quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

pedindo pra você me deixar em paz e nas entrelinhas gritando: me ame, seu idiota! e você surdo, mudo, cego e burro, desperdiçando o que eu tenho de mais sagrado, de mais inteiro e mais honesto, você sempre foi covarde que eu sei. covarde. mas agora sem contemporizar, não mais contrabalançando minha decepção com as coisas que eu gosto em você, hoje vou te dizer apenas o que eu não gosto, e azar se isso nos separar de vez, já não há remendo possível de qualquer maneira.

- Martha Medeiros in Tudo que eu queria te dizer (adaptado)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

sinta-se agradecido. verdadeiramente agradecido. por tudo o que você tem hoje. por tudo o que você é. seja honesto com seus sentimentos. não se supervalorize. nem tampouco se subestime. seja forte. e bote pra quebrar.

- Fernanda Mello

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

12º dia - "impressionante como a gente sofre por nada." (Tati Bernardi)


uma vez na sala de aula contaram uma história sobre como seria a vida se não fosse nós a maior espécie existente no mundo, se fosse por exemplo os leões que habitassem nosso planeta e fossemos nós uma minoria. nesse momento eu parei pra pensar que se somos realmente a maioria no planeta Terra por que eu deveria sofrer por você? no mundo da fantasia dos apaixonados eu já fui rei, hoje acho que cai do império, tô mais pra consciente do que pra sonhador. na matéria da ilusão eu já fui nota 10 e acabei me machucando muito por isso. dói querer cuidar e não ser cuidado. dói procurar e não ser procurado. dói sofrer e não ser visto.

- Douglas Lenon

domingo, 26 de fevereiro de 2012

só ele conheceu uma mulher corajosa que admitiu todos os medos, todas as neuroses, todas as inseguranças, toda a parte feia e real que todo mundo quer esconder com chapinhas, peitos falsos, bundas falsas, bebidas, poses, frases de efeito, saltos altos, maquiagem e risadas altas. ninguém nunca me viu tão nua e transparente como você, ninguém nunca soube do meu medo de nadar em lugares muito profundos, de amar demais, de se perder um pouco de tanto amar, de não ser boa o suficiente.

- Tati Bernardi

sábado, 25 de fevereiro de 2012

eu disse a uma amiga:
— a vida sempre superexigiu de mim.
ela disse:
— mas lembre-se de que você também superexige da vida.
Sim.
21 de outubro de 1967

- Clarice Lispector in Sim pertencente a obra "A Descoberta do Mundo"

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

e viveria coisas tão inteiramente diferentes de todas aquelas vividas ali que nenhum de todos aqueles seria mais capaz de compreendê-lo, nunca mais.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Atos Falhos


acho que te devo um pedido de desculpas. é que nem eu mesmo gosto muito de mim, e fico meio assustado quando alguém me diz que consegue isso. é que você parecia minha amiga, só minha amiga. você fala como uma amiga. me cumprimenta como amiga. me telefona e me convida para cinemas como uma amiga. seu riso é de amiga. o seu abraço é de amiga. mas eu devia ter desconfiado, seus cabelos sempre tiveram cheiro de namorada. existe algo errado numa amizade quando o resto do mundo parece chato e nós os únicos legais.

mas, conhecer você e ser seu parceiro de pipoca foi bom. bom como ler uma letra bonita sem poder escutar a incrível música por trás dela. como planejar um final de semana na praia e ter dois pneus furados no meio da estrada. descobrir uma ruazinha bonita no seu bairro e ser estuprado nela. você é a chuva no meu piquenique. você é o show do Weezer que não consigo ver porque sou muito baixo. você é a deliciosa torta de chocolate e limão que para comer eu preciso estar presente no aniversário de 70 anos da minha tia Rosalina. sou Jennifer Aniston tentando converter um gay em "A Razão do Meu Afeto". você é minha pipa enrolada nos fios de alta-tensão. você é meu peixe novo que morreu na primeira semana. você é o irmão gêmeo malvado que eu descobri a existência. você é o game "The Beatles: Rock Band" para XBox que custa quase dois mil dinheiros. você é como uma baleia em extinção querendo viver na minha piscina de mil litros. é como se eu finalmente aprendesse a voar e você fosse a Kriptonita. eu sou o país independente que você não deixa em paz. você é o braço que eu quebrei tentando catar as goiabas do vô Agenor. você é o Barcelona vs Real Madrid que não passa na minha tevê. sou Midas louco pra te beijar a boca sabendo que tudo que ponho a mão vira ouro. é como abrir minha lata de refrigerante e descobrir um camondongo morto boiando dentro. é como criar coragem pra subir no palco cantar "Love Will Tear Us Apart" e lá de cima enxergar você no guichê, pagando pra ir embora.

sei que andei falando coisas sem pensar. me esforcei pra deixar quieto, ficar de boca calada, não fazer merda. quase deu certo. você sabe, sou meio blá. olha, sei que andei falhando todas essas vezes, nos últimos meses. em minha defesa, não era bem eu. só estava tentando ser uma outra coisa, sei lá, algo que pudesse merecer você. como eu poderia adivinhar que alguém como você gostaria de mim, assim desse jeito atrapalhado que eu sou? vamos ser sinceros, pra conquistar você tinha de ser de rali. contando só a arrancada eu não teria a menor chance.

um dia, eu sei, você vai entender os meus motivos. e talvez eu os entenda também. você estava meio etílica, mas sei que foi honesta, pelo menos na hora em que disse aqueles troços. não sei o nome disso que estamos sentindo um pelo outro e também não me importa. pode ser o ápice ou o precipício, e tudo bem. e também não sei se teremos habilidade para cultivar isso por três semanas ou por três décadas inteiras. só sei que agora estou interessado em saber como será o próximo passo.

- Gabito Nunes

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

e eu estou chorando agora, de pena da minha filha, mas principalmente de raiva por a gente ter que mendigar carinho pra se sentir uma boa pessoa. se ninguém nos telefona, se ninguém vem à nossa casa, se ninguém aceita o nosso jeito, parece que a gente não existe, parece que as coisas deram errado, e não deram. sou uma pessoa bacana, forte, generosa, não deveria precisar que ninguém me aplaudisse, mas a gente precisa dos outros, precisa que eles demonstrem que nos admiram, mesmo que estejam fingindo.

- Martha Medeiros in Tudo que eu queria te dizer

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

11º dia - "qualquer lugar onde a gente pudesse viver uma coisa mais inteira." (Caio Fernando Abreu)


venho pensado nisso a dias, em como as coisas poderiam ter sido diferentes se fôssemos outros personagens, talvez se tivéssemos nos apaixonado em outro século. o medo de te perder começou quando você tocou no assunto de que iria embora. aproveitar as horas do seu lado pareciam nunca ser o suficiente. eu amava quando você encostava seu rosto atrás da minha orelha e dava um beijinho no meu pescoço dedilhando meus ombros, parece amor isso né? não, não parece. amor mesmo era quando você fazia tudo isso e logo começava um cafuné na minha cabeça dizendo baixinho no meu ouvido: ei.. eu vou te roubar pra mim e vou te levar daqui pra você mostrar esse teu sorriso só pra mim.
IR EMBORA: ato desumano que faz sangrar um coração.

- Douglas Lenon

domingo, 19 de fevereiro de 2012

estou presa pelo prazer dele, estou derrubada pelo peso dele, estou sufocada pelo desejo dele. não estou em mim e me abasteço de outra vida. sou sua hospedeira e sugo dele justamente o que ele tem de mais e eu de menos: tesão por mim.

- Tati Bernardi

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

e os que desistem? conheço uma mulher que desistiu. e vive razoavelmente bem: o sistema que arranjou para viver é ocupar-se. nenhuma ocupação lhe agrada. nada do que eu já fiz me agrada. e o que eu fiz com amor estraçalhou-se. nem amar eu sabia, nem amar eu sabia.
14 de outubro de 1967

- Clarice Lispector in Dies Irae pertencente a obra "A Descoberta do Mundo"

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

— alguma coisa em. alguma coisa em mim que eu não entendo. eu devo ter inveja, eu não te disse que eu nunca consegui? eu não entendo de amor, de algum jeito complicado. dentro de mim, vê se me entende. isso nunca aconteceu antes, eu não queria ferir você. te ferir, eu não podia ferir. seria a última coisa que. eu não devia, eu não pensei.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Carta Extraviada 5


