segunda-feira, 31 de outubro de 2011

eu só queria que isso que eu tô sentindo agora durasse mais de uma semana. eu só queria poder chegar em casa e ver tudo diferente. ver tudo bonito. ver tudo como de fato é.

- Tati Bernardi

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

é como um balão de gás helio. solto no céu, chama atenção. preso na mão é só um enfeite. deixa voar, quem sabe ele volta pra tua mão.

- Gabito Nunes in Vaivém

terça-feira, 25 de outubro de 2011

6º dia - "e o problema não é que eu não me integro, é que eu me desintegro." (Fernanda Young)


vivo de escritos se é isso que você queria saber. sou melodramático extremamente fervoroso. creio naquilo que não existe. ultimamente virei ateu do amor. sabe quando me perguntam: você acredita no amor? eu respondo: não, sou ateu. e quando perguntam: você acredita na canalhice do homem? até ateu acredita. nessas indas e vindas, tenho fé de que o seu amor existiu apenas porque um dia eu acreditei nele, fiz você fazer parte de um relacionamento, te coloquei na minha vida, te mostrei que o mundo pode ser sim um lugar legal, até você cagar com tudo. o primeiro basta veio logo depois de você dizer que não tem importância as coisas que eu faço, traduzindo: nada que eu fazia tava bom. e eu querendo ser mais, muito mais pra ver se você mudava, se você se empenhava, se você participava. acabou que eu não sou de ferro, e acabei me desintegrando. e tenho um pouco de vergonha de ter acreditado no amor. no nosso amor.

- Douglas Lenon

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

pra ela eu contava qualquer tipo de coisa com o coração todo aberto, porque eu sentia de forma muito clara a facilidade e o acolhimento com que me ouvia. um bom confidente, às vezes, é apenas aquele que nos deixa livres para dizermos tudo o que quisermos sobre nós, inclusive bobagens das quais talvez nos arrependamos logo depois de dizê-las. às vezes, é apenas aquele que interage com o nosso sentimento da vez, sem estar com a razão toda arrumada para análises profundas, tiradas magníficas, sermões eloquentes, dos quais nem sempre precisamos. um bom confidente, essa maravilha rara, é aquele que aproxima, generosamente, a vida dele da vida da gente e, apesar da mágica interação que acontece com essa proximidade, consegue manter a distância necessária para não confundir a sua história com a nossa. há momentos em que a gente só precisa falar e se sentir, de verdade, ouvido. só isso. só isso tudo.

- Ana Jácomo

dedico para Allana Zanon e Clarissa Lamega.

domingo, 23 de outubro de 2011

e quando falo da VERDADE, não penso em felicidade. penso em desistir dessas tentativas de mais-um-pouco: mais um pouco de conhecimento, mais um pouco de tempo, mais um pouco de calma.

- Fernanda Young in Tudo que você não soube

sábado, 22 de outubro de 2011

eu queria ter tomado um banho antes e feito a barba, uns cheiros, uns charmes, essas coisas. eu queria dar uma boa. Sei lá, troço mais babaca, impressão. eu queria que você gostasse de mim.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

sexta-feira, 21 de outubro de 2011


não há homem ou mulher que por acaso não se tenha olhando ao espelho e se surpreendido consigo próprio. por uma fração de segundo a gente se vê como a um objeto a ser olhado. a isto se chamaria talvez de narcisismo, mas eu chamaria de: alegria de ser. alegria de encontrar na figura exterior os ecos da figura interna: ah, então é verdade que eu não me imaginei, eu existo.
19 de agosto de 1967

- Clarice Lispector in A surpresa pertencente a obra “A Descoberta do Mundo”

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Lucas: — eu não te odeio. eu lembro da primeira vez que te vi, com braços magrelos e cabelos bagunçados. foi difícil me desprender de você, Peyton. você sabe, foi... difícil perder você, e foi difícil te ver de novo. e... ainda... é muito difícil.
Peyton: — eu sei. enquanto eu durmo, eu tenho esse sonho em que nós estamos juntos novamente naquele hotel em L.A., e você me pedia em casamento. e todas as vezes, eu digo sim.
Lucas: — é só um sonho, certo?
Peyton: — é o meu sonho.

- One tree hill
5ª temporada, episódio 18

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

crazy é uma palavra que confere certo humor à loucura
parece que se é uma loucura divertida, supercrazy, personagem de gibi
alegre, magnética, cabelo colorido, uma destrambelhada que ri

crazy é uma palavra que não descreve a minha inversão
sou louca em português, very absorta, nada institucional
desajuste silencioso, independente, que não se cura nem se cobre com bandeide

crazy não me entitulo, tenho a fachada sã e não trago o riso solto
meu desvio é genético, louca de berço, pura, sem aditivos
loucura genuína não se produz e a américa nada tem a ver com isso

crazy é bacana, crazyland, terra dos que estão em paz e fumam,
a noite inteira gargalhando, beijando-se uns aos outros, just fun
o que sinto é mais uterino, absolutamente pessoal e profano

crazy, sou às vezes
louca, doze meses por ano

- Martha Medeiros in Cartas Extraviadas e outros poemas

terça-feira, 18 de outubro de 2011

O tudo que faltava, talvez seja você


você prometeu que ia segurar minha mão quando doesse muito lembra? e eu queria saber, porque a sua vida é tão mais interessante do que aquilo que eu tenho pra contar, também queria saber qual é o sentido da gente estar junto, se você mata o amor a todo momento. amor é você ser meu cumplice entende? é você ser a pessoa a qual eu corro pra contar o que eu descobri. qual é o segredo de ter uma vida fabulosa a qual não te deixa pensando em como eu me sentiria se você perguntasse como eu estou, ou até mesmo se eu gosto do jeito que você me trata? nunca passou pela sua cabeça que eu também me machuco.
eu espero demais. eu acredito que existe pessoas boas que vão perguntar pra mim o que eu fiz. tem pessoas no mundo que se importam, mas a gente ainda nem encontrou com elas. na verdade elas se escondem e você quer muito aquilo que você oferece. no fundo somos eternos egoístas que damos pedindo em troca.
eu quero ser doce com você, porque eu vejo em nós algo que poderia dar certo: você não tem nada a ver comigo. você não gosta da melancolia, tem um estilo pessoal digamos um pouco mais social, expressa o carinho que sente em algumas pitadas apenas. o tudo que faltava talvez seja você. e essa frase acredite não é minha, mas penso que você pode querer muito mais, e eu acredito em tudo, desde a sua vontade louca de querer morar em um país oriental até sua vontade de querer me contar a verdade sobre o que você realmente passa e de como é a sua vida.

- Douglas Lenon

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

e foi como se a miopia passasse e ele visse claramente o mundo. o relance mais profundo e simples que teve da espécia de universo em que vivia e onde viveria. não um relance de pensamento. foi apenas como se ele tivesse tirado os óculos, e a miopia mesmo é que o fizesse enxergar.

- Clarice Lispector in Evolução de uma miopia pertencente a obra “A Legião Estrangeira”

domingo, 16 de outubro de 2011

acho bonito isso “quem não tem para onde ir, embarca”. me perco alguns segundos nessa frase e quase quero acordar para escrevê-la na minha parede. mas estou com raiva e quero que esse ladrão pague por ter roubado algo que eu queria tanto que roubassem mesmo.

- Tati Bernardi

sábado, 15 de outubro de 2011

são as leis, o que se pode fazer? biologia, carma, horóscopo, o escambau. veja o lado bom, é o mais próximo que podemos chegar de uma relação segura, estável. a pessoa gosta de John Lennon; ela tende a dar uma chance à paz. ela curte Barry White; vai gostar de você do jeito que você é. ela simplesmente ama Marvin Gaye; é o tipo de gente que vai deixar rolar porque vocês são duas pessoas sensíveis, com muito pra dar. afinidade é a maior tecnologia a serviço do amor, cruzando informações que realmente importam.
quem dera.

- Gabito Nunes in Afins

sexta-feira, 14 de outubro de 2011


— mas qual é a vantagem de fingir que não há o problema?
quando ele é insolúvel, a vantagem é que você não terá que resolver algo que não tem como ser resolvido.
— tipo o quê?
— tipo o fim do amor. para os mais jovens, o fim do amor pode ser resolvido com o término do casamento. inclusive, acho isso uma grosseria... isso que não entendo nesse assunto abismo... desculpa, filha, mas abismo é viver. não estamos à beira dele, estamos nele. e todo mundo age como se fosse heroi por contornar crises, por meio do debate, ou não. todo mundo vai fazer análise, justamente para não olhar para a pessoa ao lado e dizer: eu tenho vontade de vomitar quando escuto os teus passos. e isso não se diz numa conversa. você não pode virar para a mãe dos seus filhos e falar: “olha, eu não te odeio, te desejo tudo de melhor, mas eu não te amo mais”. sem que isso venha cheio de acusações. quando, no fundo, no fundo, amor não dura. e nem venham me falar que o que não dura é paixão. a ideia do amor está lá, faz parte da nossa cultura, essa tal transformação do amor. podemos dizer: eu não te amo como te amei, mas esse amor se transformou, e eu amo ver televisão com você, eu amo saber que, se eu tiver um treco e ficar todo cagado, você me limpará. Isso que é indiscutível. o amor não se transforma, ele se esgota, e a gente vai levando, por vários motivos. e, saibam, muitos desses motivos não são nada nobres.

- Fernanda Young in Tudo que você não soube

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

façamos de conta no meio da chuva que te enxuguei os cabelos, te levei para a cama, te aqueci com abraços, tirei tua roupa devagar, cantei para te adormecer até a manhã seguinte.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

sinto falta da minha vida. eu estou desconectado da minha vida, como se ela fosse um filme chato que eu não quero mais assistir.

- Private Practice
4ª temporada, episódio 22

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Sou pequeno assim mesmo


talvez essas letras pequenas as quais eu use seja o medo de ser tão grande a ponto de explodir pra quem não merece se quer um assopro. eu sou assim, pequeno, sou as beiradinhas, tudo em mim é mínimo, porque eu sou feito de detalhes nos mínimos detalhes. intensidade nunca foi meu forte, sempre que pensei em ser intenso acabei fazendo as coisas erradas.
escrevo manso porque não tenho pressa. escrevo numa pontuação desesperada, porque não desejo chegar rápido em tudo aquilo que almejo, eu desejo chegar. poucas pessoas conseguem assim. não uso letras maiúsculas por falta de necessidade naquilo que quero expressar.
tudo que sobrou de quando eu era alguém grande, foi muito pouco, por isso me conformei em ser desse tamanho. pequeno ou não, a gente não mede o amor ou os amores! se for pra viver de restos a gente nem vive, por isso somos pequenos.
no fim das contas escrevo em letras pequenas pra mostrar que existe sim letras grandes, mas que elas não são duas. me certifico de que o excesso foi me consumindo aos poucos, e eu fui me livrando de tudo aquilo que machuca, rasga e destrói. abri as portas pra tudo aquilo que brilha, ama e cuida.

- Douglas Lenon

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

a consciência de que vamos morrer talvez seja a mais desestabilizadora, mas costumamos pensar nisso apenas quando há uma ameaça concreta: o diagnóstico de uma doença ou o avanço da idade. as outras perturbações são mais corriqueiras. somos livres para escolher o que fazer de nossas vidas, e isso é amedrontador, pois coloca a responsabilidade em nossas mãos. a solidão assusta também, mas sabemos que há como conviver com ela: basta que a gente dê conteúdo à nossa existência, que tenhamos uma vontade incessante de aprender, de saber, de se autoconhecer. quanto à gratuidade da vida, alguns resolvem com religião, outros com bom humor e humildade. o que estamos fazendo aqui? estamos todos de passagem. portanto, não aborreça os outros e nem a si próprio, trate de fazer o bem e de se divertir, que já é um grande projeto pessoal.

- Martha Medeiros in Os quatro fantasmas pertencente a obra “Doidas e Santas”

domingo, 9 de outubro de 2011

o resto do dia poderia ter sido chamado de horrível, se o menino tivesse a tendência de pôr as coisas em termos de horrível ou não horrível. ou poderia se chamar de “deslumbrante”, se ele fosse daqueles que esperam que as coisas o sejam ou não.

- Clarice Lispector in Evolução de uma miopia pertencente a obra “A Legião Estrangeira”

sábado, 8 de outubro de 2011

e escrever, que sempre foi a única coisa que adiantava para os dias passarem menos absurdos, já se tornou algo ridículo. escrever sobre você de novo? de novo? tenho até vergonha. nem eu suporto mais gostar de você.

- Tati Bernardi

sexta-feira, 7 de outubro de 2011


se não for pedir muito, emita algum sinal, deixe um alô na minha timeline, que eu vejo aqui do meu lado, assim que lembrar das senhas pra te ganhar. sim, às vezes te procuro na web, grande áfrica. quero saber com quem você anda e o porquê do silêncio. tá estampado e nítido na sua cara, no seu riso-ejaculação-precoce, que também não me esqueceu. ainda.

- Gabito Nunes in Espero que contigo esteja tudo mais ou menos

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

todos, seja qual for a vida que temos, vivemos felicidades e tristezas a cada instante. porque somos e não somos, queremos isso e não-isso. ao mesmo tempo. atrair e repelir, amar e odiar, viver e morrer, compreende? não comparo a minha vida a desse escritor, lógico. mas quero ter o direito a ter conhecido, também, a felicidade. e quero te contar quando e como.

- Fernanda Young in Tudo que você não soube

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

no fim das contas, faltou dinheiro. faltou tanta coisa mais importante do que dinheiro.

- Rodrigo Tavares

5º dia - "se não fosse amor eu já teria desistido de nós." (Caio Fernando Abreu)


já teria desistido de tudo. mas você é uma criança que foge quando tem que estar! quando tem que se manter. eu não tenho idade pra cuidar de você, tá me entendendo? costumo escrever muito "eu", e é puro impulso, porque quando falo de mim, só consigo pensar em falar: eu.
temos vários problemas em nos aceitar, nos querer. precipitamo-nos demais. não faço ideia se existe essa palavra "precipitamo-nos". mas você entende o que eu quero dizer, porque na verdade o que importa é a linguá, gramática é para os fracos. mas a gente vive nesse silêncio, que a fonética nem faz sentido. mal sabemos que podemos nos comunicar por cartas, ou por telepatia, porque eu penso em você. e cá estamos, eu ainda insistindo nesse romance com escalas. tudo parece tão vago, assim nesses dias de primavera, que sobra lugar, que falta você. quando você foi, eu fui muito mais eu do que eu jamais pensaria em ser. porque ao contrário de você, eu não desisti de nós, mesmo vendo suas costas, te vendo partir.

- Douglas Lenon

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

até que um dia Douglas, que ela chama ardente e suavemente de “meu Douggie”

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

esse trecho nem tem nada demais, mas tem meu nome. achei tri lindo.

domingo, 2 de outubro de 2011

mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna. um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco porque não existe plástica que resgate seu brilho. quem dá brilho ao nosso olhar é a vida que a gente optou por levar. um olhar iluminado, vivo e sagaz impede que a pessoa envelheça. olhe-se no espelho. você tem um olhar de quem estaria disposta a cometer loucuras? tem que ter.

- Martha Medeiros in Os olhos da cara pertencente a obra “Doidas e Santas”

sábado, 1 de outubro de 2011

e também porque uma coisa bonita era para se dar ou para se receber, não apenas para se ter. e, sobretudo, nunca para se “ser”. sobretudo nunca se deveria ser a coisa bonita. a uma coisa bonita faltava o gesto de dar. nunca se devia ficar com uma coisa bonita, assim, como que guardava dentro do silêncio perfeito do coração.

- Clarice Lispector in A Imitação da Rosa pertencente a obra “Laços de Família”