sexta-feira, 31 de agosto de 2012


hoje é o primeiro dia que fico só em cerca de 20 dias.
tenho aprendido coisas que ainda estão vagas dentro de mim, mal comecei a elaborá-las. são coisas mais adultas, acho. tem sido bom. amigos cintilam em volta, estendem a mão na hora certa. você vai se enriquecendo em fé.
28 de maio de 1984

- Caio Fernando Abreu in “Cartas” à Luciano Alabarse

quinta-feira, 30 de agosto de 2012


tudo é uma questão de humor e de atitude: mude. deixe de colocar sua felicidade na mão dos outros.

- Martha Medeiros

quarta-feira, 29 de agosto de 2012


(06)

preciso contar a vocês que se viram, jantando em uma sexta-feira de céu estrelado na churrascaria Barranco. ele e a namorada, ela e o namorado dela. ambos chegaram a 200 mil batimentos por minuto ao trançar os olhos teimosos em olhar, mas nenhum dos dois lamentou, de alguma forma, estar sentado na mesa errada.

ela ainda lembra dele quando alguém chupa seu dedão do pé. ele se recorda dela toda vez que beberica um drinque com abacaxi e leite condensado. os dois sabem que é perda de tempo tentar esquecer. que sentir saudade não significa que melhoraram como pessoa, que agora magistralmente seus temperamentos são compatíveis e o correto seria viver aquilo tudo de novo, do êxtase à dor.

significa apenas que foi bom, que foi inesquecível. e que qualquer amor que força as cordas vocais a produzirem um eu te amo não tem fim, mesmo acabando sempre do mesmo jeito, dividido por dois.

- Gabito Nunes in O fim (do que não tinha fim)

terça-feira, 28 de agosto de 2012

que ele tem um rosto que é praticamente um abuso, carregando todos os adjetivos mais belos possíveis.

- Jaya Magalhães

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

o mundo acontece. o mundo gira. as pessoas importantes assinam contratos, ganham dinheiro. as pessoas simples lutam por um lugar na condução, um lugar no mundo. estão todos lutando. estão todos ganhando dinheiro. estão todos fazendo algo mais importante e mais maduro do que suspirar como uma idiota e só pensar em você.

- Tati Bernardi

domingo, 26 de agosto de 2012


deve-se deixar inundar pela alegria aos poucos - pois é a vida nascendo. e quem não tiver força, que antes cubra cada nervo com uma película protetora, com uma película de morte para poder tolerar a vida. essa película pode consistir em qualquer ato formal protetor, em qualquer silêncio ou em várias palavras sem sentido. pois o prazer não é de se brincar com ele. ele é nós.
23 de novembro de 1968

- Clarice Lispector in O Nascimento do prazer (trecho) pertencente a obra "A Descoberta do Mundo"

domingo, 19 de agosto de 2012

24º dia - "de tudo que ele me deu, o melhor foi o pé na bunda." (Tati Bernardi)

a ausência só prova o quanto somos mais fortes sozinhos. desde aquele dia em que você se foi, nunca mais fez sol por aqui e com os dias sem sol a gente aprende muita coisa. aprende que o sol existe sim, mas não vai estar sempre ali pra gente, aprendemos que os dias de chuva e os dias nublados nos fazem crescer muito mais do que a gente esperava. talvez porque na chuva a gente precise de um guarda-chuva e não de um amor. em um dia nublado precisamos de fé, a gente acredita que pode chover ou que possa fazer sol. e nos dias de sol a gente se ilude, só pensa em quanto podia estar mais quente, em quanto podia ser melhor se você tivesse aqui, ou até mesmo em quanto tempo você poderia ficar por aqui, em qualquer canto, ou por enquanto...

- Douglas Lenon

sábado, 18 de agosto de 2012

silêncio, ando obcecado por silêncio. um silêncio que te permita ouvir o ruído do vento. e o bater do coração. e se possível isso que chamamos de Deus, existindo devagarinho em cada coisa. existe sim.
21 de setembro de 1983
 
- Caio Fernando Abreu in “Cartas” à Maria Adelaide Amaral

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

às vezes as pessoas me perguntam: por que os casamentos terminam tão cedo hoje em dia? não terminam mais cedo hoje. é que antes o casal não se separava porque a mulher não tinha como se sustentar, e isso dava a falsa impressão de que eram casais longevos. o casamento acabava, mas o convívio prosseguia. mais do que a separação de corpos, o que pode dar fim a um amor é o distanciamento de percepções: um enxerga o mundo em cores, o outro em preto-e-branco. um percebe a delicadeza e a profundidade de tudo o que existe, o outro não consegue ir além da superfície. pode um casal ser mais desunido do que aquele que, olhando na mesma direção, não consegue enxergar a mesma coisa?
 
- Martha Medeiros in Iolandas e copolas pertencente à obra “Feliz por nada”

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

ele me leva até o quarto pela mão, todo meloso e simpático e convincente. eu sou maleável como a água e nunca consigo manter meu pé firme do chão. a cama, mais revirada do que eu, não me consola. está fedendo a suor, cigarro, vinho choco, porra velha e perfume barato. pra ele está tudo bem, talvez ele precise consultar um otorrinolaringologista, está na cara que ele está com algum problema de olfato. ou é só caradura mesmo. a segunda hipótese não tem tratamento. ele adora minha barriga, tem verdadeiro fascínio pelo meu umbigo. ele vai descendo.

- Gabito Nunes in Um idiota pra chamar de meu

terça-feira, 14 de agosto de 2012

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

que mulher não piraria e não ficaria chata ao lado de um homem cheio de músculos, mas sem nenhuma força para ser um homem melhor? não, eu não queria o homem perfeito que eu idealizei não, eu só queria um homem de verdade. um homem que namora de verdade, que ama de verdade, que tenta de verdade, que encara a vida de verdade, que sofre de verdade, que tem saudade de verdade, que tem dor de verdade, que é humano de verdade.

- Tati Bernardi

domingo, 12 de agosto de 2012

23º dia - "talvez tudo isso seja, quem sabe, um lugar muito próximo da felicidade?" (Caio Fernando Abreu)

você olha em volta e começa a perceber que o amor chegou mas não sabe se realmente é na sua porta que ele anda batendo. talvez hoje não seja o 23º dia sem ele e sim o 1º. se eu pudesse trazer uma praia pro lado da cidade grande, quem dera eu fazer teu coração bater mais forte. de repente a vida nos traz uma escolha que a gente se quer sabia que existia.
saudade de fechar os olhos e sentir teu abraço quentinho, tua respiração próxima ao meu ouvido e teu beijo doce, acordar no meio da manhã e sentir você me puxar com a mão sobre seu peito. só Deus sabe como eu fechei os olhos hoje de manhã e agradeci cada segundo, cada milésimo de segundo perto de você. e eu entendo esse teu jeito quieto, esse teu jeito manso de fazer as coisas com calma e demonstrar nas entrelinhas, eu tenho um mal de pessoas que acreditam no futuro e eu acredito em nós, nós dois.

- Douglas Lenon

sábado, 11 de agosto de 2012


é preciso que você reze por mim. ando desnorteada, sem compreender o que me acontece e sobretudo o que não me acontece.
16 de novembro de 1968

- Clarice Lispector in Mário Quintana e sua Admiradora pertencente a obra "A Descoberta do Mundo"

sexta-feira, 10 de agosto de 2012


toma um café, que o mundo acabou faz tempo.
20 de maio de 1983

- Caio Fernando Abreu in “Cartas” à Jacqueline Cantore

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Amigo de si mesmo


em seu recém-lançado livro Quem Pensas Tu que Eu Sou?, o psicanalista Abrão Slavutsky reflete sobre a necessidade de conquistar o reconhecimento alheio para que possamos desenvolver nossa autoestima. mas como sermos percebidos generosamente pelo olhar dos outros? os ensaios que compõem o livro percorrem vários caminhos para encontrar essa resposta, em capítulos com títulos instigantes como Se o Cigarro de García Márquez Falasse, Somos Todos Estranhos ou A Crueldade é Humana. mas já no prólogo o autor oferece a primeira pílula de sabedoria. ele reproduz uma questão levantada e respondida pelo filósofo Sêneca: "perguntas-me qual foi meu maior progresso? comecei a ser amigo de mim mesmo".

como sempre, nosso bem-estar emocional é alcançado com soluções simples, mas poucos levam isso em conta, já que a simplicidade nunca teve muito cartaz entre os que apreciam uma complicaçãozinha. acreditando que a vida é mais rica no conflito, acabam dispensando esse pó de pirilimpimpim.

para ser amigo de si mesmo é preciso estar atento a algumas condições do espírito. a primeira aliada da camaradagem é a humildade. jamais seremos amigos de nós mesmos se continuarmos a interpretar o papel de Hércules ou de qualquer super-herói invencível. encare-se no espelho e pergunte: quem eu penso que sou? e chore, porque você é fraco, erra, se engana, explode, faz bobagem. e aí enxugue as lágrimas e perdoe-se, que é o que bons amigos fazem: perdoam.

ser amigo de si mesmo passa também pelo bom humor. como ainda há quem não entenda que sem humor não existe chance de sobrevivência? já martelei muito nesse assunto, então vou usar as palavras de Abrão Slavutsky: "para atingir a verdade, é preciso superar a seriedade da certeza". é uma frase genial. o bem-humorado respeita as certezas, mas as transcende. só assim o sujeito passa a se divertir com o imponderável da vida e a tolerar suas dificuldades.

amigar-se consigo também passa pelo que muitos chamam de egoísmo, mas será? se você faz algo de bom para si próprio estará automaticamente fazendo mal para os outros? ora. faça o bem para si e acredite: ninguém vai se chatear com isso. negue-se a participar de coisas em que não acredita ou que simplesmente o aborrecem. presenteie-se com boa música, bons livros e boas conversas. não troque sua paz por encenação. não faça nada que o desagrade só para agradar aos outros. mas seja gentil e educado, isso reforça laços, está incluído no projeto "ser amigo de si mesmo".

por fim, pare de pensar. é o melhor conselho que um amigo pode dar a outro: pare de fazer fantasias, sentir-se perseguido, neurotizar relações, comprar briga por besteira, maximizar pequenas chatices, estender discussões, buscar no passado as justificativas para ser do jeito que é, fazendo a linha "sou rebelde porque o mundo quis assim". sem essa. o mundo nem estava prestando atenção em você, acorde. salve-se dos seus traumas de infância. quem não consegue sozinho, deve acudir-se com um terapeuta. só não pode esquecer: sem amizade por si próprio, nunca haverá progresso possível, como bem escreveu Sêneca cerca de 2.000 anos atrás. permanecerá enredado em suas próprias angústias e sendo nada menos que seu pior inimigo.

- Martha Medeiros in Feliz por nada

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

eu sei que as pessoas vão me pedir cuidado. assim me guiei por uma vida toda e foi exatamente isso que hoje me faz uma pessoa contando uma história de amor sem nunca ter protagonizado uma. de um jeito ou de outro, sempre soube que pegar leve era uma forma de me manter todas as minhas metades comigo mesma, até então sem saber pra quê servia isso.

- Gabito Nunes in Apego

terça-feira, 7 de agosto de 2012


independência nada mais é do que ter poder de escolha. conceder-se a liberdade de ir e vir, atendendo suas necessidades e vontades próprias, mas sem dispensar a magia de se viver um grande amor. independência não é sinônimo de solidão. é sinônimo de honestidade: estou onde quero, com quem quero e porque quero.

- Martha Medeiros in A mulher independente pertencente à obra “Feliz por nada”

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

domingo, 5 de agosto de 2012

22º dia - "é duro ter apenas duas alternativas (ficar ou ir embora) e ambas serem terríveis." (Martha Medeiros)

e se fosse tudo um sonho e na verdade você nem tivesse ido embora, que na verdade eu era quem estava em coma e nem percebeu que dormi esse tempo todo com você do meu lado. Deus vai escrevendo nas nossa linhas e a gente vai rabiscando por cima, colocando aqueles post-its de provas sabe? escrevendo em cima "rever essa parte" ou "não vai cair na prova". a vida é um tremendo livro cheio de post-it. nós queremos mudar tudo, mas sempre que a gente faz algo errado, a gente volta para aquela página e coloca um post-it dizendo "repensar", aliás não usamos essa palavra, mas é como se fosse um exame de consciência feito justamente pra gente não errar, ou pra gente errar de novo. chamamos isso de "liberdade de expressão" que a gente usa bastante mas não sabe pra que serve. hoje acho que a gente usa essas alternativas do livro da vida pra escolher entre as opções: ir ou ficar. a gente sempre fica na vida de quem a gente acrescenta algo e a gente sempre vai acrescentando nas pessoas aquilo que a gente queria acrescentar na gente mesmo ficando com elas, ou ficando pra elas.

- Douglas Lenon

sábado, 4 de agosto de 2012

eu sou uma pequena voz em meio a tantas pessoas que sofrem. Deus, eu sei, eu sei, são tantos e maiores os sofrimentos mas, por favor, não deixe de me dar força, me dar força para que pelo menos, ainda que pequena e com vontade de queimar, eu continue ao menos acendendo o meu fogo e fazendo parte da expectativa. eu sou um fio de esperança, um fio de alegria, um fio de amor.

- Tati Bernardi

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

um nome para o que eu sou, importa muito pouco. importa o que eu gostaria de ser.
02 de novembro de 1968

- Clarice Lispector in O que eu queria ter sido pertencente a obra "A Descoberta do Mundo"

quinta-feira, 2 de agosto de 2012


ou me quer e vem, ou não me quer e não vem. mas que me diga logo pra que eu possa desocupar o coração. avisei que não dou mais nenhum sinal de vida. e não darei. não é mais possível. não vou me alimentar de ilusões. prefiro reconhecer com o máximo de tranquilidade possível que estou só do que ficar a mercê de visitas adiadas, encontros transferidos. no plano REAL: que história é essa? no que depende de mim, estou disposto & aberto. perguntei a ele como se sentia. que me dissesse. que eu tomaria o silêncio como um não e ficaria também em silêncio. acho que fiz bem.

não só em relação a ele, mas a muitas outras coisas, quero que daqui pra frente a vida seja hoje. a vida não é adiável. Marilene sempre soube disso, foi nisso que pensou ao deixar o Índio. anyway, me dói a possibilidade de um não, me dói a possibilidade de um silêncio, me dói não saber de que forma chegar a ele, sacudi-lo, dizer me olha, me encara, vamos ou não vamos nessa? bueno, os dados estão lançados, e agora só me resta lavar as mãos sujas do sangue das canções.
20 de maio de 1983

- Caio Fernando Abreu in “Cartas” à Jacqueline Cantore

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

na ânsia, nossos relacionamentos andam modernos demais, revolucionários demais, experimentais demais, como um filme francês meio nonsense, executado do fim ao início, cuja grande inovação é não ter roteiro nenhum por trás de uma profunda tristeza de seus personagens perdidos, sem saber exatamente qual lente mirar, em que momento, qual o plano, qual o foco. a fotografia denota nosso daltonismo afetivo: enxergamos o amor cor-de-rosa através da câmera, quando na realidade ele é roxo-escuro. como um hematoma.

- Gabito Nunes in Contratempo