sábado, 29 de dezembro de 2012

tô esperando acabar, passar, morrer, sangrar até o fim. esperando o tempo que acalma chamas com seus ventos de mil pés distantes. esperando alguém que ocupe, distraia, desacorrente, solte, substitua, torne nada demais. esperando não sentir mais ódio e nem tesão e nem ciúme e nem saudade. esperando porque é o que resta mesmo, não é falta de coragem, não é de se fazer, é de se sentir e só.

- Tati Bernardi

Nenhum comentário:

Postar um comentário