segunda-feira, 10 de outubro de 2011

a consciência de que vamos morrer talvez seja a mais desestabilizadora, mas costumamos pensar nisso apenas quando há uma ameaça concreta: o diagnóstico de uma doença ou o avanço da idade. as outras perturbações são mais corriqueiras. somos livres para escolher o que fazer de nossas vidas, e isso é amedrontador, pois coloca a responsabilidade em nossas mãos. a solidão assusta também, mas sabemos que há como conviver com ela: basta que a gente dê conteúdo à nossa existência, que tenhamos uma vontade incessante de aprender, de saber, de se autoconhecer. quanto à gratuidade da vida, alguns resolvem com religião, outros com bom humor e humildade. o que estamos fazendo aqui? estamos todos de passagem. portanto, não aborreça os outros e nem a si próprio, trate de fazer o bem e de se divertir, que já é um grande projeto pessoal.

- Martha Medeiros in Os quatro fantasmas pertencente a obra “Doidas e Santas”

Nenhum comentário:

Postar um comentário