quinta-feira, 11 de março de 2010

pedi a ele uma DEFINIÇÃO. ou me quer e vem, ou não me quer e não vem. mas que me diga logo pra que eu possa desocupar o coração. avisei que não dou mais nenhum sinal de vida. e não darei. não é mais possível. não vou me alimentar de ilusões. prefiro reconhecer com o máximo de tranqüilidade possível que estou só do que ficar a mercê de visitas adiadas, encontros transferidos. no plano REAL: que história é essa? no que depende de mim, estou disposto & aberto. perguntei a ele como se sentia. que me dissesse. que eu tomaria o silêncio como um não e ficaria também em silêncio. acho que fiz bem.

- Caio Fernando Abreu

4 comentários:

  1. Quando leio algo do Caio é como se ficasse impregnado dentro de mim, tocando lá no fundo...

    Beeijos!

    ResponderExcluir
  2. olá, gostaria de saber em que livro está esse texto?

    ResponderExcluir
  3. esse trecho eu achei na internet DDD:

    ResponderExcluir