quarta-feira, 30 de março de 2011

meu cigarro é o lápis com que rabisco trechos do livro
eu o fumo

meu espelho é o reflexo do cálice que carrego nas mãos
eu me vejo

meu almoço é a unha que cresce no meu dedo indicador
eu a devoro

meu banho é o pranto que libero enquanto durmo
eu me encharco

meu terço é o fio do telefone em que me enrosco
eu o rezo

meu albergue é o coração de onde saem meus versos
eu me acolho

- Martha Medeiros in Cartas Extraviadas e outros poemas

Nenhum comentário:

Postar um comentário