segunda-feira, 14 de maio de 2012

a vida, fosse o que fosse era agora, a vida era já, a vida era aqui, e o aqui e o já e o agora não passavam de uma vontade de chorar sem lágrimas, de vomitar sem náusea, de trepar sem sexo, tantos versos, tantos planos ficados para trás, só os dias rodando sem parar, o de ontem gerando o de amanhã, (…)

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

Nenhum comentário:

Postar um comentário