tudo o que vejo são telas digitais, um novo mundo feito de chips e megabytes, e você vêm falar de amor, um amor que deixaria a todos incrédulos por ser real demais.
não recebi suas cartas, mas sei que elas foram escritas, o universo regido por ícones eletrônicos induz a fantasias telepáticas. ser intuitiva também é uma forma de conexão, há muitas cartas extraviadas viajando pelo espaço, sem fios ou cabos, sem satélites, palavras silenciadas e igualmente transmitidas. amor é um troço raro e sempre de vanguarda.
também escrevo minhas cartas que não são postadas, cartas digitalizadas no sonho, um mundo de excelentes intenções, nostalgias, poesias, essas coisas quase fluviais.
você vem falar de amor de um modo que emociona, e eu vou falar de amor como se fosse sua resposta. agradeço, primeiramente, o amor recebido e negado, demonstrado e não, seus adjetivos, seus diagnósticos e o tempo percorrido, se foi um amor de verão ou se comemorou vinte bodas anuais, o amor que sinto não é dado a configurações, o amor transcende, nunca foi mortal como a gente.
gosto destes sons, embala o amor a rima, navego empurrada pelos ais e por sufixos e sílabas que remam, remam, aqui vão minhas palavras navais. o amor não tem ancoradouro, porto, cais – o amor é navegante e recolhe pessoas neste mar de distraídos, salva vidas. o amor que você narra e a mim dirige é amor primitivo, fora de catálogo, é sorte dos amores ambientais, estão por toda parte, para senti-lo requer apenas querê-lo. conceitos fugazes do amor? não creio. há os amores produzidos e os amores naturais, os amores duros e os rarefeitos, há os que nascem do peito e os ancestrais, amores vários, todos iguais.
em diversas cartas há seu apelo e sua culpa pelo amor não-vivido. o amor vive apesar de nós, tudo o que se sente é validado por ser existente, não sofra mais. foram cartas não assinadas, não enviadas, talvez escritas por mais de uma pessoa, tanto faz. são cartas de amor, e mesmo com angústia e anonimato, sobrevive nelas o tesouro de um sentimento bruto, porém não violento.
o amor comentado nestes tempos que correm é produto, assunto de revistas e jornais, o amor nos tempos que correm deveria ir mais devagar, aceitarem-se múltiplos, gozo, gás. você que escreve mentalmente, você que escreve cartas para ficar, você que não sabe direito que amor é esse e que só quer se desculpar, você que ama livre e você, entre grades, você que ama em pensamento, você e você e você, nós todos e nossos amores ornamentais, que ainda nos fazem chorar e mal entender, carentes existenciais, você e você e você e nossas cartas abortadas, digamos para nós mesmos: comunicar é lindo e gritar o amor é nobre, dizer te amo é bálsamo e mais ainda, escutar. mas o amor independe, o amor, remetente, é transcrito no olhar, há quem entenda e há quem procure lê-lo em outro lugar.
amor é carta que mesmo extraviada está ora chegando e partindo, e pode cair em mãos que não as destinadas, mas onde estiverem as palavras, escritas ou caladas, onde estiverem os desejos e seus códigos postais, não importa a data em que foram selados, serão sempre cartas de amor e amores que alcançaram seus finais.

- Martha Medeiros in Carta extraviada e outros poemas

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

tanto você fez por mim, tantos presentinhos, tanto carinho, tanta atenção... pois eu não lembro de nada disso. não lembro de você me abraçando, não lembro de você ficar orgulhoso de mim por nada. não havia um único dia que você não me criticasse por alguma razão, por mais idiota que essa razão fosse.

- Martha Medeiros in Tudo que eu queria te dizer (adaptado)

sábado, 11 de fevereiro de 2012

minha distância, que você percebe e julga ser frieza, é apenas um mecanismo de defesa contra o que virá depois. já me acostumei à desilusão e sua argumentação em favor do mundo não vai ajudar. estou desiludida de mim, dos meus impulsos, das minhas incapacidades, da minha falta de sentidos, não das outras pessoas. as outras pessoas cumprem direitinho com seu papel, se esforçando pra quebrar meu gelo, algumas gostando sinceramente de mim, apesar da falta de resposta. sou cigana, sou estrangeira, sou de partida, nunca de chegada. sou de começo e fim, não de durante.

- Verônica H.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Paixão com p minúsculo


de repente você se acha a pessoa mais forte do mundo e não tem com o que se preocupar. então você não se apaixona faz muito tempo, você não pensa em novos amores, não pensa numa nova vida que ainda vai dar início. as vezes a gente não pensa no início sabe? e deve ser por isso que a gente sempre se dá conta do que tá acontecendo na metade do processo e parece que você perdeu toda aquela ansiedade de começar. parece que a gente tá a dois passos de começar e na verdade já estamos mil anos luz na frente de tudo que aconteceu.
você pensa em se apaixonar, imagina como seria estar apaixonado, ou até mesmo fica chutando os defeitos que ele possa vir a ter, e as qualidades indispensáveis. então você não sabe quando você se apaixona porque você só descobre quando tá apaixonado. e todo esse esquema, todo esse preparo de pessoa digna do seu amor já foi por água baixo faz muito tempo.
aparece na sua porta aquele cara que diz que hoje vocês vão dar só umas quatro voltas na praça pra não perder o costume de se ver todo dia e você acredita que ele seja quase um instrutor de academia, mas não, ele só seu amigo. então você se passa um mês e vocês continuam nessa maratona e nada mudou. mentira, mudou sim, agora vocês dão seis voltas na praça. nessas idas e vindas ele acaba te chamando pra vocês irem jantar e você pensa que é a coisa mais normal do mundo, afinal vocês correm de segunda à sexta juntos.
chega o dia do jantar e tudo ocorre bem, ele vai te buscar em casa, pergunta se tem horário pra voltar, toda essa formalidade de sempre. depois do fim do jantar, no sábado seguinte você começa a imaginar como você, alguém que não é de se jogar fora está pensando num cara que depila o peito e fala "coméquié?" a cada vez que se espanta com algo.
segunda-feira um novo dia e ele nem menciona do jantar que tiveram, lógico pra ele foi uma coisa de amigos, uma cervejinha, um prato bom. e você começa a reparar na risada dele, no jeito que ele coça a nuca quando fica pensativo e na expressão que ele faz quando fica cansado. você começa a reparar nessas coisas que você nunca imaginou que pudessem existir. de repente o final de semana que parecia durar 48 horas, agora passa a durar no minimo umas 60 horas porque segunda-feira é dia de correr.
acredita-se que o amor não tem mesmo um rosto, ou um cheiro. amor é tudo aquilo que a gente nunca pensou gostar no outro. gostar de ser acordado as 8:00 da manhã com aquele beijo dizendo que ele tá indo trabalhar mas que mais tarde ele tá de volta. gostar de levar um abraço logo depois que ele sai da academia. você nunca pensou em gostar dessas coisas e de repente parece que é lindo.
vai se acostumar com alguém te ligando pra desejar boa sorte antes de fazer algo que você esteja com muito medo de realizar, ou de alguma prova. amor é você não precisar pedir, as pessoas se doam. isso tudo é uma fantasia a qual você já está tendo de algo que você sabe que nunca daria certo.

- Douglas Lenon

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

não sei quanto a você, mas eu sempre achei um saco quando a gente conhece alguém memorável, e essa pessoa memorável não está lá pra nos conhecer.

- Gabito Nunes in Coleção

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

porque, veja bem. não é isso que me tira do rumo do amor, do caminho do amor. é só porque amor demora mesmo, pra acontecer de novo. mas são tantas coisas lindas pelo caminho, não são? e estou feliz assim, sim, às vezes as olheiras me avisam que daqui a pouco vem alguém e que me avisa, de tempos em tempos, que é preciso parar de gastar alma por aí. é só isso, me perdoa, daqui a pouco passa, mas é tão lindo ter fome de novo.

- Tati Bernardi

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

e morre-se, sem ao menos uma explicação. e o pior — vive-se, sem ao menos uma explicação.
14 de outubro de 1967

- Clarice Lispector in Dies Irae pertencente a obra "A Descoberta do Mundo"

domingo, 5 de fevereiro de 2012


a gente se amava, será que você é capaz de entender isso? será que você consegue esquecer por um segundo a sua monumental frustração para entender que outras pessoas podem ter tido relações mais dignas que as suas? depois foi no carro, aquela história de alguém perguntar que livro eu estava lendo. e agora você acabou de me chamar pelo nome dele. você não pode fazer isso. uma pessoa não é só um amontoado de frasezinhas supostamente brilhantes. você não sabe o esforço enorme que estou fazendo para.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

sábado, 4 de fevereiro de 2012

enxugue essas lágrimas inúteis, levante este queixo e vá tratar da vida. faça tudo o que deseja fazer. você acha que depois de morta vai ganhar um bônus? uma prorrogação para tentar sair desse empate? esqueça o empate. vença. perca. ofereça a si mesma algum resultado.
é você mesma que assina. e eu.

- Martha Medeiros in Tudo que eu queria te dizer

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

era isso. só isso. tudo isso. e quando eu percebi, eu era feliz.
naquele instante, ri como uma criança faz ao saborear a delícia da própria travessura. ser feliz é a melhor arte que podemos nos flagrar aprontando. quando estamos relaxados fica mais fácil sentir que a alegria não vem só do brinquedo: começa em quem brinca. nós, adultos, nos esquecemos que a felicidade já é. que está disponível mesmo quando não conseguimos acessá-la. que mora nas coisas mais simples do mundo. essas aqui, bem próximas do nosso alcance, agora.

- Ana Jácomo