terça-feira, 11 de janeiro de 2011

o bom seria que continuássemos amantes, sendo também amigos. pois amor é amizade com sensualidade: se não gosto do outro com seus defeitos e qualidades, manias e até pequenas loucuras, como foi que o escolhi para viver comigo numa casa, na mesma mesa, cama e talvez todo o tempo de minha existência? e se isso se desgastou, por que não permito, a ele e a mim, mudarmos o nosso contrato de amantes para amigos e cúmplices ainda?

- Lya Luft in Não somos santas pertencente a obra “Pensar é transgredir”

Um comentário: