sexta-feira, 1 de julho de 2011

ele morreu naquele dia porque seu corpo tinha servido aos seus propósitos. sua alma havia feito o que viera fazer, aprendera o que viera aprender, e então ficou livre para partir. e eu sabia, enquanto Denny corria até o médico que iria cuidar de mim, que, se eu já tivesse realizado o que precisava realizar aqui na Terra, se eu já tivesse aprendido o que deveria aprender, eu teria atravessado a rua um segundo depois, e teria sido morto instantaneamente por aquele carro.
mas eu não morri. porque não tinha acabado. ainda tinha trabalho a fazer.

- Garth Stein in A Arte de correr na chuva

Nenhum comentário:

Postar um comentário