sexta-feira, 26 de agosto de 2011


e na porta mesmo ele estacou com aquele ar ofegante e de súbito paralisado como se tivesse corrido léguas para não chegar tarde demais. ela ia sorrir. para que ele enfim desmanchasse a ansiosa expectativa do rosto, que sempre vinha misturada com a infantil vitória de ter chegado a tempo de encontrá-la chatinha, boa e diligente, e mulher sua. ela ia sorrir para que de novo ele soubesse que nunca mais haveria o perigo dele chegar tarde demais. ia sorrir para ensiná-lo docemente a confiar nela.

- Clarice Lispector in A Imitação da Rosa pertencente a obra “Laços de Família”

Nenhum comentário:

Postar um comentário