sexta-feira, 2 de abril de 2010

o nosso amor a gente inventa, cantou Cazuza, no auge da sabedoria. a necessidade faz quem é feio parecer um deus, quem é tímido parecer um sábio, quem é louco parecer um gênio. a necessidade nos torna menos críticos, mais tolerantes, menos exigentes, mais criativos. a necessidade encontra sinônimos para o amor: amizade, atração, afinidade, destino, ocasião. a necessidade nos torna condescendentes, bem-humorados, otimistas. se a sorte não acenou com um amor caído dos céus, ao menos temos afeto de sobra e bom poder de adaptação: elegemos como grande amor um amor de tamanho médio. o coração também sobrevive com paixões inventadas, e não raro essas paixões surpreendem o inventor.
o amor pode ser casual ou intencional. se nos faz feliz, é amor igual.

- Martha Medeiros in A Necessidade e o acaso pertencente a obra "Trem-bala"

Nenhum comentário:

Postar um comentário