domingo, 31 de outubro de 2010

sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão. sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente bem-vindo, que se sente inteiro. sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que não existe assunto proibido, que tudo pode ser dito e compreendido. sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo.
sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta.
agora sente-se e escute: eu te amo não diz tudo.

- Martha Medeiros in Sentir-se amado pertencente a obra "Non-stop"
o quão sagrado é ser absurdamente feliz mesmo sabendo a dor que vem depois. o quão sagrado é ver pureza em tudo o que você faz, ainda que você faça tudo sendo um grande safado. o quão sagrado é abrir mão de evoluir só porque andar pra trás é poder cruzar com você de novo.

- Tati Bernardi

sábado, 30 de outubro de 2010

Vai dizer que eu não sou feliz?


não dá para imaginar o quanto somos desejados quando estamos sós. sair sem peso algum, olhar para os lados e cruzar com um olhar despercebido por aí. desperdiçamos carícias quando estamos enamorados e acabamos nos sentindo só com um mundo inteiro a nossa volta. quem podia imaginar que eu sou tão feliz assim, sem gostar, sem me envolver. eu sou tão incrivelmente melhor sem você que nem percebi isso.
felicidade para mim não tem forma, lugar, nem pessoa. acontece quando a gente menos espera. eu sou feliz numa quarta-feira a bebendo chope e jogando conversa fora. eu sou absurdamente feliz numa sexta-feira depois de um dia inteiro de trabalho ir jogar uma sinuca com a minha galera. meus livros me fazem uma pessoa mais feliz, minhas músicas, meus desejos, minhas escolhas. quantas pessoas no mundo conseguem chegar a essa conclusão?
depois do mundo desabar começa a construção do ser. contarei minhas descobertas. descobri que fazer compras é demais relaxante. descobri que as pessoas surpreendem as outras pessoas. descobri que existe vida onde a gente enxerga um vazio. descobri também que o mundo sempre deixa uma porta aberta e que por vezes não aproveitamos.
mais que estar aqui, é se sentir feliz. se sentir realizado. tenho o prazer de dizer que todo mundo acrescenta um pensamento em alguém. hoje eu vejo que tudo valeu a pena. cada tapa na cara que eu levei da vida, cada encontro ou desencontro. que o que tiver que ser, vai ser. não dá para mudar o rumo das coisas. para mim esse mundo não tá de brincadeira e às vezes temos que levar a vida mais a sério, não tão a sério também. é para dizer que eu sou feliz que vivo meus dias sorrindo.

- Douglas Lenon
30 de outubro de 2010
veja por este ângulo: a espera se justifica por você ser tão especialzinha e única, feito uma flor bonita em encostas arenosas. confia em mim, ele vai te encontrar. mas siga sua intuição, não perca tempo e beleza com rapazes feitos para outras garotas. só pelo andar da carruagem você já sabe quem vem dentro.

- Gabito Nunes in Calma, ele vai te encontrar

Dissertação 66

porque eu odeio, eu não suporto que você fique. porque você estar no pólo norte, e estar aqui é a mesma coisa. fique aqui, mas esteja aqui pelo amor de Deus. ou você me engana demais, ou tem vergonha de ser quem é.

- Douglas Lenon
30 de outubro de 2010

coloquei as mãos por trás da cabeça e deitei de costas, tentando me agarrar às lembranças de que tinha da minha família. seus rostos pareciam estar em um lugar distante da minha mente, e para chegar até eles eu tinha que trazer à tona lembranças dolorosas. tinha saudade das mãos compridas, escuras e brilhantes da minha avó; do abraço apertado da minha mãe, quando eu a visitava, como se estivesse me escondendo e protegendo de alguma coisa; da risada do meu pai quando jogávamos futebol juntos ou quando ele me perseguia à noite com um balde d'água para me obrigar a tomar banho; dos braços do meu irmão mais velho em volta de mim quando caminhávamos para a escola e quando ele me dava uma cotovelada de leve para me impedir de dizer coisas de que eu me arrependeria; e de meu irmãozinho, que se parecia muito comigo e que às vezes, quando fazia alguma coisa errada, dizia para as pessoas que seu nome era Ishmael.

- Ishmael Beah in Muito longe de casa

— estamos cansados, eu sei. esse ano foi difícil, pra nós dois. só peço pra você decidir o que pretende da sua vida, Rigel. eu prometo que não vou complicar. eu vou sofrer, se você me deixar, claro. eu te amo. mas eu mudei o meu foco. não tenho mais a… capacidade de lidar com a hipocrisia. eu me intoxiquei. quero viver a realidade. agora é com você. você vai pensar e vai ter uma única obrigação comigo, ser honesto. com todos nós, inclusive com a figura, que nem quero saber quem é. se a gente sobreviver a isso, a gente pode sobreviver às outras coisas que estão por vir. porque eu não acredito mas numa caralhada de coisas em que eu acreditava. mas tenho certeza de que os grandes relacionamentos são resistentes. resta agora saber se o nosso amor é um grande amor.

- Fernanda Young in Aritmética

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

dos inesquecíveis olhos azuis: que me quis bem, me compreendeu, queria me proteger, dividiu comigo alegrias e tristezas, e sobretudo mostrou que a passagem do tempo pode nos tornar mais amorosos, ainda interessados, e muito mais interessantes.

- Lya Luft in Pensar é transgredir
quem não te sorri não é cúmplice.

- Martha Medeiros in Um deus que sorri pertencente a obra "Non-stop"

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Ainda exista amor para recomeçar


vinte oito de outubro de dois mil e dez. são quantos? vinte e três anos? espero que hoje você tenha aproveitado todo seu dia. espero que as pessoas tenham se lembrado. e tenham te desejado tudo de bom.
eu não tenho raiva de você, nunca tive raiva de você. tenho raiva do que você fez. eu me arrisquei a dizer isso. porque mesmo que eu escreva essa crônica com lindas palavras, a única frase que vai ficar na sua mente é essa: tenho raiva do que você fez. que vai te fazer sumir. mas não precisa sumir, porque eu não vou continuar. dessa vez eu que vou embora. como te disse espero que esteja tudo bem, de coração. eu sou só um menino de dezessete anos que se apaixonou perdidamente por um computador que falava.
mas o assunto é você, tenho medo de te mandar isso. eu não sei o que vai ser daqui para frente. não sei. porque depois que a gente descobre que viver não é nada mais que uma mentira muito bem elaborada, a gente fica sentado o dia inteiro esperando a vida passar. tenho forças para seguir em frente, mas eu prefiro ficar parado. prefiro me manter em pé. rezo para você todos os dias como sempre rezei. peço para que Deus ilumine teus caminhos todo sempre, peço para que Ele te dê alegria, te faça manter amigos para não ter que dizer que tem poucos. peço para que Ele me dê paz, porque calma eu tenho demais, eu sou a pessoa mais calma do mundo. se existisse um prêmio para pessoas calmas, eu ganharia disparado.
acreditei que você ficaria por mim uma vez, acreditei que você ficaria por mim duas vezes. será que eu acredito uma terceira vez? eu contei até dez, cem, mil para dor passar quando você sumiu da primeira vez. eu contei até dez mil, cem mil, um milhão para dor passar quando você sumiu da segunda vez. não vou continuar contando mais. você sabe o quanto eu te preservo. que durante esses dezessete anos foi a – única – pessoa que eu mais amei. mas eu preciso me sentir bem. sentir que eu tenho valor. porque quando você some, sinto como se eu valesse menos que uma qualquer nas ruas.
dói estar aqui agora, falando isso. dói porque eu sei que você vai embora depois de tudo isso. vai me achar a pior pessoa do mundo. mas se coloca no meu lugar. também dói te ver me acusando de coisas que não fiz. dói te ver procurando motivos para me afastar de você. dói esperar por quatro meses, para te ter por quatro dias.
espero que a vida te reserve o melhor. de coração. mas tem coisas que eu não consigo mais guardar aqui dentro. depois de tudo que falei, definitivamente não sei como vai ser daqui para frente. pronto. agora você pode me odiar. agora sim tem um bom motivo para me odiar. mas eu me desculpo comigo mesmo por tudo que eu me fiz. respiro fundo. não quero te afastar de mim. para valer cada lágrima que eu chorei, esse texto é pouco. repito: eu não te odeio, não te desejo mal nenhum.
desejo que você seja sincero e que não seja covarde. que não fuja. desejo que esteja para muita gente que quer te ver aqui. desejo que esse fim de dia esteja sendo maravilhoso para você. desejo ter feito parte de um pedaço de dia teu. desejo que me guarde em pensamento, mais do que em fotos. desejo que me carregue mais do lado esquerdo do peito do que em mente. desejo que tenha a vida que sonhou. desejo que realize todos seus desejos. desejo mais, que realize tudo que dizia querer fazer junto a mim. desejo que você tenha a quem amar. deseje que eu esteja fazendo a coisa certa. não espero resposta. te cuida rapaz. te amo.

- Douglas Lenon
28 de outubro de 2010
e outra coisa – não se esforce. pelo menos, não tanto. não fique aí remando contra a maré, dando murro em ponta de faca. veja – se não for pra ser, não vai ser.

- Caio Fernando Abreu
mais do que livros cabeças, músicas bacanas, frases inteligentes, lugares descolados ou posições sexuais, você me ensinou o que realmente importa aprender nessa vida: que a vida pode ser uma grande, imensa e gigantesca merda. é, ela pode ser. e que não existe porra de príncipe porra nenhuma.

- Tati Bernardi

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

desistam de planejar o desfecho.
não morremos com nobreza.
toda morte é um vexame.
não nascerei de novo,
a morte é que se renova.

- Fabrício Carpinejar in Cinco Marias

ele só disse ter pena. me jogou no chão, com todo cuidado de acertar as almofadas, esfregou as mãos e os braços como quem se desfaz do pó e se mandou, depois de um olhar do tipo "não-foi-isso-que-sonhei-pra-nós", por incontáveis dez segundos. ele não soube me amar, daquilo que eu aprendi ser o amor.

- Gabito Nunes in Ciúme Platônico
estou no começo do meu desespero
e só vejo dois caminhos:
ou viro doida ou santa.

- Adélia Prado in A Serenata

terça-feira, 26 de outubro de 2010

à noite parecia que caminhávamos junto com a lua. ela nos seguia sob nuvens densas e esperava por nós do outro lado das trilhas em florestas escuras. desaparecia com o nascer do sol, mas sempre voltava a pairar sobre nosso caminho na noite seguinte. seu brilho tornava-se mais sutil conforme as noites passavam. certas noites no céu era varrido por estrelas que flutuavam e desapareciam rapidamente na escuridão antes que nossos desejos pudessem encontrá-las. eu costumava ouvir histórias debaixo daquelas estrelas e do céu, mas agora parecia que o céu é que nos contava histórias enquanto suas estrelas caíam, colidindo violentamente umas contras as outras. a lua havia se escondido detrás das nuvens para não ver o que acontecia.

- Ishmael Beah in Muito longe de casa

Prefiro ficar em cima do muro


dose dupla é brincadeira né? quando já não basta um, volta o outro. o que fazer quando são dois? parece que é tudo lindo, e a gente fica sem saber o que fazer. o que eu queria mesmo era fugir. fugir de ser quem eu estou sendo nesse momento. por que eu tenho que ser tão maduro? porque eu não ajo igual ele e sumo. ou ajo igual o outro e falo, só falo. um só sabe fugir o outro só sabe falar. será que vai ter o terceiro que vai saber agir pelo menos. sempre quando tiver duas escolhas – tá mais para opinião – não escolha nenhuma das duas. o que for fazer bem sempre vem sozinho.
acho fugir covardia. falar demais e fazer de menos também. acho estar aqui o maior ato de coragem que um ser humano pode alcançar. não ganhar nada com isso e só ter a perder. tem que ter coragem de perguntar, de se arriscar. mesmo que doa, mesmo que te faça chorar. mesmo que você tenha que tratar friamente, não fuja. fugir vai contra tudo aquilo que eu prego, contra tudo aquilo que eu acredito. que duas pessoas se resolvem na conversa.
no final das contas eu não me dou liberdade para ter sentimentos bons e acabo dando nisso. um ser humano meio pensativo, que pensa demais no que fazer, e não faz absolutamente nada. que entre vocês dois, eu sou muito mais eu. eu tenho que me escolher, porque entre ficar sozinho com um de vocês dois, eu prefiro ficar sozinho comigo. se isso tudo aqui foi um desabafo? foi, meu coração já tá dilacerado, odeio essa falta de atitude. essa opinião fraca. prefiro ficar em cima do muro, assim eu posso julgar os dois lados, sem pertencer a nenhum.

- Douglas Lenon
26 de outubro de 2010
— ai. tenho medo de perder a memória.
— não perde. ela fica em algum lugar, sempre.

- Fernanda Young in Aritmética

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

eu não gosto de montanha-russa, o brinquedo, mas gosto de montanha-russa, a vida. isso porque creio possuir um certo grau de responsabilidade que me permite saber até que altura posso ir e que tipo de tombo posso levar sem me machucar demasiadamente: alto demais não vou, mas ficar no chão o tempo inteiro não fico.

- Martha Medeiros in Para sempre, até quando? pertencente a obra "Non-stop"
(o que eu escreveria com fezes na parede, se fosse um anjo doente?)

- Lya Luft in O ponto cego

não preciso do mar
para ir longe. exercito
distâncias no quarto.
não tive segunda
chance, rascunhos.
a vida recusa principiantes.

- Fabrício Carpinejar in Cinco Marias

domingo, 24 de outubro de 2010

não tenha medo. eu sou só uma menina boba com medo da vida. mas hoje eu não tenho medo de nada, eu apenas fecho os olhos e lembro de você me dando aquela flor velha, fazendo piada ruim às sete da manhã, me lendo no escuro mesmo com dor de cabeça.

- Tati Bernardi
amar é brincar de briguinha, é dizer que vai amar pra sempre, é dar beijos e cheiros em lugares estranhos em locais inadequados, é beber no mesmo copo.

- Gabito Nunes in Amor é normal

O coração já está de mão dada


cada um por si
você por mim e mais nada.
Kid Abelha - Como eu quero ♪

hoje na margem desse rio, eu me sinto enfim só. eu queria realmente estar triste. mas não estar triste é uma coisa boa, ou era para ser uma coisa boa. dá medo não sentir tristeza. geralmente ficamos triste porque alguém nos deixa triste. não estar triste faz parecer que não existe ninguém. eu gosto de me sentir só, eu não gosto de estar sozinho. complexo até para mim. minha vontade agora é de mergulhar dentro desse rio, chorar um pouco para não perder o costume. para as lágrimas se misturarem com o rio. para não me perder. para não perder você.
ando decepcionado comigo, decepcionando os outros. mas me mantenho firme. será mesmo que vale a pena se entregar para alguém que te deixa tão solto? eu acho que não. minha mente acha que não. mas meu coração já está de mão dada com o coração dele. eu molho minha mão na água passo no meu rosto, e sorrio. porque até sozinho a gente pensa em alguém.
quando você vem me buscar no fim do dia, em frente a esse rio, me puxa pelo braço, e me seca, me abraçando, envolvendo a toalha em volta de mim. é isso sabe. isso que faz todo o sentido. estar aqui. viver aqui. ele me protege, cuida de mim do jeito dele. só não gosto do fato dele me deixar solto demais. ao contrário de muitos, ele diz que sempre vai estar, coloca a mão no meu coração, e diz: aqui eu tenho um lugar reservado. eu coloco minha mão sobre a dele e digo: aqui você tem uma casa.

- Douglas Lenon
23 de outubro de 2010

sábado, 23 de outubro de 2010

cada um tem seus processos, você precisa entender os seus. de repente, isso que parece ser uma dificuldade enorme pode estar sendo simplesmente o processo de gestação do sub ou do inconsciente.

- Caio Fernando Abreu
foi Junior quem me ensinou a fazer pedras pularem no rio. uma vez fomos buscar água e ele me disse que tinha aprendido uma mágica nova que fazia as pedras andarem na água. dobrando o corpo de lado, ele jogava pedrinhas e cada uma andava na água mais rápido que a outra. ele me disse para tentar, mas eu não consegui. ele prometeu me ensinar o truque noutro dia. quando voltávamos para casa com baldes na cabela, escorreguei e caí, derramando a água. Junior me deu o balde dele, pegou o meu e voltou ao rio. a primeira coisa que ele me perguntou quando chegou em casa foi se eu tinha me machucado quando caí. eu disse que estava bem, mas, de qualquer maneira, ele fez questão de examinar meus joelhos e meus cotovelos, e, quando terminou, fez cócegas em mim. enquanto olhava para ele naquela noite, sentado na varanda de uma casa numa aldeia desconhecida, quis que ele me perguntasse se eu estava bem.

- Ishmael Beah in Muito longe de casa
take what you need, and be your way and stop crying your heart out. ♪
Tradução: pegue o que você precisa, e siga seu caminho, e faça seu coração parar de chorar.

- Oasis
Stop crying your heart out

Amores apertados


sabe aqueles banheiros mínimos, que quando um entra o outro tem que sair? tem amores que parecem um banheiro apertado: só cabe um.
ela ama o cara. interessa-se pela sua vida, seu trabalho, seus estudos, seu esporte, seus amigos, sua família, enfim, ela está inteira na dele. ele, por sua vez, recebe isso de muito bom grado mas não retribui. não pergunta pelo trabalho dela, pelas angústias dela, por nada que lhe diga respeito. ela, obviamente, não gosta desta situação, mas vai levando, levando, levando, até que um belo dia sua paciência se esgota e ela tira o time de campo. aí ele entra.
de repente, como num passe de mágica, ele se dá conta de como ela é legal, de como ele tem sido distante, de como vai ser duro ficar sem a sua menina. então ele a torpedeia com e-mails e telefonemas carinhosos. mas ela é gata escaldada, não vai entrar nessa de novo. ele insiste. quer vê-la, quer que ela entenda que ele é desse jeito tosco mesmo, mas que no fundo ela é a mulher da vida dele. ela é gata escaldada mas não é de gelo: então tá, vamos tentar de novo. ela entra com tudo.
com a namorada resgatada, ele se isola novamente em seu próprio mundo, deixando-a conduzir tudo sozinha. é ela quem o procura, é ela que o elogia, é ela que arma os programas, é ela que lembra das datas, é ela, tudo ela, só ela. quer saber: tô fora!
aí ele entra. pô, gata, prometo, juro, ó: vou cobrir você de carinho. e não é que ele cumpre? passa a tratá-la como uma deusa, superatencioso, parece outro homem. ela aceita a deferência, mas não entra mais nesse jogo. simplesmente não retribui o afeto dele, quase nunca telefona, sai com as amigas toda hora, e ele ali, no maior esforço. ela esnobando, ele tentando, ela se fazendo, ele se declarando. até que ele enche: tô fora.
aí ela entra. e ele esfria, e ela cai fora, e ele volta, e seguem neste entra-e-sai até o desgaste total.
bom mesmo é amor em que cabem os dois juntos.

- Martha Medeiros in Non-stop

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

o ponto cego é onde a gente pode sempre dizer: não.
o ponto mais cego é onde a gente não sabe quem disse não primeiro.

- Lya Luft in O ponto cego
taí. tá bom. o amor venceu. você venceu. venceu. venceu. venceu. e eu acabo de descobrir, simples assim, a única maneira de me livrar desse sentimento: aceitando ele, parando de querer ganhar dele. te amo mesmo, talvez pra sempre.

- Tati Bernardi

Para o nosso sempre


nem sonhava que as pessoas ainda carregavam romantismo dentro de si. estou falando do dormir de conchinha depois do sexo, do passar a mão nos pêlos da barriga dele só para ver arrepiando, do juntar dos pés, do beijo atrás da orelha. sabe que isso tudo parece muito brega, mas eu gosto desse brega. sim, eu sonho em acordar com aquele café da manhã na cama, vendo ele vindo só de calção, sentando na cama cruzando as pernas e mordendo um pedaço do morango e dando na boca para mim.
sonho em um dia sair com ele de mão dada pela praia com ele, numa manhã de sol, segurando as mãos quentes dele, ele tem uma risada a qual eu não consigo parar de elogiar, linda linda linda. porque ele consegue parar o mundo quando ri. odeio esse romantismo, mas estou falando de enterrar ele na areia, e beijar a ponta do nariz dele leve. apertar seus braços e subir em cima de você, sorrindo. até que você sai bruscamente da areia, e ficar por cima de mim me enxendo de areia. então ficaria bravo por você me sujar inteiro, mas você me pega no colo e me leva até a água, e me limpa, eu te limpo, e a gente volta a sorrir.
penso em você, é quase meia-noite. eu sei que agora, está sonhando comigo, assim como vou sonhar com você. por que depois de tudo a gente ainda ama? tenho medo de parar de te amar e não conseguir me erguer de novo. mas no meu pensamento romântico agora você está com as mãos na minha cintura, me beijando suavemente, limpando a lágrima que cai, dizendo baixinho no meu ouvido que é assim, a Terra é redonda, ora lá em cima, ora aqui em baixo. te amo incondicionalmente. para o nosso sempre.

- Douglas Lenon
18 de outubro de 2010

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

desta maneira, refazendo-se. belamente, já que com sofrimento. completamente, pois ficando, enfim, inteira. e, quando cair de novo em depressão, vai saber que passa. dói, mas passa.

- Fernanda Young in Aritmética

Dia 15 - Um blog que você sempre visita

visito vários blogs, porém deixo claro que sou péssimo para comentar, sempre esqueço de comentar, sempre escrevo demais no comentário, sempre me perco. não dá para colocar aqui um único blog, porém lógico tem o meu preferido, e sempre dou uma passada por lá. vou listar aqui 8 blogs os quais sempre visito.

1. Caras como eu
2. Anestésico
3. Só enquanto eu respirar
4. Amargamente doce
5. Ele não! Ela sim!
6. Calmila
7. Costurando estrelas
8. Faz de conta
soletro o calendário,
riscando os dias
como fósforos usados.
o tempo não cura as feridas,
mas as feridas curam o tempo.

- Fabrício Carpinejar in Cinco Marias

quarta-feira, 20 de outubro de 2010


com essa maré toda contra, não tenho escrito absolutamente nada. é terrível. tu sabes como é, a gente fica pensando aquela porção de coisas destrutivas, que nunca mais vai conseguir, que secou completamente, etc. tenho algumas ideias, várias anotações, tudo meio caótico e super-desorganizado – mas acho tudo pálido, tudo insuficiente e inútil nesse momento que a gente está vivendo. ando me sentindo ex-escritor, ex-amigo de qualquer pessoa, ex-gente – me lembro sempre de teus versos (teu livro está sempre na minha cabeceira, sempre leio coisas antes de dormir, às vezes gravo, outro dia eu e um amigo fizemos um recital inteiro dos teus poemas, a boneca terminou em prantos): “iniciei mil vezes o diálogo. não há jeito. tenho me fatigado tanto todos os dias vestindo, despindo e arrastando amor, infância, sóis e sombras”. a verdade é que não me sinto capaz de nada. não é fossa. fossa dá ideia de uma coisa subjetiva e narcisista. são motivos bem concretos, que inclusive transcendem o plano pessoal. e tudo tão insolúvel que a gente só pode fugir, porque ficar não adianta nada. a minha maneira de fugir, tu sabes, é dormindo. andei dormindo até quinze horas por dia, durante quase duas semanas. nos contatos que tenho com gente da minha geração, ou de outras, mas unidos pela mesma lucidez, percebo de maneira intensa a mesma sensação de abandono e de inutilidade. sobretudo de impotência. o consumo de drogas como meio (ótimo) de alienação e como meio (falso) de libertação é uma coisa incrível, assustadora mesmo. a maconha rola em Porto Alegre, as “picadas” também, agora descobriram mescalina em Santa Catarina e uns conhecidos meus, pintores, estão fazendo tráfico e vendendo para toda a “classe artística” de PA. e o mais assustador nessa estória de drogas é que são consumidas justamente pela parte mais esclarecida da população, pelos que poderiam fazer alguma coisa, os outros, as camadas mais baixas, têm a televisão, as novelas, as revistinhas de amor. eu tenho o sono, talvez a fuga mais saudável, se bem que igualmente desesperadora.

- Caio Fernando Abreu

Dissertação 65

chamava ele de meu menino às vezes, e a merda de tudo isso, é que eu me apaixonei pela risada alta dele. porque simplesmente o mundo para quando ele ri. e todo mundo para, e só dá para ouvir a risada dele. ele podia ter falado qualquer coisa, mas ele riu, e eu me apaixonei. merda.

- Douglas Lenon
12 de outubro de 2010
para quem acha que isso é chantagem, arrisco sair em defesa do amor: ser feliz é uma exigência razoável e não é tarefa tão complicada. felizes aqueles que aprendem a administrar seus conflitos, que aceitam suas oscilações de humor, que dão o melhor de si e não se autoflagelam por causa dos erros que cometem. felicidade é serenidade. não tem nada a ver com piscinas, carros e muito menos com príncipes encantados. o amor é o prêmio para quem relaxa.

- Martha Medeiros in Amor e perseguição pertencente a obra "Non-stop"

terça-feira, 19 de outubro de 2010

De que serve ser um anjo se me cortaram as asas?


sinto raiva e tenho vontade de fugir, mais uma vez. porque esse versos sujos de amores comprados por telefone não fazem meu estilo de vida. a gente esperneia e não resolve nada, a gente chora e tudo continua igual, a gente grita e ninguém ouve. nessas horas dá uma vontade tremenda de ter asas, e não parar de voar, nunca. eu queria sentir o vento batendo nas minhas asas, me fazendo levantar voo. se dependesse de mim, eu tinha um cantinho reservado em Vênus. de que serve ser um anjo se me cortaram as asas?
não suporto o fato de ter que viver para ninguém. pelo lado bom não sou um gato. uma vida é burocrática demais, sete então, Deus me livre de tanta responsabilidade, dor no coração.
— mas amaria sete vezes mais, levantaria sete vezes mais, sorriria sete vezes mais, me amaria sete vezes mais, me teria sete vezes mais.
— por que isso tudo agora? você sabe que se fosse para te ter sete vezes mais, não era preciso nem mesmo sete vidas. era preciso você.
— não queria te ver chorar meu amor, eu não quero ser demais para você. quero que goste de mim, mas que goste do jeito que sempre gostou, desse meu jeito bruto, cafajeste e sem rumo.
— e se eu dissesse que não te amo, que eu gosto, mas não te amo.
— vamos fazer um trato, eu tento mudar se você parar de mentir.

- Douglas Lenon
18 de outubro de 2010
(a impotência de um Menino é que às vezes a morte joga fora o certo e recolhe o errado.)

- Lya Luft in O ponto cego
eu tô cansado de agradar todo mundo em troca de uma coisa que eu não sei o que é, mas não paga meu desodorante de catálogo.

- Gabito Nunes in Meu querido diário

não sei se já falei isso, mas é a melhor das melhores crônicas dele. beijos, Doug.
toda manhã eu decidia meu destino escolhendo em qual direção seguir. meu objetivo era evitar a direção de onde eu tinha vindo.

- Ishmael Beah in Muito longe de casa

segunda-feira, 18 de outubro de 2010


eu escolhi, que aquele fosse o último abraço. agora é outra que se perde em ombros tão largos, tomara que ela não se perca tanto ao ponto de um dia não enxergar o quanto aquele abraço é o lado bom da vida. aquele abraço era o lado bom da vida, mas para valorizá-lo eu precisava viver. e que irônico: pra viver eu precisava perdê-lo. se fosse uma comédia-romântica-americana, a gente se encontraria daqui a algum tempo, mas a realidade é que não gostamos desses tipo de filmes fraco com final feliz. gostamos dos europeus, 'cult', aonde na maioria das vezes as pessoas sofrem e perdem, assim como aconteceu com a gente.

- Tati Bernardi

às vezes vem essas malditas recaídas, mas a gente levanta, a gente anda,
eu ainda sangro, quer dizer que estou vivo ainda, mas não queria esse coração,
se pudesse vendia para um "sebo de corações usados", mas ninguém
ia comprar depois, acho que por isso não aceitam. beijos, Doug.
PS: galera vou visitar os blogs, mas preciso de tempo,
adoro o carinho de todos, e leio sempre os comentários.
ótima semana para todos!
a vida humana é basicamente isso, não é? ferir e perdoar.

- Fernanda Young in Aritmética
você não vai encontrar caminho nenhum fora de você. e você sabe disso. o caminho é in, não off.

- Caio Fernando Abreu

domingo, 17 de outubro de 2010

Por que a rainha é quem tem que proteger o rei?


"por mais que você tenha feito de tudo
pelo outro, ele nunca deve nada para você."

Gabito Nunes in A manhã seguinte sempre chega

independente fazemos as coisas pensando no que teremos em troca, pensando se ele vai nos surpreender numa tarde de terça-feira às 18:00 com duas entradas para ver o filme mais romântico que está passando no cinema logo na rua de trás do seu trabalho. esperamos tanto, tanto, e ele não nos deve nada. absolutamente nada. nem um beijo de boa noite ele deve.
depois de um tempo em vez de termos proteção, temos que proteger, obviamente sem nada em troca. ouvimos barbaridades sobre o quanto ele é preguiçoso e não trabalha, e lá vamos nós falar para todos que estão enganados que ele é sim um bom homem, um ótimo marido, e que ajuda nas tarefas de casa. novamente a rainha defendendo o rei. será que por andar mais casas as rainhas não deveriam estar com coisa melhor, quem sabe o cavalo, que não pensa, mas pelo menos age.
temos tudo pronto, rainha é a peça mais cobiçada, tanto pelos reis como pelo peões, se é que você me entende. um cavalo, um rei, um bispo jamais será uma rainha, mas um peão sim. até o peão é melhor que um rei. um peão não vale um rei, mas com certeza vale uma rainha.

- Douglas Lenon
17 de outubro de 2010
as pessoas têm estado cansadas demais para produzir seus próprios sentimentos. assustadas demais para olhas para dentro. confusas demais para reconhecer seus medos e desejos. passivas demais para transformar tudo o que sentem em ativo. procuram artigos prontos em vez de fabricá-los.

- Martha Medeiros in Qualidade de vida pertencente a obra "Non-stop"
na infância, vive-se a medida natural.
depois, o desequilíbrio.
ou sobra ou falta amor.

- Fabrício Carpinejar in Cinco Marias
no fim terei duas saídas: explodir porque a pele ficou pequena demais, rebentar em merda ou sonho. ou implodir, desabar para dentro de mim, ao peso do tempo sem controle.

- Lya Luft in O ponto cego

sábado, 16 de outubro de 2010


levantei do chão, molhei uma toalha branca com um copo d'água e a amarrei em volta da cabeça. eu estava com medo de dormir, mas ficar acordado também me trazia lembranças dolorosas. lembranças das quais às vezes eu gostaria de me livrar, apesar de saber que são uma parte importante do que é minha vida, de quem sou agora. fiquei acordado a noite inteira, esperando ansiosamente pela luz do dia, para que eu pudesse retornar por inteiro à minha nova vida e re-encontrar a felicidade que conheci quando criança, a alegria que havia permanecido viva em mim mesmo em épocas quando estar vivo havia se transformado em um fardo. hoje vivo em três mundos: meus sonhos, e as experiências da minha nova vida, que desencadeiam memórias do passado.

- Ishmael Beah in Muito longe de casa
por isso, com muito custo, chacoalhei minhas mangas. e só eu sei o quanto doeu ver a melhor coisa do mundo indo embora. doeu um, dois dias. no terceiro, a melhor coisa do mundo virou a melhorzinha. que virou a décima melhor. que não virou nada. tanto medo de não conseguir parar de fumar e no fim a gente descobre que realidade esfumaçada só dá bafo e dor no peito.

- Tati Bernardi
quantas pessoas existem no mundo capazes de fazê-lo sentir alguém especial? capazes de falar na lata que gostam de você? e quantas vezes você faz alguém sentir-se assim?

- Gabito Nunes in Não leia este texto

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Eu não sou o que sobrou da festa


eu só queria você aqui de novo, nunca te disse isso, ou te disse milhares de vezes e vou repetir: não me importo com o que você é, onde você vai, e por onde você vai. eu me importo com você. mesmo contra a vontade do meu coração – que clichê, von-ta-de-do-meu-co-ra-ção – eu ando saindo mais, gastando mais, perdendo bem mais, e só continuo sentindo mais e mais a sua falta. minha autoestima já foi bem mais alta, bem mais do que isso que sobrou aqui. eu não sei como é para as outras pessoas, mas eu me sinto feio, quando eu saio e não tenho a mínima vontade de ficar com alguém, e justo nessa noite ninguém – ok, teve uma exceção, duas no máximo – dá em cima de você, de mim no caso. me sinto o que sobrou da festa.
uma coisa é certa: eu não sou o que sobrou da festa. sou muito mais que uma bunda bonita, e muito mais que você pode imaginar. eu sei você não me merece, mas eu quero você. nessas horas a gente vê como é dificil dizer um sim. parece que é mais fácil passar no vestibular do que dizer o simples sim. já disse inúmeras vezes, eu não quero que você se importe, eu não quero atitude, eu quero você. com ou sem atitude.
odeio falar de amor – certo eu gosto – mas eu queria que o amor falasse comigo também. que o meu amor falasse comigo. parece uma conversa individual, conversa não. pensamento. se você me visse nessa noite de sábado que passou dançando do jeito que eu estava dançando, e não dava para dizer que era a bebida, porque uma dose de tequila não faz aquilo com uma pessoa, mas se você tivesse me visto, teria se partido de ciúmes. eu sei que você não me ama, mas você gosta de mim. e morre de ciúmes. e eu te odeio tanto por isso. mas eu sou bipolar, e já estou te amando outra vez.

- Douglas Lenon
10 de outubro de 2010
você é tosco e vaidoso,
eu sou grande e assustada.
você é homem.
eu sou homem
e mulher.

- Fernanda Young in Aritmética
liberdade para independentizar-se de salário e de promoções, liberdade para tomar atitudes erradas, liberdade para ir e vir sem magoar quem se prende a nós. liberdade para chutar o balde, liberdade para recolher o balde e voltar atrás. somos livres para fazer o que quisermos, desde que o que queiramos não esteja em desacordo com o Código Penal, com a Igreja e com a nossa infância querida, que não pode ser renegada. você é livre para ser uma pessoa como manda o figurino. você é livre no metro quadrado que estabelece sua fronteira com o vizinho. você é livre numa reserva de mercado. não se fala mais nisso, liberdade. você é livre e não sabe.
não sei.

- Martha Medeiros in Liberdade, a palavra pertencente a obra "Non-stop"

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

quem procura não acha. é preciso estar distraído e não esperando absolutamente nada. não há nada a ser esperado. nem desesperado.

- Caio Fernando Abreu fala por mim.

se descubro o lance perverso da jogada, quem sabe eu consigo sobreviver.

- Lya Luft in As parceiras
gosto de você além da minha imaginação, não porque aprendi a gostar, mas porque por mais que eu sonhe, você é ainda melhor que o sonho. você é além da minha capacidade em te imaginar. e eu jamais te diria isso. não posso te fazer esse elogio. mas olha, ainda assim, olha eu aqui de novo. porque você não é melhor que a minha imaginação, você não é melhor que a minha esperança, você, pra falar a verdade, é bem ruinzinho.

- Tati Bernardi

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. ♪

- Legião Urbana
Pais e filhos

2023: Carta para alguém bem próximo


"se ele podia ser fraco ou errar, quem iria para sempre cuidar de mim?"
Lya Luft in Aquelas ilusões pertencente a obra "Pensar é transgredir"

lembra quando você disse que não queria passar o resto da vida com a mesma pessoa, e logo depois de uns anos veio dizendo que me amava e que estava decidido quando entrou na casa dos 30 anos de idade. aceitei porque independente de tudo, eu sempre te esperei, sempre. nessa semana faz cinco anos que a gente se casou – lembra? foi em um dia chuvoso, até então os sábados do mês tinham sido uma maravilha, mas não, escolhemos casar no dia 14 de outubro de 2018, e sem mais. você hoje com 34 anos – daqui duas semanas com 35, desculpa lembrar, te amo –, achando que tem 21 ainda, eu com 30 anos, achando que tenho 38 já. sempre fui eu quem cuidou de você, quem cuida de você.
nessa estrada da vida nunca pensei em ter filhos, sempre fui aberto dizendo que não queria, que eu era feliz assim, e você nunca mencionou nada, nem que queria, nem que não. acabou que acabamos tendo dois – até agora, mãe de aluguel é o que não falta nesses últimos anos – filhos lindos, um casal. todo mundo percebe e eu vou falar, você é o pai mais babão do mundo, eu sou bem reservado, disso todo mundo sabe e percebe. nosso primogênito, uma menina, nasceu numa manhã linda, eu estava com um paciente na hora e não pude estar na hora do nascimento, era dia 30 de novembro de 2019, você fez questão de escolher o nome, olhou para ela e disse, vai se chamar: Diana. abraçou ela de uma forma tão linda, lembro que cheguei bem nessa hora e te dei um super abraço. hoje ela está linda, andando com aquelas perninhas gordinhas, e você ficou morrendo de ciume quando ela me chamou de papai. eu lembro, seu bobo, lindo, meu.
Diana tem teus olhos, e tua risada, sou apaixonado pela tua risada. você podia ter falado qualquer coisa e eu ter me apaixonado por suas palavras, mas me apaixonei pelo teu riso, sincero, doce. teimosa, é sagitariana. acredita em você demais, lembra quando você pediu para ela se jogar de costas que você pegaria ela? ela estava com medo, mas fechou os olhos e se jogou, acreditou em você, e você sorriu, levantou ela no colo, e a abraçou forte dando vários beijos nela. meu Deus, se eu soubesse que família fosse tão lindo, eu teria formado uma antes, há muito tempo atrás.
os anos foram passando, e passando, e decidimos ter outro, ou outra, não sabíamos. dessa vez quem estava na espera era eu, descobrimos que era menino e ficamos todos atônitos, e felizes. te abracei forte no dia e fizemos amor às duas horas da tarde de uma segunda-feira. pensei que o amor fosse diminuindo conforme o tempo, mas não, ele cresce, penso que não tem mais espaço para ele se expandir, e ele arruma jeito, ele continua crescendo, e eu te amando e te amando...
não esperávamos a chegada do bebê, até que a mãe de aluguel teve que fazer a cirurgia às pressas porque houve uma complicação, não entendo muito de medicina, mas o médico disse que tinha acontecido algo e que se o parto não fosse feito com urgência o bebê poderia sofrer algum dano. era dia 7 de abril de 2022, uma quinta-feira, eu falei que não ia para clínica e cancelei os cinco pacientes que eu tinha. eu estava nervoso, e meu parceiro tava para chegar, tinha passado a noite inteira no trabalho, quando ele chegou fiquei mais aliviado, me abraçou e chorei um pouco de nervoso.
Giussepe Miguel, nasceu lindo, saudável. minha família detestava o primeiro nome, achavam desnecessário, e só chamavam o de Miguel. Giussepe tem meu nariz, e é cedo para saber se ele vai herdar minha inseguraça, hoje ele com um aninho, é bem apegado a mim, aprendeu a andar cedo, às vezes trago ele comigo para o trabalho, não que eu não confie na babá, mas é que eu gosto de passar o dia com meu filho. ariano. vivia falando para uma amiga minha, deus me livre, se um dia tiver um filho, espero que seja do signo de virgem do que do signo de áries, ou seja, paguei pela minha língua. Giussepe só consegue dormir com o outro pai dele, também nunca vi alguém ter tanto jeito com criança do que ele.
construí uma família e nem me dei conta disso. hoje sou um psicólogo e escritor reconhecido. casado com um jornalista, muito meu por sinal. tenho minha casa, meu lar, um amor, amigos maravilhosos, filhos perfeitos. eu não tenho do que reclamar, e não tenho nada para pedir, é tudo que eu sempre quis. tudo que eu quero. como o tempo passa e a gente cresce.

hoje, dia 12 de outubro de 2023, te amo como nunca ousarei amar alguém. do sempre teu, Douglas Lenon.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

só uma coisa a favor de mim eu posso dizer: nunca feri de propósito. e também me dói quando percebo que feri. mas tantos defeitos tenho. sou inquieta, ciumenta, áspera, desesperançosa. embora amor dentro de mim eu tenha.

- Clarice Lispector in A descoberta do mundo
não é vergonha ter medo. diabos, nós todos temos medo. o que você tem que fazer é descobrir do que você tem medo. porque quando você encara o medo, você pode derrotá-lo. ou melhor ainda, você pode usá-lo.

- One tree hill
1ª temporada, episódio 2
— será que ela chora de saudade sempre que ele vai embora também?
— que pergunta! como vou saber isso? acho que não, sei lá.
— será que de vez em quando ela lembrava de mim olhando pra ti?
— decerto.
— e tu acha que depois da janta eles foram até a colina de fusca pra ver as estrelas e dar uns amassos ouvindo o disco do Barry White?

- Gabito Nunes in O informante

meu Deus, sou apaixonado pelo que o Gabito escreve, sério.
se ele não me mandar o livro dele vou ficar puto, haha brincadeira.
mas vou fazer o mershãn aqui, o livro do Gabito tá para sair, e espero
que ele mande aqui para livrarias Curitiba, para que eu possa comprar,
e mande para Biblioteca Pública do Paraná também pô! haha
fica o site do blog: http://www.carascomoeu.com.br/ beijos galera, Doug.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010


— eu não preciso de você. nem você de mim. essa é a verdade. e isso parece o fim do mundo, porque geralmente não há nada a ser feito se não for, a princípio, necessário. por isso, essa ansiedade da ausência. essa abstração. estamos com medo de perder o que já foi perdido. e a perda é aliviante, mas ainda nem sabemos disso. estamos livres. livres pra nos comprometer, se quisermos, mas sem nenhuma obrigação, se essa não for a nossa decisão.
amém.

- Fernanda Young in Aritmética
viver requer a disciplina de ser invisível.
todos querem aparecer.

o mundo não é feito sob minha medida.
nada envelhece sem alguma violência.
nada altera a raiva com que nasci.

- Fabrício Carpinejar in Cinco Marias
por que a droga da chuva me lembra todas as vezes que eu voltei para casa sonhando e no dia seguinte me deparei com a frieza do dia seguinte? aonde está você pelo amor de Deus! aonde está você? não vê que estou cansada de pertencer a todos e não ser de ninguém? não vê que minha devolução me enfraquece cada vez mais em me entregar? não vê que na loucura de te encontrar não meço as entregas? e elas nunca são entregas porque eles nunca são você. porque comecei este texto tão bem e mais uma vez esqueci de ser a mulher moderna que eu tanto gostaria de ser para lembrar a mulher romântica que espera por você a cada esquina, a cada decote, a cada riso nervoso que solto em forma de grito à espera do seu socorro.

- Tati Bernardi

domingo, 10 de outubro de 2010

Prazer, Quase


prazer, meu nome é senhor Quase. andei respondendo uma ficha e quase desisti de continuar preenchendo. várias pessoas pensaram que eu iria desistir de tentar procurar um emprego, mas não, fui a luta. não queria fazer essa observação, mas enfim, eu quase desisti.
olhei aquela ficha, pensei que as pessoas formadas fizessem coisas mais difíceis, tudo bem, quase falei, mas fiquei quieto. com a caneta na mão me deparo com a primeira pergunta. seu nome. Quase Às Vezes da Silva. até aí tudo muito fácil. segunda pergunta. sua idade. quase 18. quem coloca quase dezoito? eu. essas entre outras perguntas. confesso que na hora do estado civil pensei um pouco e acabei colocando, quase encalhado. quem sabe as pessoas tenham pena e me contratam. adoro jogada de marketing. continuando aquela imensa lista. vem a pergunta avassaladora. suas qualificações. quase formado, quase realizado, na questão da informática, às vezes faço uns bicos no meu computador mas quase sempre acabo fodendo com ele mais ainda.
quem nesse mundo me contrataria? esse mundo não tem censo, é o que quase digo às vezes. sou tão indeciso quanto ele e nem pensei nisso. embora às vezes eu pense em te encontrar no final do expediente, porque às vezes penso, quase desisto, mas persisto.

- Douglas Lenon
06 de outubro de 2010
o domingo tá acabando — já é tarde — amanhã a gente começa de novo. eu me sinto às vezes tão frágil, queria me debruçar em alguém, em alguma coisa. alguma segurança. invento estorinhas para mim mesmo, o tempo todo, me conformo, me dou força. mas a sensação de estar sozinho não me larga. algumas paranoias, mas nada de grave. o que incomoda é esta fragilidade, essa aceitação, esse contentar-se com quase nada. estou todo sensível, as coisas me comovem.

- Caio Fernando Abreu
eu duvido, du-vi-do, que a Raquel não tenha um amante. ela anda muito feliz ultimamente. (…)
e a Raquel tem um amante? jura? se inveja matasse, hein, gurias...

- Martha Medeiros in As pequenas maldades pertencente a obra "Non-stop"

sábado, 9 de outubro de 2010

toda noite em que a lua aparecia no céu eu me deitava no chão e ficava quieto, olhando para ela. queria descobrir por que era tão atraente e adorada. fiquei fascinado com os diferentes desenhos que distinguia dentro da lua. certas noites eu conseguia ver a cabeça de um homem. ele tinha uma barba de tamanho mediano e usava um chapéu de marinheiro. noutras ocasiões eu via um homem com um machado cortando madeira, e às vezes uma mulher ninando um bebê no peito. sempre que tenho uma chance de observar a lua agora, ainda vejo as mesmas imagens que enxergava quando tinha seis anos, e me agrada saber que aquela parte da minha infância ainda está guardada em mim.

- Ishmael Beah in Muito longe de casa

Sai de mim


eu queria ter coragem pra dizer que não te amo mais, só pra te machucar, pra te ver sofrer um pouco. mas me deixo quieta, não posso correr o risco dessa frase ser tudo o que te faltava. chama um táxi, enquanto me faço de ofendida e checo no espelhinho de bolsa a tristeza leve das minhas pálpebras roxas. outra vez é quinta-feira e a expressão "programa com você" tem um gosto amargo de duplo sentido. do amanhã já sei de cor. vou embora em salteado.
só queria dar o fora. em ti, daqui, de qualquer lugar. aonde eu não tenha estômago pra ser uma dessas mulheres que gostam de arrastar um bonde e a cara no chão. tudo em nome de uma coisa que faz todos gargalharem ou fazer uma cara de dó se arrisco chamar de amor. isso não é amor, menina de deus. quem sabe de mim sou eu, repito pra mim. eles não sabem, mas eu sonho um dia gostar menos de ti e ninguém nesse mundo me ajuda tanto pra que isso aconteça, senão você. cada passo em falso seu pra me perder, insisto cada vez mais te querer.
sai de mim, eu penso olhando o povo, as vitrinas e uns cartazes com aquele seu meio riso da janela do meu ônibus. mas se eu não quero um filho com buraco no queixo, barba encravada, camisa furada nas costas, cantando "don't let me down"? se eu não quero mais passear de mão e passar vergonha na frente dos outros? se eu te odeio tanto, porque eu gosto mais de mim contigo por perto? então? quero o quê? pronto, não dá mais. eu me decido.
aí, basta um pio e eu largo tudo apitando, pondo a razão a perder. o valor do meu silêncio é inversamente proporcional pra nós dois. o centavo que te faz voltar é o ouro que me compra. os hematomas nas minhas coxas, ombros e calcanhares são todos culpa minha, apesar das suas impressões digitais. não se engane, fosse uma surra física seria tão mais fácil, mas não, são apenas brincadeiras de mau gosto. tapas, mordidas e vergões são suas marcas registradas mostrando que meu coração vazio é meramente ilustrativo. entre nós, o sexo e a dor não podem ser vividos separadamente.
fora a falta que sinto das suas roupas penduradas e do queixo torto de reprovação toda vez que ponho a Maria Rita pra tocar, eu tenho um oceano de inveja sua. da sua força em arriscar o baita azar de me perder quando eu não ouso nem procurar outra boca pra ver se minha sorte muda pro lado mais distante dos seus bocejos se falo de algum medo meu. eu preciso te extraditar do meu horizonte, do meu pensamento ilimitado, da minha cabeça sempre a prêmio.
quem te viu ontem, rindo desgraçadamente da penca de peripécias amorosas na mesa de um bar qualquer, não te vê hoje, em sonhos saciados à luz do corujão e meu zelar incrédulo perguntando pras paredes creme o que eu faço contigo, com isso, comigo, daqui a pouco, quando o sol sair a pino. jeito de menino, bom filho, pseudo e péssimo namorado, amante profissional. difícil é separar seus predicados do sujeito simples, dono da minha oração de cada domingo empapando o travesseiro.
então eu rezo. sai de mim. sai de mim. sai de mim. quero uma coisa nova, mas pra me suar as mãos e enfraquecer as canelas, você ainda é o que há de mais inovador. e é isso que me mata aos poucos: juntos, a gente dança disforme à música. um pra lá, um pra cá, e seu corpo me chama pra dançar. vou, não nego. mas na manhã seguinte, quando segue o baile, estou sem par outra vez.

- Gabito Nunes

quando ele postou essa crônica caiu como uma luva para mim, e creio que
para muita gente também, não retirei apenas um trecho até porque a
crônica inteira faz parte do que eu passei – do que eu estou passando,
ótimo final de semana para todos que visitam aqui,
e compartilham comigo, e me tocam também. Douglas L.
(talvez ela não tivesse suportado a morte abrindo os olhos e lambendo os beiços nas entrelinhas.)

- Lya Luft in O ponto cego

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

deveria ter brigado mais,
respondido às agressões,
sangrado mais,
esperneado e puxado os cabelos.
gritado palavrões e socado o ar.
no acúmulo da poeira,
as gavetas trincaram.

- Fabrício Carpinejar in Cinco Marias

Você vai dizer que não | ler ao som de Seus passos - Skank


de que serve isso tudo aqui? cadê você para me abraçar agora? quando dói assim eu não sei para onde correr. eu sei que tem você, mas eu não sei como chegar até você. eu sei que dá para abraçar, mas eu tenho medo de me quebrar, de me partir no meio. quantas vezes eu fugi com medo de me desmanchar na tua frente. porque afinal tudo o que a gente tem guardado aqui dentro, chega uma hora que acaba. então eu paro e penso como aquilo tudo pode acabar assim, no chão, destruído.
onde foram parar todas aquelas lágrimas? é incrível como o que passou perde a importância tão rapidamente. quando a gente vê. caputz. perdeu a importância. ainda dói porque eu guardo no bolso tudo o que eu não consegui me desfazer. coração partido, é assim que eles chamam. eu chamo de falta de você. engraçado que o que interessa é só o que tem para vir, que o que foi ou deixou de ser, nem interessa mais. porque de tudo que eu ainda guardava, o passado era o que mais me fazia sorrir. esse futuro incerto me causa pânico, dá vontade de voltar para o colo da minha mãe e dizer que eu ainda sinto medo. que eu não quero mais crescer. crescer dói muito.
você vai dizer que não, mas já me fez sorrir muito. e todo mundo diz que vai passar, que o coração se acalma depois de um tempo. mas ninguém tá aqui dentro, ninguém sente o coração pulsar a cem por hora quando você some. ninguém chora toda noite pelo simples fato de sentir falta. tua falta.
não queria que o mundo me visse assim, quebrado em 57 cacos no chão de uma terça-feira de madrugada, tudo dói. desde pensar em encostar na maçaneta da porta, e sair daqui até o fim desse dia quando se deita na cama para tentar sonhar com aquele amor que já foi tudo e mais um pouco.

- Douglas Lenon
05 de outubro de 2010
só estou agarrada em mim, só isso. sempre que tenho medo de cair, me agarro em mim porque círculos nunca caem, só vão e voltam.

- Tati Bernardi

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Dia 14 - Um livro romântico

durante essa minha vida, li poucos livros, românticos então, creio que só um. a história de como eu consegui o livro é bem interessante. estava eu, sem dinheiro algum – o que não é novidade – passando em frente a uma livraria – o que também não é novidade – e avisto um livro: Desculpa se te chamo de amor. o título do livro me chamou demais atenção, fiz das tripas coração para conseguir dinheiro para comprar o livro, passei o mês sem comer, mas li o livro. achei tri romântico e coloco um trecho do livro aqui para vocês. indico. vale muito a pena.

"são duas horas. eu disse em casa que voltaria logo. só espero que não estejam acordados. dessa vez você dormiu, hein? não pode negar, amor..."
"o que você disse?"
"escute, não amole."
Niki começa a recolher as roupas, um pouco embaraçada.
"não, não, espere, espere..." Alessandro senta-se na cama, de pernas cruzadas, cobertas pelos lençóis. "repita a última palavra..."
Niki deixa cair novamente tudo no chão e sobe na cama. põe as mãos na cintura, de pé, pernas abertas, e olha para ele do alto.
"sinto muito. decidi. e você ouviu bem. desculpa, mas vou te chamar amor."
(Desculpa se te chamo de amor - Federico Moccia)
como, não interessa? se sou eu que estou falando só posso falar do jeito que eu falo, e quando eu estou falando o que não interessa tem que interessar, porque só depois de falar o que não interessa é que posso falar o que interessa. assim mesmo, quando me dou conta já estou só no que interessa e que, como eu já disse, às vezes não interessa para mim, mas para os outros sim.

- Caio Fernando Abreu
morre lentamente quem vira escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no supermercado. quem não troca de marca, não arrisca vestir uma cor nova, não dá papo para quem não conhece.
morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite, uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

morre lentamente quem passa os dias queixando da má sorte ou da chuva incessante, desistindo de um projeto antes de iniciá-lo, não perguntando sobre um assunto que desconhece e não respondendo quando lhe indagam o que sabe. morre muita gente lentamente, e esta é a morte mais ingrata e traiçoeira, pois quando ela se aproxima de verdade, aí já estamos muito destreinados para percorrer o pouco tempo restante. que amanhã, portanto, demore muito para ser o nosso dia. já que não podemos evitar um final repentino, que ao menos evitemos a morte em suaves prestações, lembrando sempre que estar vivo exige um esforço bem maior do que simplesmente respirar.

- Martha Medeiros in A morte devagar pertencente a obra "Non-stop"

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Mariana segue olhando para Rigel, a pensar se ela precisa desse olhar para viver. chega á conclusão que não, não precisa. não será através dele que ela se tornará bonita ou inteligente. detém sua observação nas rugas que ele tem ao redor dos olhos, todas tão justificáveis. e repensa: eu preciso dele para ser? ele fecha os olhos, deixando parte do peso de sua cabeça cair sobre as mãos dela.

- Fernanda Young in Aritmética
renda-se como eu me rendi. mergulhe no que você não conhece (como eu mergulhei). não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.

- Clarice Lispector

faltava o quote clássico da diva, haha. beijos.

Deixa estar


não dá para dizer para o choro cessar e a alma ter calma. são coisas que não são se dizem. não dá para dizer para uma mãe que perdeu o filho parar de sofrer. deixa estar. não dá para contar uma piada e mandar os outros pararem de rir. não dá para dizer para um apaixonado que acabou de perder o seu amor que a vida segue em frente.
todos nós temos que ser um pouco psicólogos, ter um censo. tudo passa na hora em que tiver que passar, deixa estar, vai passar. o que não é certo é determinarmos o certo e o errado. quem é você – quem sou eu – para dizer quem vai ganhar e quem vai perder nessa vida? afinal de contas quem somos nós? deixa estar, perguntas são respondidas a todo momento, em todo lugar. ninguém no mundo é dono da verdade, e tão pouco pode julgar o próximo. existem pessoas e pessoas. para ele você pode ser tudo que ele imaginou, você pode ser mulher demais para ele também, ja passou isso pela sua cabeça? ser mulher demais para ele? nunca né? eu sou homem o bastante para muita gente por aí. eu sou muito mais hetero que muitos heteros por aí. não é heterofobia, eu estou falando de direitos iguais. como diz Martha Medeiros: "se eu posso, imagina você."
dentro do meu quarto eu procuro não pensar naquilo que afeta meu dia-a-dia, acredite, eu não consigo. exatamente, eu não consigo. mesmo estando no meio das minhas coisas, fazendo os meus deveres, respeitando as minhas leis. eu penso em você. conclusão disso tudo: não existe paz de amor, porque ele vem, ele atormenta, ele quebra a porta com tudo, ele bate em você, ele olhas nos teus olhos e diz que não adianta fugir, que você querendo ou não ele vai existir. ódio e amor são necessários para uma receita de vida. não existe amor sem ódio, e muito menos ódio sem amor, é o equilíbrio, deixa estar.

- Douglas Lenon
02 de outubro de 2010
mas é aí que me refiro, criatura. não nasci pra ser marido. não tenho vocação pra Teodoro. escritor não é pai, é namorado. e namorado é amante. e amante não resolve goteira, não instala cortina, nunca ouviu falar em buchas. serviço doméstico de amante é bagunçar lençol. homem perfeito não é a mãe. é o pai.

- Gabito Nunes in Homem perfeito é a mãe

terça-feira, 5 de outubro de 2010

cansei de morrer na vida das pessoas, resolvi matar também!

- Tati Bernardi
não adianta correr nem se debater, pois o tempo come as beiradas da gente, corta e recorta e rói, cobre e recobre, e nos encerra em seu oval perfeito – e como os mortos, hibernamos.

- Lya Luft in O ponto cego

segunda-feira, 4 de outubro de 2010


ainda que dentro de mim as águas apodreçam e se encham de lama e ventos ocasionais depositem peixes mortos pelas margens e todos os avisos se façam presentes nas asas das borboletas e nas folhas dos plátanos que devem estar perdendo as folhas lá bem ao sul e ainda que você me sacuda e diga que me ama e que precisa de mim: ainda assim não sentirei o cheiro podre das águas e meus pés não se sujarão na lama e meus olhos não verão as carcaças entreabertas em vermes nas margens ainda assim eu matarei as borboletas e cuspirei nas folhas amareladas dos plátanos e afastarei você com o gesto mais duro que conseguir e direi duramente que seu amor não me toca nem comove e que sua precisão de mim não passa de fome e que você me devoraria como eu devoraria você ah se ousássemos.

- Caio Fernando Abreu
ela não mostrou. ninguém mostraria. por que todo mundo anda de máscara por aí? o que escondem? somos todos iguais. viemos do mesmo lugar, iremos pro mesmo lugar. tirem as máscaras! deixem-nos ver seus rostos! se olhem no espelho!

- Valéria Piassa Polizzi in Depois daquela viagem
acerto o relógio pelo sol.
percorro as dez quadras
de meu mundo.
as ruas são conhecidas
e me atalham.

- Fabrício Carpinejar in Cinco Marias

domingo, 3 de outubro de 2010

Para te esquecer, ou te lembrar


chamo de injustiça você me ligar as 16:15 de um dia turbulento, e pior impossível para mim, e não falar absolutamente nada do outro lado da linha. não esperava absolutamente nenhuma ligação. dia cheio daqueles, e fiquei quieto, na minha. tocou o celular, olhei, chamada tua, e atendi na esperança de melhorar o meu dia, e então tu desligou. fiquei pensando será que você queria só me ouvir, ou sem querer disco meu número. porque da próxima vez tenta dizer algo, logo eu que amo a tua voz.
se você tivesse falado alguma coisa, tivesse dito que as coisas estão fluindo por aí, seria a melhor coisa do universo. ouvir tua voz no final do dia era o que me confortava. porque de todo o conjunto seu, tua voz se supera cada vez mais. Deus foi muito generoso contigo, eu sonho te ouvindo, durmo te ouvindo, escuto conversas gravadas, só pra recordar. lembra quando você cantou Paralamas pra mim, em pleno horário nobre, você chega e canta "eu tô te esperando, vê se não vai demorar". quem afinal está esperando quem? eu tô te esperando se é o que você quer saber.
hoje em dia te encontro em uma foto, em forma de som, ou em puro pensamento. não queria dizer isso, mas, tá FODA sem você aqui. em questão de amor eu já reprovei tantas vezes. você me conhece, sabe quem eu sou, como sou e porque sou. não vou chorar, prometi que não ia chorar, olhos malditos, o coração pode até me ouvir, mas os olhos se recusam a ficar secos. faz ideia do que eu estou falando? que remédio nenhum tem a tua voz. que o teu canto é o mais lindo. escrevo para te esquecer, ou para te lembrar, não sei.

quando tá escuro e ninguém te ouve,
quando chega a noite e você pode chorar.

Os paralamas do sucesso - Lanterna dos afogados ♪

- Douglas Lenon
30 de setembro de 2010
desassossegados do mundo correm atrás da felicidade possível, e uma vez alcançado seu quinhão, não sossegam: saem atrás da felicidade improvável, aquela que se promete constante, aquela que ninguém nunca viu, e por isso sua raridade.

- Martha Medeiros in A raça dos desassossegados pertencente a obra "Non-stop"
e você não sai do meu pensamento. ♪

- Detonautas
O retorno de saturno

sábado, 2 de outubro de 2010

Courtney desistiu de Kurt, Hughes desistiu de Plath, John e Bob desistiram de Marilyn. as pessoas desistem das outras, assim é a vida.

- Fernanda Young in Aritmética

que você acredite que não me deve nada simplesmente porque os amores mais puros não entendem dívida, nem mágoa, nem arrependimento. então, que não se arrependa. da gente. do que fomos. de tudo o que vivemos. que você me guarde na memória, mais do que nas fotos. que termine com a sensação de ter me degustado por completo, mas como quem sai da mesa antes da sobremesa: com a impressão que poderia ter se fartado um pouco mais. e que, até o último dia da sua vida, você espalhe delicadamente a nossa história, para poucos ouvintes, como se ela tivesse sido a mais bela história de amor da sua vida. e que uma parte de você acredite que ela foi, de fato, a mais bela história de amor da sua vida.

- Tati Bernardi

eu sei que você espalha isso por aí. prometo parar de ser romântico. ou não.
mas a verdade é que ainda não quero me prender a nada, a nenhum lugar, a ninguém — a não ser que isso pinte com muita força, o que é impossível de acontecer por carta. além disso, sou terrivelmente instável e entender as minhas reações é coisa que às vezes nem eu mesmo consigo.

- Caio Fernando Abreu
ser fraco me deixa poderoso.

- Lya Luft in O ponto cego

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Ser jovem é para sempre


quem coloca a mão no peito e suspira pensando que está tudo bem? sabe que eu sim. ultimamente a vida roda, e eu acompanho o movimento. eu me julgo como um adolescentizinho, muitas pessoas vão contra essa minha afirmação. mas eu não quero perder esse pedaço de vida que vem pra ser lembrado e não pra deixar passar. eu coloco a mão no peito, olho para o vazio que fica dessa infância que foi passando, e não quero que seja do mesmo jeito com a minha adolescência. quero chegar nos meus vinte e poucos anos batendo no peito e dizendo "isso tudo, que vai ficar na memória, eu não fiz por ninguém não, eu fiz por mim, porque eu mereço".
dane-se tudo, eu estou aqui para abraçar como qualquer um outro. eu estou aqui para nós, como sempre estive. eu estou aqui hoje pra não falar de amor, pra deixar esse espaço para falar de mim. deixa de lado essa mania de pensar que eu sou tão ruim, sou tão triste, sou tão fraco. eu sou tão bom, eu sou o melhor que ninguém vai conseguir alcançar, porque ninguém nesse mundo é eu. eu sou a pessoas mais feliz que esse mundo já viu, e olha que está para nascer o ser que vai me fazer pensar o contrário. eu sou mais forte que muita gente que faz academia por aí, tem gente que malha o corpo e esquece que mente também precisa se exercitar. olha que em questão de mente, eu perco para adolescência que só pensa no mundo fútil das drogas, do sexo pago. e empato com a adolescência que pensa no futuro melhor, na vida para os filhos que vão vir, faço parte dos adolescentes que abraçaram o mundo por uma causa única: não deixar morrer aquilo que é eterno. enquanto existir nós aqui, esse mundo segue, ah se segue.
pra fechar a crônica do dia de hoje, pensa na pessoa que você está sendo pra você mesmo, eu não estou falando só para jovens, estou falando para você, de 23, 27, 35 anos para mais, será que está valendo a pena esquecer o que foi vivido, a adolescência, que meu deus, quem disse que adolescência acaba nos 20 anos, é porque morreu aos 20 anos. ser jovem é para sempre. tem tanta gente que encontra o amor na menopausa, na andropausa. para vir pessoas dizendo que adolescência acaba na segunda década de vida. de uma coisa eu tenho certeza: quando você sorri para si é uma prova de que a tua adolescência existe, e está te implorando para que você aceite-a. de volta.

- Douglas Lenon
29 de setembro de 2010
mas não foi nada disso que aconteceu, muito pelo contrário, eu me senti extremamente sozinha. e sentir-se sozinha quando se está sozinha é ruim. mas sentir-se sozinha quando se está com alguém é infinitamente pior.

- Valéria Piassa Polizzi in Depois daquela viagem
só para dizer: se eu posso, imagine você.

- Martha Medeiros in O cego do Everest pertencente a obra "Non-stop"