segunda-feira, 1 de março de 2010

Palavras ao vento

duro é saber que eu escrevia pra ninguém, que um rosto me inspirava a escrever para um outro rosto que eu nunca vi, que eu não sei se existe. triste é aceitar que todas as palavras que eu usei foram para o vento, seguiram um rumo, talvez estejam na Flórida, na Austrália, certeza é que as palavras não estão aqui, na verdade nunca estiveram aqui. eu queria ver a face dos meus textos, machuca saber que eles possuem mascaras, que são tiradas uma a uma, e não se sobra nada, ah não ser apenas algo inanimado, sem explicação, minhas palavras não tem rosto.

- Douglas Lenon
01 de março de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário