quarta-feira, 25 de abril de 2012

E de todos esses, nós

só dói quando a gente lembra que foi bom, e como foi bom! não gostava de alguém com essa intensidade fazia tempo. eu não amava, creio eu. de repente começou a sumir, sumia um dia, sumia dois dias, até sumir de uma vez por todas. eu sinto saudade daquelas brincadeiras de chegar em casa e ver quem chegava no banheiro primeiro. de todas aquelas festas que a gente foi e de todas aquelas bebidas que a gente bebeu e de todas as encarnações que a gente esteve junto e de todas as outras coisas que trazem esses "ex" - se é que você me entende. nós fomos um casal diferente, um pouco ciumento demais de ambos os lados, mas fomos.
de repente temo que não seremos mais esse tipo de gente que termina e nunca mais se fala depois, até nisso somos diferentes, acho que vou te ligar pra contar do meu futuro namorado, e vou te dizer como tá sendo bom contar com você. vou pensar que a gente poderia ter sido mais, um pouco mais implicante um com o outro, um pouco menos amoroso, vou pensar melhor que isso, pensar que a gente vai estar junto pra sempre só que enroscados em corpos diferentes.
nessa noite, aliás na última noite que estivemos juntos, eu sonhei que a gente era um casal feliz, que não
precisávamos passar por isso tudo, entende? cá estamos, e o nosso fim é selado com um abraço, diferente de outros fins, e nossas músicas são de séries, diferentes de outras músicas, e nosso amor é único, foi único.
tem pessoas que vivem de ar, outras que vivem de esperanças, algumas que vivem de amores, entre uma infinidade que vive por prazer, eu - diferente de todos esses - vivo de expectativas, eu sento na primeira fila do filme da minha vida pra ser telespectador de mim mesmo. lembrar de tudo isso é como se eu me desmontasse e construísse na sua frente, é como se eu me deletasse e me reinventasse pra tentar descobrir alguma razão nesse existir, e isso tudo foi por você. foi pelo que a gente podia ter sido, pelo que ficou inacabado. e eu tenho tanta, mas tanta coisa pra te dizer que eu.

- Douglas Lenon

Nenhum comentário:

Postar um comentário