domingo, 26 de setembro de 2010

ajeitaria o rosto da melhor maneira possível, como se o sentimento novo (e no entanto tão antigo) fosse algo a esconder. porque ele não queria surpreender nem chocar nem ferir. pertencia àquela estranha espécie de pessoas que flutuam pelo mundo, sutis, evitando esbarrar em qualquer coisa. não se sabia se procedia assim por simples delicadeza ou para defender-se. o fato é que era assim.

- Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário