terça-feira, 16 de fevereiro de 2010


não sei, até hoje não sei se o príncipe era um deles. eu não podia saber, ele não falava. e, depois, ele não veio mais. eu dava um cavalo branco para ele, uma espada, dava um castelo e bruxas para ele matar, dava todas essas coisas e mais as que ele pedisse, fazia com a areia, com o sal, com as folhas dos coqueiros, com as cascas dos cocos, até com a minha carne eu construía um cavalo branco para aquele príncipe. mas ele não queria, acho que ele não queria, e eu não tive tempo de dizer que quando a gente precisa que alguém fique a gente constrói qualquer coisa, até um castelo.

- Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário