sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

quero saber, e depois? passaram-se meses, ele voltou. foi longo. doía. continua doendo. ainda não acabou. passa, passará. às vezes ficávamos deitados na minha cama enquanto eu tentava decifrar o seu destino.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

que seja doce todos os anos pela frente, que seja doce esse 2011.
para todos nós blogueiros, desculpe minha ausência nos comentários
nos blogs de vocês, mas eu desejo tudo de bom, para todos.
que seja eternamente doce, para mim, para nós. beijos Doug.
enquanto eu te fazia à minha imagem, tu me fazias à tua”, pensou então com auxílio da saudade. “dei-te o nome de José para te dar um nome que te servisse ao mesmo tempo de alma. e tu — como saber jamais que nome me deste? quanto me amaste mais do que te amei”, refletiu curioso.
“nós nos compreendíamos demais, tu com o nome humano que te dei, eu com o nome que me deste e que nunca pronunciaste senão com o olhar insistente”, pensou o homem sorrindo com carinho, livre agora de se lembrar à vontade.

- Clarice Lispector in O crime do professor de matemática pertencente a obra “Laços de Família”

Dissertação 70


e quanto ao papai noel, ele é igual o seu amor, existe para quem quer acreditar.

- Douglas Lenon
25 de dezembro de 2010

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

a chama lava
suas costas.
nós ainda precisamos
um do outro.

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas
uma vida interessante é menos burocrática, mas exige muito mais.

- Martha Medeiros in Uma vida Interessante pertencente a obra “Doidas e Santas”
por que uma velha dama não pode morar numa casa grande, a não ser por recomendação médica ou segurança? por que um velho tem de usar sapato cambaio e calça larga? por que não podem procurar e curtir uma nova companhia? solidão não é dever de ninguém, muito menos de um velho.

- Lya Luft in Velhice, por que não? pertencente a obra “Pensar é transgredir”

eu amei esse trecho demais, imaginei como seriam meus avós
tentando de novo sabe, meu eu ia ficar tão orgulhoso por eles,
cara como seria lindo, e nunca é tarde demais. beijos Doug.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010


você varreu da sua vida de mesmices seguras, de calmarias estúpidas, de ideais banais, de autocontroles medrosos, de superficialidades controladas, de felicidades fáceis, de gostos iguais, de angústias disfarçadas, de ego machucado, de baladas tristes, de meninas fúteis, de praias iradas, de solidões acalmadas pelo sono, uma mulher com todos os defeitos e loucuras que só uma grande e verdadeira mulher que ama tem.
hoje eu fecho as portas para o ódio descontrolado de quem passa fome ao lado de grandes mansões, fecho as portas da goela estridente da véia coroca que viu sem enxergar mas acabou me fazendo ver ainda melhor quem eu sou e ter orgulho disso, aproveito para fechar de vez, para você, as portas do meu coração que de tanto pedir esmolas, estava virando bandido.

- Tati Bernardi
foi só um lapso, mas passou. chega de mar, chega de onda. aguardo um dia cinza desses pra falar contigo. enquanto seu sorriso morar na minha carteira, continuo acreditando em você, em nós dois.

- Gabito Nunes in Conexão Arroio do Sal/Londres
de alguma forma, eu queria dizer que tudo aquilo importava pouco. se soubéssemos controlar a nós mesmos, ao nosso terror, e poupar o gasto exagerado de tudo que tínhamos armazenado, nada aconteceria.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Para que você possa entender o que eu também não entendo


esse lance de amor enlouquece muito a gente, eu devo ser louco, lunático, não tem outro nome para isso. se loucura tivesse tradução seria amor, seria amor cara. como o que pode machucar pode ser amor? essa vida, essas palavras, como tudo consegue ser inteiro e mesmo assim não fazer sentido. como você pode não fazer todo sentido e ser tudo aquilo que eu procuro.
te esquecer eu sei que conseguiria, mas não é para isso que eu vivo. quem vive para esquecer não faz ideia do que está perdendo. você tem que lembrar, tem que sentir, tem que sorrir. eu entrei numa dessas ruas da vida que ensinam a gente mas do que a gente pensa em aprender sabe? eu quero insistir nesse erro – ou nesse acerto – que foi gostar de ti. eu decidi hoje que a minha vida segue sim, com ou sem você, mas que o mundo tem outra cor, tem mais vida contigo do meu lado.
vem para mim. não, não vem para mim. pensa primeiro, não gosto de atos sem pensar, resultam em perda cedo ou tarde. eu queria escrever uma carta para ti, porém não, eu conheço você, quando se perder de mim, vai acabar dando um fim nela. tem coisa mais linda que conhecer o outro, e deduzir detalhadamente o que ele vai fazer? tem? porque eu não sei.
eu confio no meu taco, sempre confiei, posso te fazer feliz, te fazer sorrir, te fazer melhor, eu sei que sou demais para você, nem eu consigo lidar com toda essa intensidade dentro de mim, quero te deixar livre porém para poder voar de volta para mim.

- Douglas Lenon
28 de dezembro de 2010
então o homem se levantou, sacudiu a terra das mãos, e não olhou nenhuma vez mais a cova. pensou com certo gosto: acho que fiz tudo.

- Clarice Lispector in O crime do professor de matemática pertencente a obra “Laços de Família”
não diferencio os cogumelos
venenosos dos sadios,
os inços das ervas curativas.
como descobrir
o que mata
sem morrer um pouco por vez?

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

melhor do que se preocupar com um happy end ou com um unhappy end é desejar que tudo tenha continuidade, estejamos sós ou acompanhados.

- Martha Medeiros in Ainda sobre Separação pertencente a obra “Doidas e Santas”

domingo, 26 de dezembro de 2010


pode parecer tolo, mas eu acredito que, nos momentos de sombra, mais do que argumentar e gritar ou deprimir-se, a gente devia acender a pequena chama de algo positivo. se cada um cultivar afeto, beleza e lealdade em seu ambiente, por pequeno que seja, isso há de espalhar claridade no mundo. e não haverá apenas sombra e horror.
porque se a gente não acreditar nisso, melhor será correr para o campo de batalha (ou para uma de nossas ruas mesmo) e abrir o peito à primeira bala de quem quer que seja.
bala perdida serve - e não é coisa assim tão rara.

