segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011


— você não precisa simular interesse algum pelas pessoas em volta, elas não exigem mais que um bom-dia, boa-tarde, boa-noite, às vezes nem isso, silêncio nas horas em que se costuma fazer silêncio, ruído nas horas em que usualmente se faz ruído. não faço ruídos nem mesmo nessas horas: eliminei máquinas, televisões, rádios, embora goste de música. mas quando quero ouvi-la, canto para mim mesmo quase sem voz um som irregular, cheio de altos e baixos, que vem do fundo da garganta, sem palavras.

- Caio Fernando Abreu in Triângulo das águas

Nenhum comentário:

Postar um comentário