domingo, 18 de julho de 2010

Pra sempre, como você diz


era noite de sábado, seu casamento, e eu padrinho do seu casamento, quem imaginaria, nem eu mesmo me imaginaria ali do lado do altar te dando suporte, pra encarar a vida a dois. eu estava vestido de terno, me senti estranho de terno e gravata, parecia muito formal pra mim. sua esposa com um vestido lindo, deslumbrante, loira, pernas longas. você estava de terno também, muito bem vestido por sinal, feliz da vida, eu querendo te abraçar e te desejar tudo de bom, mas temos que nos comportar em cerimônias. depois dos cumprimentos, quis ficar por último pra abraçar a noiva, justo a noiva, quem te viu, quem te vê. puxei ela, dei um abraço forte e disse:
— eu não faço ideia de quem você é, não sei de onde veio, e muito menos de como conseguio conquistá-lo, faço-o feliz, ele gosta de comer pizza e tomar coca-cola nas noites de sábado, ele adora ver animes, e os vlogs preferidos dele são: maspoxavida e desce a letra, ele demora no banho, não peça pra ele ficar demonstrando amor, porque você sempre vai se surpreender com ele, ele gosta de sair andar de madrugada, e gosta muito de você.
— por que tá me dizendo isso tudo?
— porque eu sabia que esse dia ia chegar, e nesse caminho todo, eu sabia que eu ia ficar sozinho, eu estudei ele por muitos anos, e agora ele tem com quem voar, parece doentio da minha parte, mas era a única coisa que eu podia fazer.
— ele não vai se arrepender, te prometo.
uma lágrima rola em meus olhos, e vejo que nos olhos dela também.
— se ele perguntar porque eu fui embora sem antes desejar felicidades, diga que eu não tava passando bem, que eu chamei um táxi e fui pra casa pra descançar um pouco, diga que eu estou muito feliz por vocês, e que a gente se vê por aí.
— ele te ama muito, e fala muito de você, pode deixar que eu digo.
— eu sei, pra sempre.

- Douglas Lenon
18 de julho de 2010

2 comentários: