e tapetes com nossos vinte anos de amor desperdiçado, longe do país que não nos quis. mas amanhã será quem sabe o acerto de contas e Jesusinho nos pagará todas as dívidas? só que já não sei se ainda acredito nele.

- Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário