terça-feira, 30 de outubro de 2012

Quando os chatos somos nós


você conhece um chato. ou dois. ou meia-dúzia. e até gosta deles, viraram figuras folclóricas na sua vida. talvez seja um cunhado, um amigo de um amigo, um colega de trabalho. os chatos são bem intencionados, não se pode negar. e é justamente essa boa intenção fora da medida que faz deles... chatos. o chato nada mais é que um exagerado. ele é prestativo demais, ele é piadista demais, ele leva muito tempo para contar algo que lhe aconteceu, ele fica hooooras no telefone, ele se leva a sério além do razoável, ele ocupa o tempo dos outros com histórias que não são interessantes. o chato é, basicamente, um cara (ou uma mulher) sem timing.

estava pensando nisso quando escutei alguém citando uma das coisas mais chatas que existe. tive que concordar: colocar um filho pequeno no telefone pra falar com a dinda, com a vovó, com o titio, é muito chato. a gente ama aquela criança - talvez seja até o nosso filho! - mas ao telefone, esquece. tentamos entabular um diálogo minimamente inteligível e nada rola. ou ele não fala nada que se compreenda, ou não abre o bico, e só nos resta ficar idiotizados do outro lado da linha.

todo mundo sabe que isso é chato. mas todo mundo que já teve um filho comete essa mesma chatice com os outros. por que? porque pai e mãe de primeira viagem são chatos por natureza. ninguém escapa. se não for chato, será considerado um sem-coração. todos irão apontar: olha lá, aquele ali esconde o filho. põe ele no telefone!

outra chatice é mostrar 3.487 fotos do bebê. dá nos nervos quando o filho não é nosso. todos os bebês são iguais, menos para seus pais. seja bem sincero: dá pra aguentar ver foto de bebê pelo celular? basta perguntar educadamente pra alguém: e seu filhinho, vai bem? pronto. num segundo o celular ou iPhone será sacado e apontado direto para seus olhos: veja você mesmo.

a gente sabe que é chato, mas toleramos com sorrisos parcialmente sinceros porque faremos a mesma coisa quando chegar a nossa vez - ou já fizemos um dia. se você passou dessa fase, segure a onda e compreenda os que ainda não passaram. nada de reclamar. aqui se faz, aqui se paga.

outras chatices? quando alguém pergunta: lembra de mim? se está perguntando, é porque a chance é remota. mas já não fizemos isso diante de alguém que gostaríamos muuuuito que lembrasse? e esticar as letras das palavras quando se está escrevendo? e quando a gente começa uma frase com "adivinha". adivinha pra onde eu vou nas próximas férias. adivinha quem me convidou pra jantar. adivinha com quem eu sonhei hoje.

falando em sonho, tem coisa mais chata do que ouvir o sonho dos outros? mas você já contou os seus. váááárias vezes.

agora adivinha qual o próximo exemplo que vou dar (kkkkk). precisamos mesmo colocar risadas entre parênteses para que os outros entendam nossas piadinhas cretinas?

alguns menos, outros mais, chatos somos todos.

- Martha Medeiros in “Feliz por nada”

Nenhum comentário:

Postar um comentário