terça-feira, 23 de março de 2010


mas era nos olhos, só nos olhos, que se fixava aquele mudo apelo, aquele grito. nem sei. aquela clara maldição. saí, saiu. não dissemos nada. eu só tenho esperas. ele traz a tranqüilidade de mais nada esperar.

- Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário