segunda-feira, 27 de junho de 2011

Coisa de Momento


confesso que a música romântica me fez tirar a roupa mais facilmente, mesmo eu não sendo de pensar muito antes de fazer isso. as coisas que ficam fora do lugar dentro de mim, sou eu mesma quem bagunço. você, eu deixo bagunçar somente os cabelos e minhas quinquilharias femininas no bidê, pra deixar registrada uma marca, uma música, um beijo e umas recomendações.

era o trato. não sou de meio-amores que machucam por inteiro, acho essa coisa de paixão uma monstruosidade. esse afeto sem razão que cultivamos por alguém quase desconhecido é uma espécie de suicídio passional que dá anos de cadeia. não gostaria de ser como aquela gente que arrasta corrente por tempo. e não sou morta por dentro, acontece que meu colorido só dura 24 horas, tal uma borboleta. sou isso, uma espécie de heroína lepidóptera nascida pra inibir crimes passionais. mas só à noite, o resto do tempo sou uma lagarta gosmenta.

as pessoas que se apaixonam tendem a olhar-se mais no espelho, sem enxergar sua patética e debilitante condição. quando a coisa acontece mútua, vá lá, diversão garantida por um tempo biologicamente determinado. as rejeitadas são o brabo. subvertem-se psicóticas, caninas, manipuladoras, chantagistas, insanas, mendigas, agonizantes, verdadeiros cães de rua que aceitam um dono qualquer, suspeitos de crimes cheios de rastros.

se alguém já chegou lá, por gentileza, me diga se vale a pena tanto andar. do contrário, continuarei julgando essa coisa de amor uma longa estrada de chão calorenta até uma paradisíaca praia, que leva tanto tanto tanto tempo até você alcançá-la. e quando você chega sedento por um mergulho, fez-se a noite, o mar fica revolto e gelado e suscetível e perigoso e descontrolado. não me espanta a vida como é ela é, me incomoda a vida como ela deixa de ser, às vezes. simples, prática, funcional, indolor. mas são apenas convicções.

agora essa melancolia, essa saudade, essa tristeza, essa nostalgia, não sei o nome, seja lá o que você quiser. o jeito engraçado de andar com aquelas roupas, mesmo eu não concordando com aquela sua camiseta vermelha, seus dedos encardidos de cigarro, sua risada às vezes meio crueis, as coisas que você diz por empolgação, completamente nu. mesmo eu não concordando com nada de bom das coisas que já consigo enxergar em você. você não sabe, mas meu superpoder é inventar homens na minha cabeça.

acha mesmo que vou sair na rua só pra comprar o jornal do dia e consultar sua intenção de me ligar no horóscopo? o interessado não dá desculpas, dá um jeito. quando essa hora chegar, o dia já se foi, meu signo já aconselhou a agulha do meu disco trocar de música: dorme e acorda amanhã, num novo dia. faz de conta que é otimista ou que esse amor não significava nada. se a maioria acha triste a sensação de estar esquecendo uma feição, pra mim é um alívio discordar.

como não sei se verei seu rosto de novo, aquele papelzinho seu rabiscado no meu bidê, recomendando uma música pra ouvir, joguei no lixo antes de memorizar. não me dou o direito de mergulhar assim tão fundo num admirável mundo que não me pertence. mas se acaso você me procurar, não sei, pode ser, quem sabe passa hoje aqui pra devolver as coisas que são minhas - meus momentos bons.

- Gabito Nunes

Um comentário:

  1. Oie Sou Fábio Mariz do BLOG (Mariz.Moda), achei seu blog o máximo, já estou seguindo visite o nosso e seja um seguidor!

    #ABRAÇOS

    (http://www.marizmoda.blogspot.com)
    nossos twitter: @FabioMarizReal & @MarizModa

    ResponderExcluir