sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Eu só queria terminar dizendo eu te amo


mas me avise quando for aparecer, nem que seja por três segundos, mas avise, porque preparar todo terreno, deixar ele forte, pra que a chuva não faça outro estrago e depois o sol que seca aos poucos a imensidão de terra que existe, apenas avise, pra que não comece outro ciclo. eu preciso de dias de sol, dias de sol sem interrupção nenhuma entende, eu sou calor e era eu quem te aquecia.
acostumei a te ter aos poucos, não te ter a todo tempo. e se chove muito, a terra acha que vai chove sempre, e isso tudo me confunde, confunde a mim, confunde a você, confunde a terra. então se for pra vir assim em doses, venha com calma, venha de mansinho, de leve.
imagine que um dia eu cheguei acredita que nós iríamos dar certo, que o mundo ia ficar a nosso favor, que iria ter estrelas no céu todos os dias. é como dizem quanto maior o sonho, maior o tombo. eu cai mais ou menos do andar mais alto. o que me entristece mesmo é que a gente tinha tudo pra da certo, e não sei exatamente se foi eu, se foi você, ou até mesmo se foi nós quem estragou o que podia ter sido e não foi. então deixa o sol queimar, deixa o tempo ensinar, deixa a vida como está, e sente agora o meu abraço, o abraço que diz: desculpa se eu não fui o suficiente pelos nossos erros. apesar de tudo, do mundo, eu levo você comigo, te amo.

- Douglas Lenon
29 de janeiro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário