domingo, 16 de setembro de 2012

25º dia - "sinto uma falta absurda de você. ficou um vazio que ninguém (pre)enche. e penso e repenso e trepenso em você por aí." (Caio Fernando Abreu)

de repente o que era chão se torna o maior abismo de todo o universo. como acreditar em algo que não dá pra tocar, não dá pra mostrar, não dá pra demonstrar. rezo toda noite pra que o próximo dia seja melhor, pra que no próximo dia você volte e que você me traga algum resquício de paz, que você me traga acima de tudo um pouco de tranquilidade. vai dizer que o fim dos dias não te corrói nem um pouquinho? vai dizer que ele não te mastiga, não te morde a ponto de você se sentir sufocado. sufoco talvez seja isso que tenha acontecido depois que você foi embora.
mas acima de tudo o que me corrompe tenho acreditado que os dias são muito mais do que a gente vê na televisão. até porque nunca passa uma notícia na televisão dizendo que um coração foi partido ou que alguém foi embora sem dizer adeus. coisas da vida, coisas que nem a gente consegue explicar pra gente mesmo.
penso que nosso relacionamento sempre foi um tanto unilateral, acho que era assim que Caio dizia, é tão cansativo carregar uma história de amor inteira nas costas e viver nessa insegurança e dizer que tá tudo bem e que sim, somos felizes desse jeito. nem eu acredito mais em alguma manifestação de amor, acho que tudo é feito pra vender, sempre existe alguém ganhando por trás de tudo. até no amor, tem sempre um que sai vencedor e outro não ganha nem um prêmio de consolação, se é que vocês me entendem.

- Douglas Lenon

Nenhum comentário:

Postar um comentário