quinta-feira, 10 de janeiro de 2013


aliás ele é uma pessoa inteira. seus olhos muito negros não se desviam: ele não tem medo de olhar os homens no profundo dos olhos. dá vontade de sorrir com ele. se eu soubesse. aliás, preciso me habituar a sorrir mais, senão pensam que estou com problemas e não com o rosto apenas sério ou concentrado. voltando ao homem: quando ele diz até amanhã, sabe-se que o amanhã vira. ele tem um ligeiro mau gosto na escolha dos objetos de adorno que compra. isso me dá ternura. ele é inconsciente que eu o vejo tanto, não tantas vezes, mas tanto.
11 de abril de 1970

- Clarice Lispector in Um homem pertencente a obra "A Descoberta do Mundo"

Nenhum comentário:

Postar um comentário