terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

O mundo devora

que merda de inspiração na hora errada, não estou nem um pouco a fim de escrever, mais parece que as palavras vem até mim e ficam dizendo no meu ouvido "você não tá esquecendo de nada não?" tenho raiva disso, nem queria escrever, é verdade. não é essa a vida que eu queria viver durante a minha eternidade, não é assim que eu queria terminar, eu queria pelo menos contar uma história de vida no final, dizer que eu ganhei um 'eu te amo' sem pedir por ele, que eu fiz por merecer. que eu ganhei, que a minha vitória sobre mim, em mim, prova que eu posso vencer o meu não-viver.
eu vejo sangue em toda parte, sinto cheiro de medo no meu quarto, trouxe o abismo sem querer para o lugar que eu chamo de refúgio. saber que posso escorregar no meu sossego me traz mais insegurança, por isso quero uma rede, uma casa na praia, um pôr-do-sol, quero não me preocupar com a onda do mar, com o toque do corpo, com a vida que sonhei.
minha pessoa possui personalidade forte e opinião própria, são as maiores certezas que eu tenho sobre mim. exceção sobre as minhas certezas houve? claro que houve. quem rege a minha pessoa é um ser humano, erros acontecem. pra acertar o passo apenas crie um plano de fuga, as pessoas que vão te seguir são poucas, porque o mundo, o mundo devora.

- Douglas Lenon
23 de fevereiro de 2010

2 comentários:

  1. "minha pessoa possui personalidade forte e opinião própria, são as maiores certezas que eu tenho sobre mim. exceção sobre as minhas certezas houve? claro que houve. quem rege a minha pessoa é um ser humano, erros acontecem. pra acertar o passo apenas crie um plano de fuga, as pessoas que vão te seguir são poucas, porque o mundo, o mundo devora."


    profundo; tocante. lindo! amei o texto, me traduz nesse final de fevereiro. beijo grande!

    ResponderExcluir
  2. obrigado camila, como você diz, comentarios são muito bem vindos, abraço forte.

    ResponderExcluir