- Lya Luft in Tambores de guerra pertencente a obra “Pensar é transgredir”
e para aqueles que dizem que são muito jovens, me deixe dizer uma coisa: você pode dirigir aos 16 anos, ir para guerra aos 18 anos, você pode beber aos 21 anos e se aposentar aos 65 anos. então qual idade você tem que ter antes que seu amor seja verdadeiro?

- One tree hill
2ª temporada, episódio 2
quem falando, você gosta daquele desalmado por quê? porque ele não tem residência fixa, só anda sem camisa e fala "nimin" que não é! criatura, seu sonho é apresentar à sua mãe um cara que diz "gata, confie nimim". nimin! pô!

- Gabito Nunes in É o jeito!

sábado, 25 de dezembro de 2010

Hey, Papai Noel


tinha que escrever minha cartinha para o Papai Noel também. sabe o que eu queria pedir? eu quero meus 8, 9 anos de volta, eu quero muito. eu não quero presente não Papai Noel, eu quero o sítio do meu vô cheio, e meus primos abrindo os presentes junto comigo, eu quero isso de novo. Papai Noel, eu queria que você visse como era lindo meu natal com eles, e como era legal brincar com todos aqueles presentes, brincar até cançar, e dormir.
Papai Noel não sei se você tem muitos pedidos, se as pessoas te mandam muitas cartas, eu não quero que você leia, eu quero que você me entenda. eu senti minha mãe triste nesse tal e doeu tanto. ela queria ter passado o natal com o meu vô, e não deu certo por causa de um acidente que aconteceu conosco, mas que estamos bem, Papai Noel eu não sei se eu fui um bom menino, não faço ideia do meu comportamento, mas por favor faz minha mãe parar de chorar, meu pai acha que o acidente foi culpa dele, mas não foi. Papai Noel cuida dos dois e da minha irmã por favor, eu não quero nada para mim, nada, eu quero paz para eles, muita paz. do que me adianta toda paz do mundo se minha família não está feliz? espero que ano que vem seja melhor, muito melhor.
queria terminar dizendo que a magia deve ter acabado para mim, mas que meus verão o quanto o natal é mágico e como é bom estar aqui, e tudo volta, é um ciclo, que esse natal venha com mais carinho, e que você Papai Noel contrate Titios Noel, Avôs, porque é muito para você. Feliz Natal para todos.

- Douglas Lenon
25 de dezembro de 2010
sonhar que quando adulta eu seria segura de mim, nunca mais carente, dona do meu nariz, linda, rica e poderosa. deitada num sofá, comendo chocolates (e sendo magra), com dúzias de servas pra me atender.
nunca imaginei que haveria (além das tantas coisas boas) essa história de trabalho, horários, compromissos, conta de banco, doença, fracassos, frustrações, o escambau.

- Lya Luft in Aquelas ilusões pertencente a obra “Pensar é transgredir”

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

eu ando muito infeliz, Dudu, este é um segredo que conto só para você: eu tenho achado, devagarinho, cá dentro de mim, em silêncio, escondido, que nem gosto mais muito de viver, sabia?

- Caio Fernando Abreu
tá, mas no especial do Roberto Carlos não vai dar pra ser megera. o filho da mãe sempre me faz chorar. é impressionante como a gente se sente sozinha na porra do especial do Roberto Carlos.

- Tati Bernardi

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010


talvez eu tenha que chamar de "mundo" esse meu modo de ser um pouco de tudo. como posso amar a grandeza do mundo se não posso amar o tamanho de minha natureza? enquanto eu imaginar que "Deus" é bom só porque eu sou ruim, não estarei amando a nada: será apenas o meu modo de me acusar. eu, que sem nem ao menos ter me percorrido toda, já escolhi amar o meu contrário, e ao meu contrário quero chamar de Deus.

- Clarice Lispector in Perdoando Deus pertencente a obra “Felicidade Clandestina”

Dia 20 - Um hobby seu

para começar tenho uma visão diferente de hobby, não acho que seja apenas aquilo que gostamos de fazer, acho que hobby é um pouco do que gostamos de ser também. eu gosto de estar aqui, eu amo ser feliz – quem não gosta? –, gosto demais de sair com meus amigos, dar risada, ler, ouvir música boa, meu blog, meu cantinho, meu quarto, meus livros, minhas roupas, minha séries. é muita coisa, é muito hobby junto. mas se fosse para definir um único hobby acho que é postar no blog, eu amo postar aqui, ver que as pessoas gostam se identificam, creio que hobby é meio que viver, vida é um hobby, e quem não gosta?
eu diria que tudo é real, transitório e reversível. assim como um casamento pode não dar certo, uma separação também pode não dar certo. não é uma ideia alentadora? gente, nossa separação não deu certo! volta tudo como era antes.

- Martha Medeiros in Ainda sobre Separação pertencente a obra “Doidas e Santas”

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

É a escolha entre seguir com o bem, sem saber direito o que é o mal

(ler ao som de O bem e o mal - Detonautas)

para falar bem a verdade eu nem sei porque comecei a escrever agora. fiquei pensando em como as pessoas optam pelo fácil. ninguém está disposto a ver o outro lado da moeda, preguiça mata? mata, por dentro. tenho pensado em me tornar um ser fechado. sem expor muito o que tenho a oferecer. esse texto tem a missão de me pôr no eixo. se é que eu consigo. se é que um dia vou conseguir.
parecia que o grande lance era estar o tempo todo com você. sempre parece isso, que não tem saída, a gente só abre os olhos para uma pessoa, é incrivél como nos perdemos e nos afundamos. mas às vezes eu sentia uma falta imensa de outro alguém. já diria Clarice "saudade, eu tenho sempre." eu não sou homem de um ser humano só, goste ou não goste. eu tenho pessoas, tenho amigos, não abro mão, são meus, são para mim. e a liberdade de escolha pode interferir na liberdade de escolher. nunca entendi muito bem o que essa frase quer dizer, mas faz todo sentido. eu escolho a paz, mas e agora, como que a gente sabe que tem isso? chega por sedex? chega de avião? será que demora? eu não tava realmente me sentindo muito bem. eu não me sinto nem um pouco. nem bem, nem mal. confesso que tô com ciumes, que estou triste, que estou ocupando minha cabeça com o prazer para vê se esqueço o amor. eu não tenho mais idade para – tentar – descobrir o que você quer da vida. deixa que eu sumo, mas não sente minha falta não, só peço isso. não, não, tô esquecendo, eu peço só mais uma coisa: paz.
é a dúvida entre o que é realmente, e o que é realmente ruim. lembra da moeda que eu falei, do que te vale ser do bem, se você não sabe do que o mal é capaz? e vice-versa. porque o certo para você, pode não fazer o mesmo efeito em mim. o que você acha que é certo, eu posso achar totalmente o contrário, mas a gente se encontra ainda meu caro, não precisa ser agora, ainda tem muito pela frente, outras noites, outros bares, outras vidas.

- Douglas Lenon
14 de dezembro de 2010
dizias ande, ardia.
dizias arde, andava.
andei por arder,
ardi por andar.

a memória é útil
quando não dependemos dela.

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas
depois do pior, só é possível melhorar.

- Caio Fernando Abreu

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

escrevendo descobri que a gente teve várias infâncias: a que os outros viam; a que eles imaginavam que a gente estava vivendo; a que a gente mesma pensava ter; e a real, que é sempre o mais indefinido. de longe, depois de tantos anos, observei a criança que fui, a que os outros viam e pensavam conhecer, e as tantas que se desdobravam dentro de mim além de algumas que ainda não decifrei.

- Lya Luft in Infância pertencente a obra “Pensar é transgredir”

é uma saudade pós-saudade. uma saudade sem o peso de uma saudade. uma saudade sem a tortura de uma obsessão. uma saudade de detalhes que só vem em sonhos que não me acordam antes das cinco. uma saudade que não podia sentir quando estava cheio de saudade. uma saudade que remete ao último gole do meu bourbon em copo de extrato de tomate. uma saudade de quem aprendeu a conviver com o pôr do sol.

- Gabito Nunes in Saco cheio de saudade
que mulher não seria digna de uma camisa de força ao ver que o homem que ela ama é o maior de todos os homens por dentro, mas insiste em ser um idiota, cercado de coisas, palavras, músicas, lugares e pessoas idiotas, por fora?

- Tati Bernardi

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

só porque contive os meus crimes, eu me acho de amor inocente.

- Clarice Lispector in Perdoando Deus pertencente a obra “Felicidade Clandestina”

Não aparenta, mas sou um cara frouxo também


eu não sabia que não ia suportar tanto o amor que alguém poderia ter por mim, pensei que quando alguém me amasse eu ia ser a pessoa mais feliz, mas não, doeu, doeu porque eu não consigo dar amor quando ganho em excesso. venho aqui hoje falar para vocês sobre um breve romance, o qual durou três semanas. e foi tudo que eu um dia eu cheguei a sonhar. terminei tudo dizendo mais ou menos assim:
"às vezes eu acho que não sou o suficiente para você, cara eu não sei qual é o sentido ou significado de namoro mais, e eu não me entendo sempre, eu sou a pessoa que surta, que foge, que volta, que quer, eu sou vários dentro de um só, e eu não quero que você se prenda a mim, eu gosto muito de você, muito mesmo, tenho um carinho enorme por ti, mas eu também queria que você voasse entende? conhecesse outras pessoas, eu sou o tipo errado de um cara certo, meu amor. para eu falar 'eu te amo', cara do céu, eu preciso estar sem chão, de tanto pensar. eu te quero bem, demais. não sei se vou continuar mais te vendo, sabe as coisas não estão dando muito certo, e eu fico pensando se for pra gente se encontrar de novo, quem sabe uma praça, em um bosque, a gente vai se encontrar."
lembro que na hora deixei um bilhete, depois de tudo que eu falei, ainda sobrou palavras, ainda tinha muito para falar, deixei uma carta – bilhete não, foi carta – para que ele lesse depois, e que não quisesse me matar, mas que teria o direito de me odiar. termino por aqui deixando a carta que escrevi para ele, e peço perdão a Deus por tudo que eu venho sendo.

Fulano de tal,
quando eu falo tudo assim, tudo junto, é porque eu estou chorando e querendo te passar através de todas essas palavras tudo o que eu não consegui falar, dói ter que dizer, porque de tudo que já me aconteceu aqui nesse mundo, você foi a melhor coisa, você não me fez sofrer, Deus como eu quero que você saiba que nunca, em nenhum momento me fez sofrer, você foi o amor mais lindo e puro que eu já tive em toda minha vida. e meu amor como as pessoas a sua volta tem sorte de te conhecer, você é tudo, tudo. e eu só tenho o que sobrou de mim de tudo que já me aconteceu.
Com amor para o meu eterno amor.

- Douglas Lenon
20 de dezembro de 2010

domingo, 19 de dezembro de 2010

resta o consolo de saber que o preconceito também é uma – quase sempre incurável – doença da alma.

- Lya Luft in Nós, os diferentes pertencente a obra “Pensar é transgredir”
o nomezinho disso: vida. é sempre uma incógnita, portanto não vale a pena tentar fugir das decepções ou dos êxtases, eles nos assaltarão onde estivermos. se você for uma garota boba como eu fui, acorde. ninguém é muita areia pra ninguém. pessoas aparentemente especiais se apaixonam por outras aparentemente banais e isso não é um trote, não é uma pegadinha, não é nada além do que é: um inesperado presente da vida, que todos nós merecemos.

- Martha Medeiros in O Cartão pertencente a obra “Doidas e Santas”

sábado, 18 de dezembro de 2010

se você deixasse tudo de lado, por cinco minutos, e escutasse tudo que meus olhos têm a te dizer, eu diria tudo em silêncio, sem precisar falar. porque eu sei que todo vestígio de emoção e alegria pura que tenho por estar aqui estão sendo guardadas pra produzir algum choro denso e delicado, um choro pra dar um pouco de importância a todas essas milhas que a gente acumulou e me fizeram viajar pra tão longe daqui. é tudo que eu queria te dizer. eu não quero mais. será que você pode ao menos tentar seguir sem mim?

- Gabito Nunes in Tudo que eu queria te dizer
não está chovendo
para abaixar a cabeça.
cogitei desistir de mim,
mas não de ti.
fingia morrer
como quem dorme mais cedo
e acorda quando a casa dorme. (…)

um dia antes de morrer,
uma hora antes de morrer,
alguns minutos antes de morrer,
e ainda não será tarde.
e sobrevivo contra mim,
depois de mim,
antes de mim,
em mim.

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas
Angela: — quero um conselho.
Bones: — como? em um assunto pessoal?
Angela: — sim.
Bones: — conselho meu?
Angela: — sim.
Bones: — mas romance é algo meio... é como eu lhe pedir conselho sobre a sistemática filogenética.
Angela: — sistemática filogenética. não faço a menor ideia do que é isso.
Bones: — exatamente.

- Bones
2ª temporada, episódio 7

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

a verdade é que eu ainda acredito em reencarnação. e eu te olhei tantas vezes implorando. não morre, por favor. seja ele, seja o homem que perde um segundo de ar quando me vê. mas você nunca mais me olhou quase chorando, você nunca mais se emocionou, nem a mim. você nunca mais pegou na minha mão e me fez sentir segura. nunca mais falou a coisa mais errada do mundo e fez o mundo valer a pena.

- Tati Bernardi

20 minutos


em 20 minutos você é só meu. e eu sou a pessoa mais feliz do mundo. eu sou para casar meu amor. eu tenho disponibilidade sempre que possível. eu amo fazer massagem, e eu te quero. precisa de mais alguma coisa? nesses 20 minutos acontece tanta coisa, pessoas morrem, aviões decolam, pessoas compram casas, vidas mudam, pessoas somem, e nesses 20 minutos você é meu, só meu. vai chegar um dia que isso vai acabar e eu só queria aproveitar o agora.
não sou uma pessoa de relacionamentos, acho isso bem relativo. eu trairia na certa, como você também trairia. e eu acho que esse lance de relacionamento aberto não vai, desanda rápido. se fossemos feitos um para o outro não teria graça estar aqui agora escrevendo para você. você é tudo que um dia eu quis ter, mas quis ter por 20 minutos, ou quem sabe durante uma noite se der sorte.
se um dia você me perder, ou eu te perder, ou a gente se perder por aí, pense em mim por 20 minutos, coloque a mão no coração, sorria, olha para o céu, e pensa em nós, pensa em como eram lindos aqueles 20 minutos, os quais falávamos de música, de vida, de sexo, de noites. eu sou seu durante 20 minutos nem um pouco mais, nem um pouco a menos. mas caso um dia quiser fazer um segundo tempo de mais 20 minutos sabe onde me encontrar, tenho disponibilidade nos acréscimos também.

- Douglas Lenon
17 de dezembro de 2010
— todo homem leva o universo em si. todo homem é Deus. mas há um caminho para chegar até esse domínio total do próprio corpo e da própria mente.

- Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

então não podia eu me entregar desprevenida ao amor? de que estava Deus querendo me lembrar? não sou pessoa que precise ser lembrada de que dentro de tudo há o sangue. não só não esqueço o sangue de dentro como eu o admiro e o quero, sou demais o sangue para esquecer o sangue, e para mim a palavra espiritual não tem sentido, e nem a palavra terrena tem sentido. não era preciso ter jogado na minha cara tão nua um rato. não naquele instante.

- Clarice Lispector in Perdoando Deus pertencente a obra “Felicidade Clandestina”
não importam os significados: qualquer interpretação será insuficiente. como na vida, vale o desafio: que no breve espaço do nosso tempo a gente consiga quebrar as algemas do preconceito, recusar as indevidas cobranças, entender que a culpa é o selo da morte. e abrir-se para a vida: que nem sempre é mesquinha; e que nem sempre nos trai.

- Lya Luft in Ponto-e-vírgula pertencente a obra “Pensar é transgredir”

Diferença de Necessidades


“procedíamos de galáxias diferentes, como dois cometas que se cruzam efemeramente no espaço. ele vinha da infância e nunca tivera uma parceira estável, queria me viver até me esgotar, queria que montássemos juntos uma casa, que sonhássemos um futuro, que nos enchêssemos de compromissos de eternidade até as orelhas. eu, provinha da fatigante travessia da idade madura, sabia que a eternidade sempre se acaba, e tanto mais cedo quanto mais eterna. e assim fui avarenta, me neguei a ele, afastei-o de mim. quanto mais ele me exigia, mais me sentia asfixiada; e, quanto mais me regateava, mais ansiosamente ele queria me segurar. dito isso, se ele se retirava, eu avançava, e então o perseguia e o exigia: porque o amor é um jogo perverso de vasos comunicantes.”
gastei bom pedaço da coluna transcrevendo esse parágrafo do excelente livro “a filha do canibal”, da espanhola Rosa Montero, pois eu não saberia descrever melhor a razão de tantos desencontros amorosos. o relato refere-se a um homem e uma mulher com alguma diferença de idade – ela é a mais velha, lógico, como tem se tornado comum hoje em dia. muitas pessoas duvidam que uma relação assim possa dar certo. claro que pode. tudo pode dar certo e tudo pode dar errado, e a idade nada tem a ver com isso, é apenas um detalhe na certidão de nascimento. o que transforma nossa vida amorosa num melodrama é a diferença de necessidades. aí não há casal que encontre seu ponto de apoio, seu eixo e seu futuro.
um quer compromisso sério: para o outro, amar já é sério o suficiente. um quer filhos, o outro nem em sonhos. um quer uma casinha no meio do mato, o outro é curioso, precisa de informação, cinema, teatro, gente. um valoriza a transa antes de tudo, o outro acha que conversar é importante também. ao menos, os dois gostam de dançar.
um quer se sentir o centro do universo, o outro quer incluí-lo no seu amplo universo. um quer fugir da solidão, o outro aceita a solidão. um não quer falar de suas dores, o outro pergunta demais. um briga por amor, o outro silencia por amor. os dois se amam, isso não se discute.
um não precisa conhecer o mundo, o outro traz o mundo em si. um é romântico para disfarçar a brutalidade, o outro é doce para despistar a secura. um quer muito de tudo, o outro se contenta com o mínimo essencial. nenhum dos dois liga pra dinheiro, mas o dinheiro quase sempre está no bolso de quem viveu mais. um fica inseguro, o outro diz que nada disso importa, mas claro que importa.
um quer que lhe deem atenção 24 horas, o outro precisa que o esqueçam por uns instantes. um quer aproveitar cada réstia de sol, o outro gostaria de dormir um pouco mais. um gostaria de saber o que não sabe, o outro queria desaprender metade do que a vida lhe ensinou. um precisa berrar, o outro chora.
um quer ir embora e, ao mesmo tempo, não. o outro quer liberdade, mas a dois.
então um se vai e deita em todas as camas, sofrendo. e o outro mergulha sozinho na dor, sobrevivendo.
diferença de idade não existe. a necessidade secreta de cada um é que destrói ilusões e constrói o que está por vir.

- Martha Medeiros in Doidas e Santas

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

talvez essa seja a maior besteira que já tenha dito, mas garanto a você, existem pares de muito mais infelizes do que eu, todos assim como você, brincando de casinha, caçando paixão, simulando alegrias. já tracei meu caminho faz tempo: mais vale fracassar vivendo as coisas do meu jeito do que vencer anulado, desfigurado, morto. não entendo - ou não quero - esse seu medo de amar e ser feliz. é como atravessar o rio remando, num barco a motor.

- Gabito Nunes in Doce entrega
o mundo real vai sempre estar lá fora, e não tem volta.

- One tree hill
1ª temporada, episódio 20

Vai deixar saudade


eu queria dividir com vocês um fato que me ocorreu no comecinho dessa semana, e que eu queria tanto que vocês vissem como as vidas são parecidas.
tem um tempo e uma paixão, um amor lindo e puro que eu tinha acabou. Deus como aquilo foi o fim do mundo para mim e como eu quis ir embora de tudo. não que não dê para viver mais, porque claro que dá, mas eu queria esvaziar minha cabeça e seguir. coisa que não deu para fazer, geralmente falta do que fazer me fazia pensar você. tem dois meses que isso tudo acabou de vez para mim, e é a coisa mais triste do mundo. cara, eu tinha tudo para ser feliz, e ele jogou fora.
eu não tenho mais certeza do que é o amor, não sei se ele existe ou um dia irá vir a existir. eu devia ter uma opinião errada sobre o que era o amor, sobre o que era o meu amor. porque se estar apaixonado faz chorar do jeito que eu chorei, eu não quero mais me apaixonar de novo.
sabe o mundo parava quando ele falava, e tudo parava, e ele sorria, e conseguia parar mais ainda o mundo. eu tinha um amor tão grande, e ele foi matando isso aos poucos dentro de mim. meu vocês tinham que ver como o mundo era um lugar mais lindo com ele do meu lado, e como isso tudo acabou sem querer. não pense que te quero mal, eu te quero muito bem, mas agora não tem volta. de tanto você falar que não era cara suficiente para mim, eu acabei acreditando em você.

- Douglas Lenon
15 de dezembro de 2010

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

eu não precisava de um pai, eu não precisava de cuidados 24 horas por dia, eu não precisava de alguém para me salvar, eu não colocava nele toda a minha felicidade, eu não queria mandar nele, eu não queria que ele deixasse de ver a Lua ou curtir o Sol, eu só queria que ele tivesse me amado metade do que ele disse que amava. ou metade do que eu amava.

- Tati Bernardi

o nosso amor, amor claro de objeto. ♪

- Skank
Fotos na estante
foi então que a Srª Jorge B. Xavier bruscamente dobrou-se sobre a pia como se fosse vomitar as vísceras e interrompeu sua vida com uma mudez estraçalhante: tem! que! haver! uma! porta! de saííííííída!

- Clarice Lispector in A Procura de uma dignidade pertencente a obra “Laços de Família”

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010


é esse tipo de criador que você quer ser? então entregue-se e pague o preço do pato. que, frequentemente, é muito caro. ou você quer fazer uma coisa bem-feitinha pra ser lançada com salgadinhos e uísque suspeito numa tarde amena na Cultura, com todo mundo conhecido fazendo a maior festa? eu acho que não. eu conheci/conheço muita gente assim. e não dou um tostão por eles todos. a você eu amo. raramente me engano.

- Caio Fernando Abreu
como os símbolos desse quadro, temos nossos lados negativos que nos prendem no medo e na acomodação, mas também desejamos a claridade e o crescimento pessoal. somos as escolhas que fazemos e as que omitimos, a audácia que tivemos e os fantasmas aos quais sacrificamos a possível alegria e até pessoas a quem amamos; a vida que abraçamos e a que desperdiçamos. em suma, fazemos a escritura da nossa complicada história.

- Lya Luft in Ponto-e-vírgula pertencente a obra “Pensar é transgredir”
harmonia é mais penosa do que o equilíbrio.
não posso ver pesado demais,
nem muito leve,
senão o vento não carrega.

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas

domingo, 12 de dezembro de 2010

Dissertação 69


existem pessoas e pessoas. existe gente que gosta de trabalhar, existe gente que gosta de estudar, por que não iria existir pessoas que não se importam?

- Douglas Lenon
12 de dezembro de 2010

Dia 19 - Um talento seu

acredito que um dos meus maiores talentos é dar apoio. independente das decisões que meus amigos tomam sempre apoio. creio que quando damos suporte para as pessoas elas se sentem mais auto-confiantes. creio que meus conselhos valem a pena, dizem que por aí que tenho sexto sentido. cada um segue o caminho que acha certo seguir, às vezes quando falta opção para eles, acabam fazendo a coisa errada. é para isso que nós amigos estamos por aí espalhados pelo mundo, para ajudar-nos uns aos outros a encontrar nosso caminho. eu sou muito ciumento com todos meus amigos próximos, e todos eles sabem disso. sempre tento ajudar da melhor maneira possível, creio que ninguém nessa vida é totalmente certo, e ninguém também é totalmente errado. mas precisamos de suporte, não é fácil fazer escolhas sozinho.
fica claro o que todos deveríamos aceitar: nosso controle é parcial. há quem diga até que não temos controle de nada. não existe satisfação garantida e tampouco frustração garantida, estamos sempre na mira do imprevisível. treinamos, jogamos bem, jogamos mal, escolhemos bons parceiros, torcemos para que não chova, seguimos as regras, às vezes não, brilhamos, decepcionamos, mas será sempre da sorte o ponto final.

- Martha Medeiros in Para que lado cai a bolinha pertencente a obra “Doidas e Santas”
ela precisa de você. precisa que você siga passando todos os outros pra trás.

- Gabito Nunes in Perca horas, não amor

sábado, 11 de dezembro de 2010


vou para o banheiro e choro, que novidade? mas dessa vez porque me olho no espelho, e isso também me lembra você. eu era sua, a sua menina, a sua criança, a sua mulher, a sua escritora predileta, a sua parceira de dar risada de programas estúpidos que passam de madrugada na TV, a sua namorada sensível que tinha medo de vomitar e de amar demais, assim como você. a sua melhor amiga pra sentar num banco de praça e falar mal de todo mundo, pra perder um trem na Itália e ainda por cima sentar num chiclete fresco ou pra cuidar do nosso porquinho de pelúcia. eu era a mulher que encaixava a cabeça nas suas costas e sabia que tinha nascido a partir de você, eu era a mulher que esperava sofridamente você voltar mas nunca deixou de te amar mesmo quando você ia.
todo mundo me fala que eu preciso ser minha, inclusive pra ser sua, mas eu não deixo de olhar para o espelho e ver uma metade de gente, uma metade de sonho, de alegria e de futuro. que se foda a autoajuda, que se fodam os livros com homens carecas, que se foda o terceiro olho e que se foda a psicologia: eu sou mesmo metade sem você e que se foda!

