sábado, 30 de janeiro de 2010

Carta Extraviada 3

não é da minha natureza esperar que me deem liberdade, não espero pelo pouco que há de essencial na vida. sendo liberdade uma delas, eu mesmo me concedo. ser livre não me ensinou a amar direito, se por direito entende-se este amor preestabelecido, mas me ensinou as sutilezas do sentimento, que, afinal, é o que o caracteriza e o torna pessoal e irreproduzível. te amo muito, até quando não percebo.
o amor que eu sinto pode parecer estranho, e é por isso que o reconheço como amor, pois não há amor universal: não, caríssima. não há um amor internacional, assim como são proclamados os cidadãos do mundo. cada cidadão, um coração, e em cada um deles, códigos delicados. se não é este o amor que queres, não queres amor, queres romance, este sim, divulgadíssimo. te amo muito, e não sinto medo.
bela e cega, buscas em mim o que poderias encontrar em qualquer canto, em todo corpo, homens e mulheres ao alcance de teus lábios e dedos, romance: conhecido o enredo, é fácil desempenhá-lo. e se casam os românticos, e fazem filhos e fazem cedo.
o amor que sinto poderia gerar casamento, pequenos acertos, distribuição de tarefas, mas eu gosto tanto, inteiro, que não quero me ocupar de outra coisa que não seja você, de mim, do nosso segredo. te amo muito, e pouco penso.
esta carta não chegará, como não chegarão ao seu entendimento estas palavras risíveis, estes conceitos que aos outros soariam como desculpa de aventureiro ou até mesmo plágio, já que não há originalidade na ideia, muito difundida, porém bastante censurada. serei eu o romântico, o ingênuo? Serei o que quiseres em teu pensamento, tampouco me entendo, mas sinto-me livre para dizer-te: te amo muito, sem rendimento, aceso, amor sem formato, altura ou peso, amor sem conceito, aceitação, impassível de julgamento, aberto, incorreto, amor que nem sabe se é este o nome direito, amor, mas que seja amor. te amo muito, e subscrevo-me.


- Martha Medeiros in Cartas extraviadas e outro poemas

Nenhum comentário:

Postar um comentário