segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Quando eu me iludo é quando eu te esqueço


sai do trabalho era cedo ainda, umas 20:00 e corri para nossa casa – correção: sua casa – pegar minhas coisas, faltava muita roupa minha pra buscar. cheguei rápido até, era quase 20:30, comecei a colocar as coisas dentro de uma mala que eu usava quando a gente viajava, fui colocando todas minhas roupas, enxugando um pouco as lágrimas, é difícil sair e ter que olhar pra frente como se nada tivesse acontecido, é difícil. caminhando em direção ao banheiro, escuto a porta abrir. coloco a mão na cabeça e faço sinal de negação.
— tem alguém em casa? – escuto a voz do vindo da porta.
caminho até a porta, ergo a cabeça, segurando uma toalha, e falo:
— tem, tem eu. – falo baixo, como se doesse dizer isso.
— eu.. eu não sabia que você ia voltar aqui, desculpa eu ia pedir pra sair mais cedo se soubesse, porque não me disse?
— para. para de falar assim. para de falar assim como se eu tivesse voltado de viajem e tivesse vindo te visitar, porque não é, você sabe porque eu estou aqui.
— então você vai mesmo embora? porque eu pensei que você fosse ficar, você tá com a minha toalha na mão, me fez pensar que ia ficar.
— desculpa, eu tava no banheiro e ouvi a porta, e eu estava com a toalha na mão.
— você ia levar a toalha. eu sei que ia. – sorri de canto.
— eu olho para as fotos, olho pr'aquele futuro que você falava tanto, olho pra você, pra mim, e você prometeu tanto, tanto, tanto, essa toalha que está aqui na minha mão agora, você prometeu ela também, você só não me prometeu, e é isso que dói.
— você fica dizendo tudo isso, você gosta de me deixar triste, de me deixar no chão né? fala pra mim. você nem me deixa te amar.
— você diz assim agora, e eu nem sei quem vai ser a pessoa que você vai se transformar daqui 10 minutos, você não faz noção do quanto eu zelo por nós, do quanto eu cuido de você, eu sempre estive aqui pra você me amar, e sempre fiquei pra segundo plano.
— meu, eu não te entendo, você diz que me ama e vai embora, você diz que me quer, mas foge de mim, você diz que pensa em mim, mas tá sumindo. – ele diz bravo.
— é exatamente por isso que estou indo embora.
ele não entende o que eu falei, eu saio, abro a porta, seguro a mala – pesada. ele me olha com uma cara de quem não está entendendo nada. levo minha mão até meu rosto, e choro, choro incessavelmente, coloco a mão no peito, largo a mala, abraço ele, e falo:
— eu te quero tão bem, pelo amor de Deus, diz pra mim que você vai ficar bem, diz que eu não vou precisar ligar, olha para nossa foto quando você se sentir sozinho, ou triste, eu vou estar sempre aqui, você já foi tudo que eu tinha, e agora eu não tenho nada, por sua causa eu estou indo embora, e te amando tanto.
— eu te amo muito Jack Twist.
— meu Led.
pego a toalha em cima do sofá, cheiro-a, olhando pra ele, vou fechando a porta, com o coração na mão, e deixando a melhor coisa do mundo na nossa casa – correção: na casa dele.

- Douglas Lenon
17 de setembro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário