terça-feira, 31 de agosto de 2010

falo da vida como se fosse um verbo no passado, alguma coisa que costumava ser e hoje só me lembro. falta tempo, falta apego, faltam laços e sobra essa mania de descrever o sentimento dos outros que não sabem dizer. sobrevivo das lembranças, tão alheias e mais coloridas do que eram realmente, quando chamadas de presente.

- Verônica H.
eu poderia ter o mesmo pai, a mesma mãe, ter frequentado o mesmo colégio e tido os mesmos professores, e seria uma pessoa completamente diferente do que sou se não tivesse lido o que eu li. foram os livros que me deram consciência da amplitude dos sentimentos. foram os livros que me justificaram como ser humano. foram os livros que destruíram um a um meus preconceitos. foram os livros que me deram vontade de viajar. foram os livros que me tornaram mais tolerante com as diferenças.

- Martha Medeiros in A arte maior pertencente a obra "Non-stop"

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

eu continuo só quando quero escrever uma vida com você, mas você detesta meus caminhos anotados e minhas regras. e eu detesto seu sono e sua ausência. eu detesto seu riso alto e forçado pisoteando o meu mundo de sombras, eu detesto você saindo pela porta e as paredes se fechando, se fechando, e eu sem poder berrar pra, pelo amor de deus, você me resgatar, e me colocar no colo, e me dizer que você me entende e sofre também. eu sou só porque enquanto pensava tudo isso, você impunha aos quatro ventos, QUERENDO PARECER MUITO FORTE E MACHO PRO SEU GRUPINHO MUITO FORTE E MACHO, que poderia simplesmente abaixar meu som ou mudar de canal, como um programa chato qualquer que passa na sua tv.
eu hoje fui ao banheiro duzentas vezes para ficar longe do meu celular e do meu email, ficar longe de todas as possibilidades da sua existência. me olhei no espelho bem profundamente pra enxergar minhas raízes e ganhar força, chorei algumas vezes, fiquei sentada no chão do banheiro, pra ver se meu corpo esquentava um pouco ou porque estava mesmo me sentindo um lixo. estar sozinha não muda nada, conheço bem esse estado e, de verdade, sei lidar até melhor com ele. o que me entristece, é ter visto em você o fim de uma história contada sempre com a mesma intensidade individual. eu tinha visto na sua solidão uma excelente amiga pra minha solidão. achei que elas pudessem sofrer juntas, enquanto a gente se divertia.

- Tati Bernardi
pelo menos estou vivo. em movimento, andando por aí, perdendo ou ganhando, levando porrada, passando fome, tentando amar.

- Caio Fernando Abreu
então a traidora não era só a morte: era a vida também.

- Lya Luft in As parceiras

domingo, 29 de agosto de 2010

Diz que vai voltar


não chora por favor, pelo amor de Deus não chora, eu nem comecei a falar ainda e você já está fazendo essa cara de choro, limpando os olhos na manga da camisa, deixa disso vem aqui me abraçar, diz o que está te machucando, não começa chorar não, eu estou passando a mão nas suas costas, to acariciando sua nuca, você não está sozinho não, eu estou aqui com você, está sentindo minha mão passar nos seus cabelos? pode falar, eu estou aqui pra aqui pra te ouvir hoje, isso me abraça forte, eu te ouço assim também, isso encosta tua cabeça no meu ombro, você está chorando, eu estou sendo mais forte que você agora, porque minha vontade é correr, não precisa se desesperar eu fico aqui, eu não vou sair daqui, eu estou tentando ser mais forte que a tua dor, fala pra mim que você vai ficar agora, pode chorar agora, mas fala pra mim, diga que esse abraço é pra sempre, que você vai voltar pra esses braços surrados, pra dizer que sente muito, e que sentiu muito a minha falta.
celular despertando, tá na hora de seguir em busca a realidade e deixar o sonho de lado meu amigo.

- Douglas Lenon
29 de agosto de 2010
isso eu entendo. esse é um dom dos meus segredos. essas são as minhas posses, que nada nem ninguém pode revogar.

- Lya Luft in O ponto cego
eis, talvez, a estupidez: aguardo-a querendo-a só mais uma vez, mais uma vezinha, por favor, para dizer tchau. desejando ser somente seu amigo, dali para a frente. no fundo, acho que sei que a minha amizade poderá comovê-la. poderemos planejar, quem sabe, uma ida ao cinema daqui a alguns meses. sair em grupo e rir em grupo, como fazíamos antes de nos tornarmos íntimos. sem recorrer a mentiras, poderei mostrar a ela que esta é uma troca bastante razoável.

- Fernanda Young in Aritmética
se não for hoje, um dia será. algumas coisas, por mais impossíveis e malucas que pareçam, a gente sabe, bem no fundo, foram feitas pra um dia dar errado.

- Tati Bernardi

sábado, 28 de agosto de 2010


perder-se também é caminho.

- Clarice Lispector
acho que mil palavras podem valer mais do que uma imagem, não acho que esperanças sejam as últimas que morrem, acho que, às vezes, pode ser tarde demais. que às vezes, a pressa e a perfeição estão juntas, a água pode acabar antes de furar a pedra, às vezes, a má companhia ensina o que a solidão não pode. que muitas vezes a intenção passa despercebida e o que importa é a ação, que há argumentos contra muitos fatos,o tempo não cura nada, dois pássaros voando são infinitamente mais bonitos do que um na mão. que o coração sente muita coisa que os olhos não vêem; e certos últimos serão sempre os últimos.

- Autor Desconhecido
a mentira é a ponta de um iceberg chamado sociedade. a beleza é a ponta de um iceberg chamado saúde. as lágrimas são a ponta de um iceberg chamado sofrimento. o beijo é a ponta de um iceberg chamado sexo.
icebergs podem surpreender positiva ou negativamente. só há uma maneira de descobrir: sejamos mergulhadores.

- Martha Medeiros in Icebergs pertencente a obra "Non-stop"

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Talvez não seja nessa vida ainda


talvez não seja nessa vida ainda, mas a gente ainda ficar juntos, que pensamento mais doente esse meu, você nem pensa em mim, nem pensa em como eu estou passando os dias, nem pensa.
em outra vida, eu vou ser melhor você vai ver, e quem sabe os papéis não se invertam na história, quem sabe você não fique do lado do rio que estou agora, e eu fique do lado que você está agora, quem sabe eu não seja ainda pior que você, quem sabe você ame mais do que eu, eu acredito em outra vida, acredito que te encontro lá, se eu te encontrei por aqui tudo agora é possível, não vou mais viver pra ser melhor pra você, vou viver pra não te amar mais, pra esnobar o teu amor que um dia tanto foi meu.
você não passa de um conto de farças, sim, de farças, se você chegou a reparar, você nem consegue me olhar nos olhos, você foge porque você é fraco, você não tem coragem de ser feliz, você é covarde consigo mesmo, se dói tanto escutar isso, se dói tanto me ver dizendo essas coisas pra você, porque você não evolui, até parece que você gosta da minha voz, porque eu sempre estou repetindo as mesmas coisas pra você. vai, se cuida, longe de mim, porque se eu perder a voz é perigoso você me matar.

- Douglas Lenon
27 de agosto de 2010
minha aparência é péssima, a mente e o corpo exaustos. mas existe uma tranquilidade estranha. não tenho mais nada a perder. não sabia que o mundo era assim duro, assim sujo. agora sei. tenho apenas essa consciência, que só a loucura ou uma lavagem cerebral poderiam turvar. sobrevivo todos os dias à morte de mim mesmo. sinto como uma virilidade correndo no sangue.

- Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

nem sequer minha biblioteca confiscada seria um problema; se Nietzsche agradeceu à sua quase cegueira por não permitir que ele fosse contaminado pela leitura de outros filósofos, dando origem assim a uma ideia pura, eu aproveitaria aquela privação para me transformar em um solitário explorador dos caminhos da mente. iria, sozinho, ao polo sul dos meus sentimentos. em outras palavras, deixaria a minha mania de grandeza cuidar da minha sanidade.

- Fernanda Young in Aritmética
e lembro da primeira vez que eu te vi e te achei meio feio, vesgo, estranho. até que você me suspendeu no ar por razão nenhuma eu tive certeza que meu filho nasceria um pouco feio, vesgo e estranho.

- Tati Bernardi

esse é o meu divertimento. eu gosto do embaixo, do debaixo, do escuro.

- Lya Luft in O ponto cego

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

e eu gosto de verdade, mesmo você se arriscando tanto me perder. eu gosto de quando você dança sem me olhar, em festas free, com sua turma. noutra ponta, taciturno, no vaivém de um beberico, te vejo. doce de olhar, leve tal o vento em verões fora de época. depois dali, relembro de como amar você e seus anéis de cabelo escuros, que parecem livres, posto que, se você é minha, teimo em não acreditar piamente nisso. aí sorri, para e me procura um pouco. o silêncio no teu samba me pede pra voltar. me impulsiono e volto. te agarro de supetão e reavivo um punhado de anseios seus, no meio da pista. você se joga em pedaços soltos, sempre testando meu engenho de pegá-la no ar. tento crer que dou conta.

- Gabito Nunes in Um gesto qualquer
chegou minha vez de ser idiota! estou abrindo mão de você, de todas os sorrisos que você tira de mim, de todas as probabilidades de um futuro feliz, pela busca. estou assumindo o risco de me arrepender profundamente. o risco de um dia bater à sua porta e dar de cara com seu novo amor perfeito. quando então, diria que errei de número e perguntaria onde é o bar mais próximo. o risco de me conformar com a vida medíocre que escolhi ter e repetir baixinho que sabia que isso aconteceria.

- Autor Desconhecido

comunidade do orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=37941232
olho para trás e vejo aquela menina que queria entender tudo, com medo de que não coubesse tamanha quantidade de informação dentro de si. coube e ainda cabe. e quanto mais entra, mais sobra espaço para a dúvida. compreendo hoje que nunca entenderei a morte, os sonhos, a sensação de dejá-vu e as premonições. nunca entenderei por que temos empatia com uma pessoa e nenhuma com outra. não entendo como o mar não cansa, nem o sol. não compreendo a maldade, ainda que a bondade excessiva também me bote medo. por que os hormônios femininos nos deixam tão vulneráveis e nossa pele combina mais com a de um homem do que com a de outro?

- Martha Medeiros in Crônica do incompreensível pertencente a obra "Non-stop"

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Eu te juro

e eu juro, te juro amor eterno. ♪
Armandinho

jurar, segundo o dicionário significa afirmar, afiançar, assegurar, declarar ou prometer sob juramento. realmente o dicionário carrega em si o significado das palavras, mas na vida real isso sempre significa afirmar, assegurar, prometer sob juramento? depois de uma dessa parece que não da pra acreditar no dicionário né. exatamente como o socialismo, é lindo no papel, desenhado de uma maneira incrível, mas ninguém avisou que o socialismo só fica lindo na papel, na prática nem pensa em existir.
bem que diziam mesmo que pobre vive de teimoso, pessoas que quebraram a cara acho que também, você jurou tanta coisa, não usou exatamente essa palavra, mas jurou, você usou tantas palavras que pra mim hoje não passam de puro socialismo – tão bonito, mas esquecido no papel – barato, não sei por onde você anda, e se soubesse também não iria atrás, eu só queria entender porque você tem tanto medo de deixar morrer o que já está morto.
juro que amanhã acordo bem e esqueço de tudo, apago tudo, viro a página. nem pareço eu falando essas coisas, ou talvez pareço, jurar não sabe o que é afirmar, eu juro que esse é o último dos muitos textos, eu não paro de escrever de tanto que eu juro.

"eu juro que eu tinha colocado um ponto final. eu juro!"
Tati Bernardi

- Douglas Lenon
24 de agosto de 2010
há montes de lixo pelas escadas e corredores. fomos expulsos, não vale a pena arrumar mais nada, limpar mais nada. esse lixo espalhado pela casa são os nossos sonhos usados, gastos, perdidos.

- Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

assim se for para sempre eu vou te fazer bem mais feliz. ♪

- Iupie
Bem mais feliz

confesso, não consigo deixar de ter inveja de todos os que vivem ao seu redor, que debatem com você, que escutam suas conclusões tão lindas. eles, a sua vida, têm tanta sorte de viver nesse mundo, o seu. muitas vezes, quando vejo alguma coisa poética, sou tola a ponto de querer enviá-la para você. por isso lhe escrevo cartas. não as entrego, mas as cartas têm disso, não tem? podem ficar lacradas para sempre, jamais chegar às mãos de seu destinatário, entretanto está tudo ali, eternizado. condensado. assim, ao me sentar e escrever essas minhas mal descritas sensações, sei que o encontro. foram até agora seis cartas e em todas senti, no contato da caneta com o papel, a sua existência. esta, a sexta, escrevo a dois dias de nosso quarto encontro, e nela sinto-o tão ansioso por ele quanto eu. mesmo que, ao final dele, estejamos por ter menos um do outro. e a pergunta que me vem, em tom de agradecimento, é: por que será que você aconteceu em minha vida? não espero resposta, mas deixo-me aos seus cuidados.
te amo.

- Fernanda Young in Aritmética
seu amor se derramou sobre mim, forte e grudento, e doce também. era tudo o que eu tinha, eu que não possuía nada.
(mas não fui uma escolha: fui o que sobrou depois do nada.)

- Lya Luft in O ponto cego
e é no jogo bobo e repetido que vai se revelando: o que passa, o que vem para ficar, o que é só caminho, o que é lugar para morar.

- Cris Guerra

domingo, 22 de agosto de 2010

razão e emoção são dois planetas que não habitam a mesma galáxia. você SABE que sua dor é superável, você SABE que amanhã vai encontrar um novo amor, você SABE que é uma felizarda por ter saúde, família, um teto pra morar, mas você não SENTE assim. e o sentimento é poderoso. comanda-nos. e a gente sucumbe. feito um avião caindo do céu, feito refém de um assalto do coração.

- Martha Medeiros in A dor dos outros e a nossa pertencente a obra "Non-stop"
e eu rezo pedindo a Deus que não espere mais eu ser legal para ser legal comigo, porque eu to esperando ele ser legal comigo para ser legal. aí eu penso que ele já é legal comigo e que, talvez, eu já seja legal com ele. e que tá tudo bem.

- Tati Bernardi
só quero ir indo junto com as coisas, ir sendo junto com elas, ao mesmo tempo, até um lugar que não sei onde fica, e que você até pode chamar de morte, mas eu chamo apenas de porto.

- Caio Fernando Abreu.

sábado, 21 de agosto de 2010

Se um dia pensar em voltar | ler ao som de Iupie - Voltar no tempo

o tempo não apaga nada, e talvez seja esse o maior problema, eu fico esperando esse tempo que não passa nunca, passar. eu ando parado no tempo faz muito tempo, tudo isso que eu escrevo é puro clichê, drama de uma história não vivida, eu to me saindo bem nesses primeiros dias, estou estudando como nunca, quem me viu, quem me vê hein, eu só não quero parar pra pensar, porque se eu pensar, eu vou perdoar de novo, pra depois você acabar comigo, me levar a nocaute mais uma vez.
não da mais pra ficar juntando os cacos disso tudo, é pior que quebra-cabeça, porque no quebra-cabeça as peças são feitas pra se juntarem, e os cacos é só ficar juntando e, juntando e, guardando e, me cortando, eu preciso de uma folga, de tudo, quero minha casa na praia, minha rede, minha água de coco, sem muita gente, dormir o dia inteiro e nem pensar no outro dia, só sair de casa e ficar passando os pés na água, sentindo as ondas baterem no meu pé, quem sabe as ondas não levam tudo isso aqui de dentro, tudo o que sobrou de você aqui dentro.
chega! chega de me enganar, chega disso tudo, eu não queria voltar no tempo, porque voltar é viver tudo isso de novo, viver tudo isso que foi latejando, e me destruindo pouco a pouco, e se um dia você pensar em voltar, volta, mas sem máscara por favor.

- Douglas Lenon
21 de agosto de 2010

mandei desistir trocentas vezes e você ainda tá aqui, criatura? precisarei apelar pro meu lado mais capitãonascimentístico. prepare-se. você realmente quer ser convencida a desistir. isso é muito triste. parabéns a todos aqueles que desistiram muito muito muito antes de ler este final. do texto, não do amor. desse, não desistam. era tudo blefe pra ver testar os desistentes. você aí, sim. desista. se é que, em algum nível subconsciente, já não desistiu.

- Gabito Nunes in Desista
chorei e tossi até engasgar, sufocando de terror. creio que para eles eu estava sofrendo um derrame, ou um ataque, por isso me trouxeram correndo água com açúcar. mas o que estava tendo, compreendi depois, foi uma sensação de morte súbita, que todos os bebês experimentam antes de completarem um ano de idade. portanto, tive uma morte verdadeira ali, mas não morri – coerentemente com os outros acontecimentos em minha volta, todos da ordem do delírio; onde morre-se, vive-se, mata-se e nada ocorre, porque é tudo de mentira.

- Fernanda Young in Aritmética
te compreender não me libertou.

- Fabrício Carpinejar

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

(é assim o tempo: devora tudo pelas beiradinhas, roendo, corroendo, recortando e consumindo. e nada nem ninguém lhe escapará, a não ser que faça dele seu bicho de estimação.)

- Lya Luft in O ponto cego

Dia 11 - Uma revista que você gosta

se existe uma revista a qual eu sempre leio, e sou apaixonado, é a mundo estranho, não é lá uma revista de conhecimento como a "Isto é" ou a "Veja" e a "Época", é uma revista voltada para o público jovem, onde você adquire conhecimento se divertindo, a revista tem um ótimo conteúdo, ainda viro estagiário da Abril haha, a informação de uma forma descontraída, indico a Mundo Estranho pra jovens blogueiros, uma das melhores revistas em termos de conhecimento aliado a diversão.

pra alguém que tenha se interessado pela revista e queira dar uma olhadinha, o site é esse aqui http://mundoestranho.abril.com.br/revista/ visitem, ao lado tem todas as edições da revista com as perguntas, leio e recomendo.
o meu amor acaba por todos, a minha espera cansa por todos, a minha raiva ameniza por todos. mas a minha fé por você cresce a cada dia.

- Tati Bernardi

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

claro, o dia de amanhã cuidará do dia de amanhã e tudo chegará no tempo exato. mas e o dia de hoje?

- Caio Fernando Abreu
Você é

você é os brinquedos que brincou, as gírias que usava, você é os nervos a flor da pele no vestibular, os segredos que guardou, você é sua praia preferida, Garopaba, Maresias, Ipanema, você é o renascido depois do acidente que escapou, aquele amor atordoado que viveu, a conversa séria que teve um dia com seu pai, você é o que você lembra.

você é a saudade que sente da sua mãe, o sonho desfeito quase no altar, a infância que você recorda, a dor de não ter dado certo, de não ter falado na hora, você é aquilo que foi amputado no passado, a emoção de um trecho de livro, a cena de rua que lhe arrancou lágrimas, você é o que você chora.

você é o abraço inesperado, a força dada para o amigo que precisa, você é o pelo do braço que eriça, a sensibilidade que grita, o carinho que permuta, você é as palavras ditas para ajudar, os gritos destrancados da garganta, os pedaços que junta, você é o orgasmo, a gargalhada, o beijo, você é o que você desnuda.

você é a raiva de não ter alcançado, a impotência de não conseguir mudar, você é o desprezo pelo o que os outros mentem, o desapontamento com o governo, o ódio que tudo isso dá, você é aquele que rema, que cansado não desiste, você é a indignação com o lixo jogado do carro, a ardência da revolta, você é o que você queima.

você é aquilo que reinvidica, o que consegue gerar através da sua verdade e da sua luta, você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia.

você não é só o que come e o que veste. você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. você é o que ninguém vê.

- Martha Medeiros in Non-stop
eu soltei o corpo e chorei um choro daqueles que ninguém jamais fica sabendo que existiu. não se chora como eu chorei quando um amor, desses de passagem, de cidade, que começam em lojas de discos ou em ônibus ou em papos de solidão acaba como bola de sabão explodindo depois da janela sem deixar marcas.

- Gabito Nunes in Depois que você me forçou a pintar a parede

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

uma pessoa olhando para um celular que não toca – não há cena mais idiota. os celulares foram justamente inventados para que ninguém precise mais ficar aguardando uma ligação ao lado do telefone.

- Fernanda Young in Aritmética
eu não acredito na matemática.

- Albert Einstein

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Na ausência de quem pensar


"vamos deixar acontecer", você sempre dizia. e eu deixei.
Gabito Nunes

exatamente o que aconteceu com nós, eu deixei acontecer, e foi acontecendo, agora nem acontece mais. eu gosto de você, demais, eu gosto de você como uma mulher de 25 anos gosta de um cara de 28 anos, digo assim porque pelo ponto de vista da sociedade, esse parece sim um amor pra vida toda, ninguém repara nos amores de 18 anos, todo mundo diz que é passageiro, passageiro somos nós nessa vida, eu gosto de você como um garoto de 17 anos gosta de um outro de quase 23 anos.
não invoco a palavra amar, porque amar, amar é demais, quem na sua adolescência consegue amar alguém? eu. eu ainda insisto no gostar, porque se eu amar você, você foge. não é amor você esperar alguém por mais de um ano, não é amor você querer ver o teu amor feliz por mais que isso custe o teu viver, não é amor você querer arrancar a própria cabeça pra tentar parar de pensar por pelo menos cinco minutos que forem, se não for eu não sei do que as pessoas estão falando, parece amor demais, eu quero amar como uma pessoa de 17 anos ama, e não como um pessoa de 20. eu quero amar sem me machucar, sem ter que esperar, sem ter que deixar acontecer, pra passar tempos desacontecendo.
na ausência de quem pensar, eu acabo pensando em você. eu acabo sem querer pensando em você. nada foi progamado, eu fui deixando levar, fui me deixando levar, e cheguei aqui, onde eu não te culpo pelas coisas que acontecem comigo, e que eu penso sim em você, e que enquanto não aparecer ninguém em quem eu possa pensar, eu vou pensando em você.

- Douglas Lenon
17 de agosto de 2010
(é isso que eu faço. eu manejo as minhas criaturas, invento e desinvento, e faço acontecer.)

- Lya Luft in O ponto cego
mas hoje, só por hoje, vou sair de casa sem minha bolsa. vamos ver se acabo conhecendo alguém impagável.

- Tati Bernardi

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

31 de janeiro
(Carta do espaço sideral para não ser enviada a Angie)

“vem, que eu quero te mostrar o papel cheio de rosas nas paredes do meu novo quarto, no último andar, de onde se pode ver pela pequena janela a torre de uma igreja. quero te conduzir pela mão pelas escadas dos quatro andares com uma vela roxa iluminando o caminho para te mostrar as plumas roubadas no vaso de cerâmica, até abrir a janela para que entre o vento frio e sempre um pouco sujo desta cidade. vem, para subirmos no telhado e, lá do alto, nosso olhar consiga ultrapassar a torre da igreja para encontrar os horizontes que nunca se veem, nesta cidade onde estamos presos e livres, soltos e amarrados. quero controlar nervoso o relógio, mil vezes por minuto, antes de ouvir o ranger dos teus sapatos amarelos sobre a madeira dos degraus e então levantar brusco para abrir a porta, construindo no rosto um ar natural e vagamente ocupado, como se tivesse sido interrompido em meio a qualquer coisa não muito importante, mas que você me sentisse um pouco distante e tivesse pressa em me chamar outra vez para perto, para baixo ou para cima, não sei, e então você ensaiasse um gesto feito um toque para chegar mais perto, apenas para chegar mais perto, um pouco mais perto de mim. então quero que você venha para deitar comigo no meu quarto novo, para ver minha paisagem além da janela, que agora é outra, quero inaugurar meu novo estar-dentro-de-mim ao teu lado, aqui, sob este teto curvo e quebrado, entre estas paredes cobertas de guirlandas de rosas desbotadas. vem para que eu possa acender incenso do Nepal, velas da Suécia na beirada da janela, fechar charos de haxixe marroquino, abrir armários, mostrar fotografias, contar dos meus muitos ou poucos passados, futuros possíveis ou presentes impossíveis, dos meus muitos ou nenhuns eus. vem para que eu possa recuperar sorrisos, pintar teu olho escuro com kol, salpicar tua cara com purpurina dourada, rezar, gritar, cantar, fazer qualquer coisa, desde que você venha, para que meu coração não permaneça esse poço frio sem lua refletida. porque nada mais sou além de chamar você agora, porque tenho medo e estou sozinho, porque não tenho medo e não estou sozinho, porque não, porque sim, vem e me leva outra vez para aquele país distante onde as coisas eram tão reais e um pouco assustadoras dentro da sua ameaça constante, mas onde existe um verde imaginado, encantado, perdido. vem, então, e me leva de volta para o lado de lá do oceano de onde viemos os dois.

- Caio Fernando Abreu
já caí inúmeras vezes, achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.

