quinta-feira, 19 de agosto de 2010

eu soltei o corpo e chorei um choro daqueles que ninguém jamais fica sabendo que existiu. não se chora como eu chorei quando um amor, desses de passagem, de cidade, que começam em lojas de discos ou em ônibus ou em papos de solidão acaba como bola de sabão explodindo depois da janela sem deixar marcas.

- Gabito Nunes in Depois que você me forçou a pintar a parede

Nenhum comentário:

Postar um comentário