domingo, 24 de janeiro de 2010

sabe que o meu gostar de você chegou a ser amor, pois se eu me comovia vendo você, pois se eu acordava no meio da noite só pra ver você dormindo. meu Deus, como você me doía de vez em quando. eu vou ficar esperando você numa tarde cinzenta de inverno, bem no meio duma praça. então os meus braços não vão ser suficientes para abraçar você e a minha voz vai querer dizer tanta, mas tanta coisa que eu vou ficar calado um tempo enorme só olhando você, sem dizer nada, só olhando e pensando: meu Deus, mas como você me dói de vez em quando.

- Caio Fernando Abreu

2 comentários:

  1. "meu Deus, como você me doía de vez em quando."
    Tudo isso dói, dói e uma dor que não tem luz no fim do túnel, ou explicação, tratamento. Quero que a gente possa encontrar tudo isso, ou simplesmente, aceitar, meu amigo. Boa praia, muita inspiração e espaireça, crie.
    Beijo grande,
    Calmila

    ResponderExcluir
  2. ah eu gosto do que você escreve, é confortante. beijos. concerteza vou me inspira *-*

    ResponderExcluir