quinta-feira, 29 de julho de 2010


enquanto estamos vivenciando um amor, não teorizamos a respeito. só a partir da ruptura é que fazemos um inventário dos ganhos e das perdas, e, por estarmos emocionalmente fragilizados, acabamos por superdimensionar nossa solidão involuntária. do que se conclui que o único remédio para a dor do amor é aceitar que as coisas veem e se vão, e que isso é que movimenta a vida. o duro é ter que pensar nisso quando o amor ainda parece que só vai.

- Martha Medeiros in Amores interrompidos pertencente a obra "Non-stop"

Nenhum comentário:

Postar um comentário