quarta-feira, 11 de julho de 2012

Uma saudade de amor como se eu já tivesse amado

“uma vida inteira pra te tornar especial e uma meia noite pra te fazer feliz”, lembra-se dessa história? bom, era um final de semana desses frios que fazem por aqui, uma vontade de cheirar seu pescoço, beijar ele até ficar todo marcado, morder bem de mansinho a ponta da sua orelha e sussurrar qualquer coisa besta dessas de casais que vivem um eterno começo de namoro. agora vem a pergunta crucial: e por que essa frase? porque a gente a estruturou. lembro que você me olhou rindo e soltou as palavras como quem solta um desabafo de tempos, falando até meio de mansinho “uma vida inteira pra te tornar especial e...”, já era mais de 11 horas da noite e eu olhei pra você, sorrindo com o teu jeito bobo e o teu sorriso sincero, sem querer acabei terminando ela pra você, segurando na sua mão e olhando nos seus olhos “e... uma meia noite pra te fazer feliz.” você me deu o melhor beijo daquela noite, daquele tempo, daquele segundo e foi assim que tudo começou.
o gosto das noites que vão chegando parece ter um sabor diferente depois que você ficou aqui, dá até vontade de acampar com você na sala da nossa casa, montar uma cabaninha e fazer amor dentro dela, ficar contando piada ruim até tarde da noite e dividindo segredos daqueles dos tempos de ensino médio. você começa a se dar conta de que essas brincadeiras bobas e esse espírito de amizade prevalecem até mesmo em relacionamentos longos. amor mesmo é aquilo vai sobrando em todo fim de dia e não aquilo que falta nele.
de tudo que nós juntamos até hoje de manhã cedo, todas as fotos, todos os jantares, danças, carinhos trocados, amigos, abraços, de tudo que você me deu, não consigo dizer qual foi a melhor coisa, mas posso dizer que toda a preocupação, todo o respeito e selinhos antes de dormir foram e continuarão sendo os melhores. e acima de tudo isso é estar com alguém que te faz feliz: contar as horas do dia pra dormir ao lado de quem você ama e não querer sair dela de manhã cedo pra não sair dos braços da pessoa mais carinhosa do mundo. que é sua, que é só sua.

- Douglas Lenon

2 comentários:

  1. douglas, que maravilha de texto. tou encantada. primeiramente o título falou por mim: sinto saudade de um amor como se eu soubesse o que é isso. na verdade, sinto um vazio, que parece que só vai ser preenchido quando a pessoa certa chegar, só que eu nao sei quem é essa pessoa e me parece que ela nao vai vir nunca. e sim, quanto ao texto, acho que senti pelas tuas palavras o que é o sentimento de amar alguem sabe, querer sempre perto, crescer com tudo que o outro nos traz e nos tornamos melhor a cada dia porque quem está do nosso lado nos impulsiona a mudar e ser diferente. tu disse certo: amor mesmo é aquilo vai sobrando em todo fim de dia e não aquilo que falta nele. enfim, teu texto só serviu pra me mostrar que eu acredito mesmo no amor, embora ele esteja cada vez mais raro. e espero um dia poder sentir tudo isso e poder fazer um texto que chegue pelo menos aos pés desse teu! parabéens douglas! =)

    ResponderExcluir
  2. Bá, guria! Que isso, muito lindo teu comentário, fico lisonjeado mesmo! Tu tem potencial, eu sou escritor de guardanapo, só desabafo mais do que escrevo creio eu.
    Obrigado pela visita.
    Ótima semana, beijão!

    ResponderExcluir