- Clarice Lispector
não, não é por vaidade
dói
durante toda a madrugada
pinçando as letras, juntando as palavras
sendo vil comigo mesma, piorando tudo
com medo de não conseguir, com medo
de ser tudo tolice, e é
tudo tolice, tudo por essa estúpida carência de
querer ser
ser aquilo que disse que seria
atrás dos elogios que não vieram
quando ainda era tempo

- Fernanda Young in Aritmética

domingo, 15 de agosto de 2010

quando não se tem imaginação, morrer não é nada; quando se tem, morrer é demais.

- Louis-Ferdinand Cèline in Viagem ao fim da noite.
qualquer que seja o jogo gostamos de vencer, e quando vencemos, descobrimos um novo jogo. não importa o quanto alcançamos, se gosta de escalar, sempre há uma nova montanha. tiram fotos de escaladores no topo da montanha, estão sorrindo, estáticos. triunfantes. não tiram fotos durante o trajeto. quem quer lembrar do resto? nos esforçamos, porque precisamos. não porque gostamos. a subida cruel, a dor e a angústia de se esforçar mais, ninguém tira foto disso. ninguém quer lembrar disso. só queremos lembrar a vista do pico, o momento de tirar o fôlego, no topo do mundo. é isso que nos mantém escalando. e a dor vale a pena, essa é a maluquice. tudo vale a pena.

- Grey's Anatomy
6ª temporada, episódio 17
eu odeio tanto você e essa sua mania aquariana de não ser igual aos outros. odeio esse sincronismo entre o esperar por um amor e o viver um amor. sem você eu tenho tempo pra tudo e continuo sendo nada. será que hoje você já descobriu que apertar o lóbulo da minha orelha quer dizer que me adora? o problema não é responder a pergunta. é saber a resposta de cor-e-salteado. de tanto eu odiar calcular triângulos, amorosos ou não, tento todo dia um pouquinho largar esse trapézio de vida e seguir em linha reta pra onde quer que você e seus cogumelos mofados não estejam. tudo enquanto no final sigo presa no seu círculo delicioso. posso correr pra qualquer lado, dar tantas e tantas voltas, sem nunca escapar de esbarrar no seu peito com cheiro elegante de homem engraçado.

- Gabito Nunes in Cogumelos mofados

os dramas que acontecem no outro lado da rua nos sensibilizam, mas a contribuição das tragédias alheias para aliviar nossa crise existencial é zero. crianças são mutiladas em Serra Leoa e você só quer saber do pedaço do peito que lhe arrancaram. homens e mulheres sobrevivem durante dias embaixo da terra, soterradas por terremotos, e você continua achando que solidão como a sua não há. pessoas não têm água potável para beber e você afoga sua deprê num bom cabernet sauvignon. tem gente que perde filho, perde a visão, perde patrimônio, perde a saúde: lamenta-se por eles, mas você perdeu o Beto!!! vá explicar isso pra alguém.

- Martha Medeiros in A dor dos outros e a nossa pertencente a obra "Non-stop"

sábado, 14 de agosto de 2010


porque quem disse que eu não preferia continuar fugindo do amor? mas ele vem, ele chega, invade, grita por comida, te enche o saco, fede fumaça, mas é lindo, é a melhor coisa do mundo. faz tudo valer. faz você se quebrar inteira pra colar de novo de um jeito possível de relacionar. dói tipo nascer, e eu sei disso mesmo não lembrando.

- Tati Bernardi
o que vai ser de mim? eu me pergunto isso todos os dias, uma porção de vezes. o que vai espirrar nas paredes, o que vai-se derramar no chão: a merda ou o sonho?

- Lya Luft in O ponto cego

Dissertação 63

o problema é que eu te amo, e me deu raiva, mas juro que depois daquela briga feia, eu quis transar com você.

- Douglas Lenon
13 de agosto de 2010

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

eu sinto prazer de ser quem eu sou, de estar onde estou. ♪

- Rita Lee
Agora só falta você
por pior que fosse a mãe, seria genial poder ligar e falar: “ei, você aí, olha só, dane-se você se você escolheu me ter ou não, você é a única pessoa do mundo para quem eu tenho vontade, e coragem, de dizer: sinto medo”.

- Fernanda Young in Aritmética

nota de rodapé: mãe, hoje é seu aniversário, meu eu não tenho o que escrever pra você, só agradecer, te amo tanto tanto tanto tanto, minha linda ♥

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Eu ainda me caso com vocês

sabe quando você fica fazendo planos pra casar, o que vai ter na sua casa, como você vai decorar sua casa, onde vai ser sua casa, com quem você vai dividir a sua casa, é maravilhoso sonhar com isso. eu brinco com tudo isso, porque não sonho em casar, não sonho em ter filhos – não digo que não vou casar, que não vou ter filhos, digo que pelo menos agora não tenho vontade em relação a isso —, pra mim a palavra casar vem no sentido de brincar, de elogiar pessoas que eu gosto, de demonstrar o quanto gosto delas.

"ah Allana eu ainda caso com você guria" sempre sorrio quando digo isso, na verdade eu e Allana nos casamos todos os dias, somos um casal inseparável, ela é a minha pessoa, confio nela de olhos fechados, todos nós temos alguém o qual colocaríamos a mão no fogo – o pé, a perna, o corpo – e defendemos a todo tempo com todas as garras.
"ah Cissa eu ainda caso com você guria" aí eu lembro da nossa praia, do andar juntos, dos dotes na praia, é impossível ter uma única pessoa, ela é a minha segunda pessoa, carinho já não é a palavra certa mais, é um pensamento de que quando fico longe das minhas meninas (Allana, Cissa, Fran e Gabi), eu penso "meu Deus cuida dessas gurias".
"ah Fran eu ainda caso com você guria" lembro de quando voltei de viagem e você nem lembrava meu nome mais, a gente tava na 4ª série e nos achavámos os melhores, sempre tem alguém que a gente quer ver crescer, que a diferença de idade não é muito grande, mas o fato de ser mais nova que a gente bate uma vontade de querer tá ali acompanhando o próximo passo, e dizendo "guria, te desejo uma felicidade sem igual".
"ah Gabi eu ainda caso com você guria" minha lends, só a gente pra entender certas coisas, nunca vou esquecer que te ensinei o truque do anão do pau grande, solto gargalhadas quando lembro, é alguém que mora tão longe, e me faz tanta falta, sem mesmo ter visto, amizade a distância, há quem diga que não exista, há quem queira matar quem pensa assim.
"ah Rodrigo eu ainda caso com você guri" eu nunca gostei e odiei tanto uma pessoa como você, eu posso me irritar, eu posso ficar com muita raiva, eu posso tudo, mas eu não consigo deixar de falar com você, você me faz rir demais, todo mundo quer alguém que faça a gente rir, sorrir, sentir, eu ainda me caso com você, escreve o que eu estou falando, depois assina na parte que diz 'com divisão de bens' por favor.
"ah Alan eu ainda caso com você guri" eu caso mesmo, eu pego mesmo, eu invejo mesmo, ah guri tu tá no Rio Grande do Sul, eu pareço aquelas pessoas que ficam caçando outras pessoas pra não se sentir sozinho, que nesse meu top 6, uma parte é virtualmente virtual, que lógico quando eu ficar tri rico as coisas vão mudar, eu caso com você porque eu preciso de uma casa no Rio Grande do Sul hahaha, atrás de tudo tem um interesse, eu caso com você porque você é digno de receber a minha mão haha, ri horrores escrevendo isso, ainda vou pro Rio Grande do Sul conhecer meu noivo da brimks.
eu posso ter esquecido uma porrada de pessoas, não me levem a mal – não me levem a bem também – mas essas são pessoas presentes na minha vida, seja perto, longe, meio-termo, são pessoas as quais fazem parte do meu agora, e se vocês soubessem o quanto eu amo vocês, e o quanto eu fugi de ser normal nesse texto por vocês, juro que pensei, putz preciso ser formal em um texto, sem digitar "haha", "brimks", eu não consigo, vocês me fazem ultrapassar a linha seus lindos, eu sei que existo pra vocês, pra cada qual de uma maneira diferente, mais ainda assim existo.

Marry me today
Guess I'm wishing my life away
With these things I'll never say

Avril Lavigne - Things I'll never say ♪

- Douglas Lenon
12 de agosto de 2010
escuta aqui, cara, tua dor não me importa. estou cagando montes pras tuas memórias, pras tuas culpas, pras tuas saudades. as pessoas estão enlouquecendo, sendo presas, indo para o exílio, morrendo de overdose e você fica aí pelos cantos choramingando o seu amor perdido. foda-se o seu amor perdido. foda-se esse rei-ego absoluto. foda-se a sua dor pessoal, esse seu ovo mesquinho e fechado.

- Caio Fernando Abreu

perder-se significa ir achando e nem saber o que fazer do que se for achando.

- Clarice Lispector
ele simplesmente não me vê. e isso. ah, e isso me deixa mais a fim ainda desse sujeito. como eu curto um ser desgraçado que caga pra mim. que faz rir mulheres medonhas e ignora a existência daquela mocinha tão cheirosa e dadivosa. com capacidade e intenção de tratá-lo como um rei espanhol e suas mil súditas. e eu fazendo o papel de mil. sem cansar jamais. ou cansando assim que ele me olhar.

- Tati Bernardi
assim como na tevê, existem milhares de pessoas certas, não se engane, ainda chegará o infortúnio de encontrar a sua. prepare-se para dias de absoluto fastio. o signo certo. fala as coisas certas. com as atitudes certas. usa pijama pra dormir, come frango à passarinho de garfo e faca, não pula carnaval, gosta de Cecília Meirelles e fala "belíssimo" e nunca "horrores". tudo no lugar, dentro do contexto.
e o pior: a pessoa certa sempre chega na hora certa, sabe que é a pessoa certa, encaixa em nossos planos e traz consigo toda aquela felicidade que chega pra ficar. principalmente quando achamos que é daquilo tudo que precisamos. mas o mundo é incerto e estranhamente a pessoa errada sempre funciona melhor. pra todo mundo é assim, o que dirá pra quem vive de histórias. escritores, pessoas certas, linhas tortas, quando não vazias.

- Gabito Nunes in A pessoa certa

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

excetuando-se a questão da camisinha, que infelizmente é mesmo obrigatória para o sexo seguro, o resto é puro instinto. todo mundo nasce sabendo o que é sexo e como se faz. é como tomar um gole d'água, como sonhar, como dançar. sexo é do bem. sexo é prazer. se desde sempre tratássemos do assunto sem drama e sem excesso de romantismo, hoje o sexo não precisaria de tanta explicação, de tantas exigências e de tanta propaganda.

- Martha Medeiros in O sexo natural pertencente a obra "Non-stop"
ou seja, fazendo os cálculos, creio que passei 90% do meu tempo preocupado em ser eu e só 10% sendo.

- Fernanda Young in Aritmética

Em troca de quê?

não sei se você já está satisfeito, se ainda precisa de algo mais, eu estou na merda, eu rio da situação porque eu já estou seco por dentro de tanto chorar, só o fato de pensar em começar a escrever o coração começa a apertar e latejar, o sentimento é tão destrutivo, que eu fico pensando, caso meu coração fosse fraco, ele não ia aguentar, tão jovem, e com uma estrada linda pela frente, iria acabar assim jogado no nada, as palavras demoram pra ser processadas, é tudo muito lento, a dor é lenta, é quase um parasita ela junta no corpo e não larga, parece que consome felicidade, ou tudo de bom que você tem, esse é o poder do ser humano, ninguém consegue fazer isso como nós mesmos – ser humanos – fazemos, nenhum monstro desses inventados pelos filmes, nenhuma cobra do jardim do Éden, nós mesmos conseguimos extinguir a nós mesmos, não apenas no sentido violento da palavra, mas sim na torturar, no fazer doer no outro, e nisso tudo acredite, gera um outro problema, acham que matando quem iniciou tudo isso, tudo voltara ao normal, besteira, quem matou – quem começou – com tudo, trazendo dor, vai ser o que menos importa no final das contas, nesse caso não existe justiça, existe evolução, é necessário pensar no próximo, você é meu próximo, eu sou teu próximo, se não pensarmos em quem vai vir, em quem tá aqui, o mundo vai virar um festival de parasitas, e me responde uma pergunta, de todas que eu tenho pra fazer, acho que essa se encaixa da melhor maneira: em troca de quê você se torna um parasita?

- Douglas Lenon
11 de agosto de 2010

terça-feira, 10 de agosto de 2010

essa morte constante das coisas é o que mais dói.

- Caio Fernando Abreu

OBS: é exatamente esse o momento, Caio falar por mim.

tenho vontade de encher parágrafos e mais parágrafos com pontos de interrogação. é tudo o que eu penso em escrever. tenho mil perguntas para fazer e parece que quanto mais respostas, mais dúvidas surgem. quanto mais me conheço, menos sei o que fazer de mim. quero explodir, mas me contenho, quero me impor, mas me escondo, quero gostar, mas racionalizo. onde vou chegar se não me soltar? tenho medo de ficar presa nessas linhas. tenho medo do que eu escrevo se tornar realidade. e se eu ficar muito Verônica? e se eu tiver que ser alguma coisa pra sempre, porque o que está no papel não se apaga mais, e estou escrevendo quase certezas sobre mim o tempo todo?

- Verônica H.
mesmo que a gente não fique juntos pra sempre. mesmo que acabe semana que vem. nunca destrua o meu carinho por você. nunca esfrie o calorzinho que aparece dentro de mim quando você liga, sorri ou aparece no olho mágico da minha porta.

- Tati Bernardi

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

sem respostas, o ex-amor se torna do tamanho do meu esforço pra esquecer ou então acreditar que ele realmente existiu. esses restos e entulhos a gente sempre demora pra limpar, foram estocados no lugar mais alto, onde sempre mereceu estar. até aceitá-los como momentos de fundo falso. tão difícil e tão necessário revisitar o mau passado depois de guardar tantas horas um lugar na fila à espera de uma ligação, um sms, um sinal, um milagre que nunca aconteceu. na ausência se vê todas as verdades.

- Gabito Nunes in Mau passado
sexo é a melhor coisa do mundo. a segunda melhor coisa também é sexo. e a terceira, quarta e quinta, você sabe, sexo. sexo é bom como dormir, sexo é bom como um cachorro-quente, sexo é bom como um chope bem gelado, como furar um onda, receber um presente, rir com os amigos. sexo é bom como a vida.

- Martha Medeiros in O sexo natural pertencente a obra "Non-stop"

Dissertação 62

chegar ao ponto de ter raiva por estar triste, e tristeza por possuir tanta raiva.

- Douglas Lenon
08 de agosto de 2010

domingo, 8 de agosto de 2010

não sou relativo, sou infinito. por isso em cada ser me reflito em cada ser me encontro.

- Clarice Lispector
sono,
cansaço,
para que
tudo isso
de novo e
de novo e de
novo? repetindo
esse exercício árduo,
doloroso e sem retorno

- Fernanda Young in Aritmética

Menino: — esse cavalo cor-de-mel de que você às vezes fala, esse cavalo existe?
Pai: — tudo existe. tudo o que a gente inventa existe, se a gente quer, existe lá no seu mundo, do seu jeito.

- Lya Luft in O ponto cego
* com algumas adaptações nos personagens.

PS: Feliz dia dos pais!

sábado, 7 de agosto de 2010

como eu preciso ser amada meu Deus, pra parar de dar de bandeja o meu sorriso por aí.

- Tati Bernardi
sabe o que mais me dá raiva e me faz te odiar? porque fui tremendamente apaixonada por você, um babaca que me quebrou, me privando de sentir todo aquele alvoroço novamente por outro homem, fazendo todo cara que se aproxima de mim parecer só mais um outro qualquer. porque você implantou no fundo do meu peito que não vale a pena se doar tanto e pra depois enxergar que todo amor, que parece não acabar, tem o mesmo fim.

- Gabito Nunes in A carta que minha ex-namorada não mandou

Dia 10 - Uma viagem


que difícil de dizer, eu particularmente adoro conhecer novos lugares, conhecer outras culturas, sou um apaixonado por fotografias, cartões-postais, retratos – abstratos ou não, enfim viajar é sempre gratificante. um lugar que eu gostaria muito de conhecer é o Canadá, acho lindíssima a cidade, a própria capital Ottawa, os pontos turísticos, o clima siberiano maravilhoso, mas sou apaixonado mesmo por Toronto, ainda passo uma temporada por lá, é uma das cidades mais seguras da América do Norte, essa pra mim seria uma viagem dos sonhos, Toronto que me aguarde, um dia ainda virei a conhecê-la.
não era bom nem mau: era apenas perfeito, sem pensamentos nem aflições, eu poderia ficar para sempre ali naquela espécie não exatamente de morte, mas de vida suspensa.

- Caio Fernando Abreu

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

o amor, na essência, necessita de apenas três aditivos: correspondência, desejo físico e felicidade. se alguém retribui seu sentimento, se o sexo é vigoroso e se ambos se sentem felizes na companhia um do outro, nada mais deveria importar. por nada, entenda-se: não deveria importar se outro sente atração por outras pessoas, se outro gosta de fazer algumas coisas sozinho, se o outro tem preferências diferentes das suas, se o outro é mais moço ou mais velho, bonito ou feio, se vive em outro país ou no mesmo apartamento e quantas vezes telefona por dia. tempo, pensamento, fantasia, libido e energia são solteiros e morrerão solteiros, mesmo contra nossa vontade. não podemos lutar contra a independência das coisas. aliança de ouro e demais rituais de matrimônio não nos casam. o amor é e sempre será autônomo.

- Martha Medeiros in O amor em estado bruto pertencente a obra "Non-stop"

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Eu queria você, eu quero você

"a moral da história é velha amiga: livre é quem pensa por si mesmo."
Gabito Nunes in Pressão socio-machista

taí, acho que tá faltando liberdade, ou tem liberdade demais, porque eu posso sair pra qualquer lugar, me divertir com quem eu bem entender, e você não cobra nada de mim, quem não quer isso? um relacionamento livre, no qual cada um anda com suas próprias pernas, que não existe nós, existe conosco – junto a nós, eu não sei se eu estou reclamando, às vezes acho que estou sim, mas é uma reclamação saudável, gosto do fato de pensar por mim mesmo, sair, me divertir com meus amigos, sem ter que ficar naquela coisa massante de explicações, mas eu queria, juro que queria te ouvir dizer: por que hoje você não vem pra casa e perde um pouco do seu tempo comigo? ah, eu ficaria tão feliz, não por ter que dizer: é claro que vou. mas, sim, pelo convite inesperado, o jeito que se fala às vezes é mais convidativo que o próprio convite.
não queria dizer ou até mesmo repetir as coisas que sempre falo, eu queria você, acho que nunca confessei isso, eu queria você, sente o impacto da frase, eu queria você, é um pretérito do futuro imperfeito ou talvez perfeito, têm coisas que não dependem da língua portuguesa, dependem de nós, eu queria você, é um querer não querendo, eu quero você.
é necessário mudar pra poder evoluir, quantas vezes já te disse isso? se você diz que eu só sei falar isso, porque você não me ouve? te dou as pistas certas, os momentos certos, e só falta você me ouvir, ouça mais o que eu digo, eu não diria se fosse pro teu mal, eu só quero te ver pensar mais em quem tá aqui do outro lado, eu só quero abraçar você nesse dia frio que faz hoje e pensar em você.