- Tati Bernardi
quando eu escrevo eu consigo ordenar tudo aquilo que eu penso. agora, quando eu falo ou quando eu sou, simplesmente, não consigo ordenar nada. eu sou da maneira mais caótica possível.

- Caio Fernando Abreu
há trinta anos não chorava, mas agora estava tão cansada. se é que aquilo era choro. não era. era alguma coisa. finalmente, assoou o nariz. então pensou o seguinte: que ela forçaria o “destino” e teria um destino maior. com força de vontade se consegue tudo, pensou sem a menor convicção. e isso de estar presa a um destino ocorrera-lhe porque já começara sem querer a pensar em “aquilo”.

- Clarice Lispector in A Procura de uma dignidade pertencente a obra “Laços de Família”

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Procura-se


não precisa saber falar línguas, nem ter experiência no ramo também. procuro alguém que saiba estar perto e estar longe também, que saiba cuidar, mas que não cuide demais. procuro alguém que saiba cozinhar porque eu detesto cozinhar, não tenho muita paciência. procuro alguém que saiba embaçar o vidro e escrever meu nome com um coração do lado. procuro alguém que tenha carinho para oferecer, e que tenha sede de outro corpo.
não procuro nada específico, tenho preferência como todo mundo, mas nada específico. seja loiro, moreno, ruivo, alto, baixo. mas que seja. que tenha certeza. procuro a segunda pessoa do singular para se juntar e se transformar na primeira pessoa do plural. procuro alguém que saiba dormir de conchinha no frio, que sinta falta e que seja sincero. não procuro a pessoa perfeita, nem a pessoa certa, procuro alguém que tenha pressa em completar o quebra-cabeça, que seja a última peça.
não coloco esse anúncio porque me chamariam de louco. resumindo tudo, eu procuro alguém que tenha amor para oferecer, que me queira, mas que pise na bola às vezes, porque monotonia é entediante, procuro um pouco do que não encontrei nas outras pessoas que passaram por aqui. procuro alguém que pense em mim, que diga que lembrou de mim ouvindo uma música e que sorriu. procuro alguém que esteja a procura de outro alguém. sabe porquê diabos eu ainda procuro? porque dizem por aí que quem procura acha, e eu vou tentando.

- Douglas Lenon
10 de dezembro de 2010
nossas viagens giravam
em torno do que esquecemos de pôr na mala.
com o casamento, deixamos algo para trás.
temos uma vida inteira a definir
quem de nós ficou em casa.

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas
porque o amor, do jeito que pode ser, é o caminho da liberdade e da grandeza – é a nossa única possibilidade de salvação.

- Lya Luft in Um tema tão delicado pertencente a obra “Pensar é transgredir”

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

uma sociedade plural é muito melhor do que uma sociedade em que todos pensam igual. sem divergências, nada evolui ― nem o pensamento, nem o país.

- Martha Medeiros in Os bastidores da Crônica pertencente a obra “Doidas e Santas”

ainda que digam que é melhor acabar o que nem teve a chance do começo, que não ia dar certo, que o erro deste inconsequente é imperdoável, algo aqui se recusa a entender e aceitar tudo isso; me pede todos os dias antes de dormir ou acordar, e deitar naquela cama praiana, ou na rede, que eu nade contra a corrente, que eu seja novamente inesperada e, apareça.

- Camila Paier
ao chegar mais ou menos pelas dez e meia da noite, quando terminam as luzes do prédio, quando paira a brisa outonal, quando já compensei todas as merdas do mundo fazendo tudo ou qualquer coisa por você, é a hora que a gente se basta, se encontra sem saber que braço é de quem, pra finalizar o dia com algum aconchego, algum prazer.

- Gabito Nunes in Cuidar de você
a gente, quando tenta analisar qualquer problema, sempre vai se aprofundando, aprofundando, até que chega nesse fundo que é amor sempre.

- Caio Fernando Abreu

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Apenas ser simples

(ler ao som de Just be simple – Song Ohia)

tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.
Antoine de Saint-Exupèry

foi a primeira vez em três meses que quis nunca ter te conhecido. você não faz ideia com quem está se metendo meu caro. eu tenho experiência nesse ramo do limbo. eu sei que esse texto não vai te atingir, até porque nada te atinge, é inacreditável, o quão forte você é. sabe eu, eu não sinto nada têm algumas horas. não sentir nada é o pior "sentimento" que se pode ter em relação a algo, ou alguém.
tu é um cara legal. tu é inteligente. tu é culto, guri! mas tu não sabe usar isso para teu próprio benefício, e isso te torna burro. te torna incapaz, petulante. eu não quero me orgulhar de ti. não é para isso que eu estou aqui. eu quero te fazer enxergar que assim você nunca vai conseguir amar alguém. você pensa que todos precisam de uma chance, e que você dá as chances. tu te enganas tão fácil. dê uma chance para si e veja o que consegue fazer com isso.
quando eu deixei de gostar de ti? desde quanto tu começou a se vangloriar da tua autoconfiança, que – todo mundo sabe que – na verdade é insegurança. busque encontrar tudo que eu não podia te oferecer. busque alguém com mais paciência, porque já me esgotou a que eu tinha. eu nunca desejo o mau no final de todos meus textos, acho que isso volta para gente. tenho pensado em fugir todos os dias desde que chegou setembro, em como esse mundo nos prega peças. tudo que me desejas te desejo em dobro. cuida desse eu dentro de ti guri! se apaixone por você. porque ser convencido é fácil demais, difícil é se amar.

- Douglas Lenon
07 de dezembro de 2010
das pessoas que só usam uma marca de lápis e dizem de cor o que está escrito na sola dos sapatos. você pode perguntar-lhe sem receio qual o horário dos trens, o jornal de maior circulação e mesmo em que região do globo os macacos se reproduzem com maior rapidez.

- Clarice Lispector in A Fuga pertencente a obra “A Bela e a Fera”

amanhã, 33 anos sem a diva. ah como tu devia ser maravilhosa.
o desejo me acompanhou até em casa. muito, muito mais forte que minha nobreza em ter dito não.
tive medo de ser só desejo, porque para mim sempre foi mais. prefiro ser perseguida pelo meu desejo, que não tem dia para acabar, do que ser abandonada mais uma vez pelo seu, que dura no máximo três horas.

- Tati Bernardi

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

desmoraliza-me enquanto corpo,
incitando a hostilidade entre os livros que amei.
diverso da fama, não multipliquei a liberdade.
frequentei os mesmo lugares, não me excedi.
fui mais boato do que notícia.

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas

História dos sentimentos


a base desta historinha, que adaptei, me mandou Martha Herzberg, terapeuta fantástica e amada amiga. segundo ela, o autor é anônimo, mas desconfio que foi dela essa deliciosa ideia.
os sentimentos humanos certo dia se reuniram para brincar. depois que o TÉDIO bocejou três vezes porque a INDECISÃO não chegava a conclusão nenhuma e a DESCONFIANÇA estava tomando conta, a LOUCURA propôs que brincassem de esconde-esconde. a CURIOSIDADE quis saber todos os detalhes do jogo, e a INTRIGA começou a cochichar com os outros que certamente alguém ali iria trapacear.
o ENTUSIASMO saltou de contentamento e convenceu a DÚVIDA e a APATIA, ainda sentadas num canto, a entrarem no jogo. a VERDADE achou que isso de esconder não estava com nada, a ARROGÂNCIA fez cara de desdém pois a ideia não tinha sido dela, e o MEDO preferiu não se arriscar: “ah, gente, vamos deixar tudo como esta”, e como sempre perdeu a oportunidade de ser feliz.
a primeira a se esconder foi a PREGUIÇA, deixando-se cair no chão atrás de uma pedra, ali mesmo a onde estava. o OTIMISMO escondeu-se no arco-íris, e a INVEJA se ocultou junto com a HIPOCRISIA, que sorrindo fingidamente, atrás de uma árvore estava odiando tudo aquilo.
a GENEROSIDADE quase não conseguia se esconder porque era grande e ainda queria abrigar meio mundo, a CULPA ficou paralisada pois já estava mais do que escondida em si mesma, a SENSUALIDADE se estendeu ao sol num lugar bonito e secreto para saborear o que a vida lhe oferecia, porque não era nem boba nem fingida; o EGOÍSMO achou um lugar perfeito onde não cabia ninguém mais.
a MENTIRA disse para a INOCÊNCIA que ia se esconder no fundo do oceano, onde a inocente acabou afogada, a PAIXÃO meteu-se na cratera de um vulcão ativo, e o ESQUECIMENTO já nem sabia o que estavam fazendo ali.
depois de contar até 99 a LOUCURA começou a procurar. achou um, achou outro, mas ao remexer num arbusto espesso ouviu um gemido: era o AMOR, com os olhos furados pelos espinhos.
a LOUCURA o tomou pelo braço e seguiu com ele, espalhando beleza pelo mundo. desde então o AMOR é cego e a LOUCURA o acompanha.
juntos fazem a vida valer a pena – mas isso não é coisa para os medrosos nem para os apáticos, que perdem a felicidade no matagal dos preconceitos, onde rosnam os deuses melancólicos da acomodação.

- Lya Luft in Pensar é transgredir
preste atenção. mesmo onde você enxerga um vazio, pode ter gente dentro.

- Martha Medeiros in A Mulher Invisível pertencente a obra “Doidas e Santas”
não ter memória, nem passado nem presente, é não ser. o que você vive é o que te constroi.

- Suely Araújo

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

De coração para ser humano


— você só funciona quando não é sua hora, é incrível!
— tu sabe que apesar de tudo, sempre vai confiar em mim.
— eu não entendo, esse mistério que as pessoas fazem, eu gosto do que eu não entendo, do que não existe. tenho medo de me envolver e perder a essência, aquilo que a gente carrega dentro, que parece pérola – raro.
— eu sempre sou o culpado da história e levo uma vida normal, não é tarefa demais para mim, ser coração e ser cérebro junto? eu faço o que você pensa, não tenho escolha, eu estou dentro de você, me submeto ao teu desejo.
— não sei se é mais fácil te ter aqui dentro, ou não te ter aqui dentro. eu queria dar uma chance para ele, mas acho que antes de tudo eu preciso dar uma chance para mim, eu preciso, preciso muito fazer algo por mim.
— faça algo por você sim, tá na hora de me libertar, me fazer esquecer todo esse passado, se me deixar livre eu cuido de você, de dentro para fora. confia em mim?
— eu confio em ti. mas coração segura essa vontade, se você se submete a mim, então mata essa vontade de querer, e querer. coração tu que me conhece como ninguém, tira essa sede de mim, essa fome.
— eu faço apenas o que você quer, quando é da boca para fora, eu não faço. você pode mentir para todo mundo, mas você não me engana.
— cuida de mim então, não me faz chorar, só isso, cuida.
— eu cuido, e não me perdoo quando você chora. sou teu, e para sempre estarei contigo. te amo muito meu dono, e te quero em paz.

- Douglas Lenon
05 de dezembro de 2010
mas é que às vezes parece que eu te amo tanto, e um amor tão loucamente exagerado, que eu plantaria bananeira pro resto da vida. por você. e agora tudo se reduz a um afeto esquisito, na ânsia por sumir toda vez que faço bobagem, de quando a gente se beija torto, fora de hora, apaixonadiço.

- Gabito Nunes in Último romance
me perguntaram, assim, o que tu achas de tal coisa. pô, eu não sei o quê que eu acho. na hora eu acho uma coisa, meia hora depois eu posso achar outra. eu não tenho opinião definida sobre nada. não acho que isso seja insegurança. acho que é abertura, acho que tudo é passível de uma outra interpretação.

- Caio Fernando Abreu

domingo, 5 de dezembro de 2010

sempre caminhávamos até a escola bem devagar. eu gostava das caminhadas porque conseguia pensar um pouco sobre a direção que minha vida, estava tomando. eu tinha certeza de que nada podia ficar pior do que já havia sido, e aquilo me fazia sorrir um bocado. eu ainda estava me acostumando a ser de novo parte de uma família. também havia começado a dizer às pessoas que Mohamed era meu irmão, para que não fosse preciso explicar nada. eu sabia que nunca conseguiria esquecer meu passado, mas queria parar de falar sobre ele para que pudesse estar totalmente no presente em minha nova vida.

- Ishmael Beah in Muito longe de casa

pensou assim: “se eu quiser muito, mas muito mesmo, ele será meu por ao menos uma noite”.

- Clarice Lispector in A Procura de uma dignidade pertencente a obra “Laços de Família”
e nem a cor de meu cabelo e olhos, nem meu sobrenome, nem os livros que li na infância, nem o idioma que falei naquele tempo além do português, me fazem menos nascida e vivida nesta terra de tão surpreendentes misturas: imensa, desaproveitada, instigante e (por que ter medo da palavra?) maravilhosa.

- Lya Luft in Nós, os brasileiros pertencente a obra “Pensar é transgredir”

sábado, 4 de dezembro de 2010

um dia o gigante vai cair morto igual ao King Kong e chega dessa dor, dessa incerteza, desse silêncio, dos dias se arrastando, do ódio, das imagens doentias na minha cabeça, da saudade espada que furou meu centro e aumenta o diâmetro a cada movimento. só vai sobrar uma tristeza eterna em saber, como todos que já viram esse filme sabem, que o rei da selva, o dono do pedaço, o forte, o poderoso, o assustador, o monstro inabalável que bate no peito e destrói qualquer um, só queria ser amado pela frágil mocinha. daqui de longe, enquanto escrevo esse texto chorando mais do que cabe no meu rosto, ouvindo pela milésima vez a música do Damien Rice e sem vontade nenhuma de ter vontade nenhuma, eu escuto seu riso alto, exagerado e constante. e eu só consigo ter mais pena de você do que de mim.

- Tati Bernardi

Dissertação 68


não sei se sou a melhor pessoa para falar, mas sabe não sei como vou acordar amanhã, entretanto sei que no meu hoje não existe ele, não agora, amanhã terei outra opinião é inevitável, mas agora não, deixa ele lá, eu quero estar aqui hoje, para mim. também falei com ele hoje, nem recado eu mandei, nem sms. queria que meu amanhã fosse assim, e meu depois de amanhã também.

- Douglas Lenon
30 de novembro de 2010

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

pois é. mas, detalhe: não vive quem se economiza, quem quer felicidade parcelada em 24 vezes sem juros. aliás, ser feliz nem está em pauta. o que está em pauta é a busca, a caça incessante ao que nos é essencial: ter paixões e ter amigos. o grande patrimônio de qualquer ser humano, quer ele perceba isso ou não.

- Martha Medeiros in Vai, vai, vai... Viver pertencente a obra “Doidas e Santas”
por que a culpa do que não foi vivido
é maior do que a culpa do que aconteceu?

o que é imortal não tem passado.

- Fabrício Carpinejar in Como no céu & Livro de visitas

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

na minha memória – tão congestionada – e no meu coração – tão cheio de marcas e poços – você ocupa um dos lugares mais bonitos.

- Caio Fernando Abreu

Meu comercial de supermercado


roubaram meu livro preferido. fui jogar sinuca e o cara do caixa debitou 22 reais com 41 centavos duas vezes. me espreguicei e distendi a panturrilha. me decepcionei com um amigo. choveu na minha horta e perdi toda safra de cebolinha. não faço sexo faz um tempo. sobre amor, vai à merda antes que me esqueça. no meio de tudo, existem coisas bacanas.
abraço. Ashton Kutcher e Katherine Heigl atuando juntos em "Killers". homem chorando por bobagem. gol do atlético paranaense. um encontro inesperado. o comercial da Brastemp. um moreno coçando a nuca de olhos fechados.
as crônicas do Caio Fernando Abreu. os textos do Gabito Nunes. pão com ovo. um flerte à moda antiga. uma amiga apaixonada. não saber o que vai acontecer amanhã. dormir. dar um beijo no rosto. hamsters. fim de tarde no jardim botânico. sinuca com os amigos. falar de amor com os amigos. os amigos. o You Tube. shampoo de andiroba.
a meiguice do T.R. Knight. os olhos do Eric Dane. o corpo do Ashton Kutcher. as coxas do David Beckham. a boca do Kayky Brito. os braços do Ryan Reynolds. as covinhas do sorriso do Zachary Quinto. o charme do Zachary Quinto. o resto do Zachary Quinto.
a cama nova, que não faz tanto barulho. rock alternativo. a garrafinha retrô da coca-cola. caipirinha no domingo. nossos pais. provocar um sorriso. elogiar. dar passagem na faixa de segurança. receber um recado de alguém que mora longe. beijar ao som de qualquer música.
nescau gelado. musse de maracujá. flor de maracujá. o "Brand new eyes". minha risada. uma criança tentando pegar um picolé. correr. "Grey's Anatomy". minhas aulas de filosofia. pôr do sol com céu de baunilha. chuva fina. matar barata com a mão. sexta-feira de noite.
viver é foda, mas é bom pra cacete. esse é meu slogan. essa é minha vida. isso que me faz feliz. esse é meu clube. esse é meu comercial de supermercado.

Intertextualidade da crônica "Meu comercial de supermercado" de Gabito Nunes

- Douglas Lenon
28 de novembro de 2010

Postagem de número 1000 *-* fica a dica.
uma exaltação perturbada que tantas vezes se confundira com felicidade insuportável.

- Clarice Lispector in Amor pertencente a obra “Laços de família”
não importa o que fizeram de mim, o que importa é o que eu faço com o que fizeram de mim.

- Jean-Paul Sartre

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Dissertação 67


ciume, medo e coração apertado. eu quero paz. não sei quantas vezes já repeti isso só nessas duas últimas semanas. eu não peço nada para o ano que vem, não peço amor, não peço dinheiro, não peço bens, eu só peço paz.

- Douglas Lenon
01 de dezembro de 2010
mas se nada disso for possível, porque esse, como você diz, é o seu jeito, aceite este bilhete como uma afetuosa falta minha de... jeito.

- Lya Luft in Osteoporose na alma pertencente a obra “Pensar é transgredir”

mas eu queria agradecer aos 200 seguidores lindos *-* haha, beijos.
tem dias que não estamos pra samba, pra rock, pra hip-hop, e nem por isso devemos buscar pílulas mágicas para camuflar nossa introspecção, nem aceitar convites para festas em que nada temos para brindar. que nos deixem quietos, que quietude é armazenamento de força e sabedoria, daqui a pouco a gente volta, a gente sempre volta, anunciando o fim de mais uma dor – até que venha a próxima, normais que somos.

- Martha Medeiros in A Tristeza permitida pertencente a obra “Doidas e Santas”