- Douglas Lenon
05 de agosto de 2010

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

reli uma carta que não te mandei. e agora, tentando iniciar esta outra, tendo a começar da mesma maneira que a anterior. pedindo que você me desculpe. engraçado isso. acho que todas as cartas que escrevi tinham esse requisito introdutório: desculpas. mais ou menos assim: “sei que tenho esse defeito e lhe peço perdão”. ou: “ontem, quando quis muito você, acho que fui desastrada e fiz tudo errado – é que eu estava com muitas saudades”. ou: “desculpa mesmo, mas você é um babaca”. bom, já reconhecido esse vício de estrutura, e essa minha culpa, levo a carta para onde interessa: esse nosso relacionamento. tóxico. repetitivo. virtual aborto. eu responsabilizo você por essa mesmice. você, e esse modelo de vida tatuado em seu corpo. no qual uma amante é uma amante. à moda antiga, feito um prato. que você pode encomendar e receber domicílio. sem sequer pagar a conta; você é daqueles que penduram. que têm crédito no estabelecimento. eu? eu sou a quentinha. a comida que não é paga. o assento disponível. tornei-me uma amancebada. e num projeto programado por você, pelas suas contingências. os seus tempos. à sua conveniência e satisfação. no início, devo confessar, essa repetição me soou excitante. por ser você tão clichê, pensei que fosse gozação sua. fazendo-se um personagem de uma perversão qualquer. com o decorrer da coisa, porém, percebi que você acredita neste padrão. essa sua conduta, cheia de previsões necessárias, para você poder manejar as suas pequenas culpas. você é absolutamente culpado. e culpado por estar ao meu lado, transformando-me assim na personificação do indevido. sou tudo o que é errado, o pecado, o contra indicado. aquilo que deveria ser logo extirpado, ou tratado como um câncer.
você me julga maléfica. restringe, então, as minhas possibilidades, para que eu caiba no seu setor mental reservado à remoeção de misérias. sou isso, sua miséria, sua porcaria. mais do que isso, aliás – você ainda consegue se convencer que, se eu estiver descrita como a amante-classe-média-década-de-50-do-século-passado nessa sua mentezinha culpada, minha presença será aceita como um bônus trabalhista. porque você se esforça, trabalha para caralho. sustenta a sua família e pode trepar meia dúzia de vezes comigo. a boboca aqui, acessível e moldável. a geleca. que aceita os argumentos de não termos futuro. mas entre ser essa aí, a geleca, e ser uma esposa, há muitas variantes. não quero nenhum dia-a-dia com você. não lhe suportaria nesse ritmo. nem você me quer com intenções eternas, eu sei. o que não elimina as chances de um encontro menos provável. uma surpresa de vez em quando. a educação de notar que não sou uma amante. mas não, você quer a amante. esse mito. esse símbolo. que cabe em sua matemática suburbana. e o mais incrível é que continuo aceitando. eu é que devo rever minhas propostas. já que nem quero que você mude. iria revirar os fatos, e eu tenho coisas a fazer. tenho livros que não li. filmes que não vi. negros com quem não transei. se escrevo estas cartas, que não te dou, é porque gostaria de entender como um homem com o seu talento pode ser tão modesto em suas perspectivas de afeto. afeto e paixão cabem numa mesma mulher. a esposa já pode dar o seu cuzinho, mesmo sendo a mãe dos seus eventuais filhos. não é mais só a puta que fica de quatro. ficar de quatro não degrada ninguém, você precisa rever os seus paradigmas. vocês todos. e eu preciso entender por que persisto nessa bobajada. beijos. e.

- Fernanda Young in Aritmética

terça-feira, 3 de agosto de 2010

talvez ninguém seja culpado: meus cálculos podem ter dado errado, minhas manobras falharam, o devorado era o que devia ficar inteiro, e o sobrevivente foi aquele que deveria ter sido engolido.

- Lya Luft in O ponto cego
depois de tanto caminhar, depois de quase desistir, os mesmos pés cansados voltam pra você. ♪

- Sandy
Pés cansados

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

aí veio a ideia brilhante. será que se eu mergulhasse de cabeça na estupidez desse amor, não me curava? será que se eu, por um minuto apenas, parasse de sentir tudo isso de dentro da grandiosidade que eu inventei para tudo isso e enxergasse de perto como tudo é tosco e pequeno, eu não me curava?

- Tati Bernardi
não entendo. isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. entender é sempre limitado. mas não entender pode não ter fronteiras. sinto que sou muito mais completa quando não entendo. não entender, do modo como falo, é um dom. não entender, mas não como um simples de espírito. o bom é ser inteligente e não entender. é uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. é um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. não demais: mas pelo menos entender que não entendo.

- Clarice Lispector

domingo, 1 de agosto de 2010

eu continuei parado, eles vieram vindo pelo corredor. mas talvez pelo ácido de ontem, ainda, ou pelo choque, não sei, quem sabe até pela fome eu tinha a impressão de que quanto mais se aproximavam, mais se afastavam. como se a cada passo que dessem o corredor aumentasse um pouco.

- Caio Fernando Abreu
e volto aos pichadores, que autografam diariamente os prédios públicos. é uma imundície e um desperdício de energia, mas é também um registro de presença, assim como pessoas desenham corações em árvores, escrevem em portas de banheiro, rabiscam classes da sala de aula. é uma necessidade de dizer: estou aqui, existo. poucos percebem que existir para si mesmo já é uma plateia e tanto.

- Martha Medeiros in O autógrafo dos anônimos pertencente a obra "Non-stop"

enquanto eu pensava só mudar minha barba, as estações climáticas ou a localização do sofá, você me esquecia quietinha. aliás, onde começou o fim? em qual beijo você já não era você? o que fez de nós dois matusaléns jantando naquela sala? foi quando você fechou a porta pra fazer xixi? em que momento você passou a olhar pra mim e pro zelador com a mesma ternura? quando deixou de ver graça nas minhas piadas e imitações? e a última vez que sentiu ciúmes de um texto meu? diz, morena.

- Gabito Nunes in O último samba