terça-feira, 9 de novembro de 2010

E quando eu chutar o balde


acho que faço coisas demais por você. peço desculpas por nós dois, dizem que eu não sou humilde, às vezes não entendo. eu sei que você não está nem aí. mas espera eu caio na real fácil. a partir do momento que eu não falar mais com você, uma coisa é certa: acabou.
dar um passo para frente, e cinquenta para trás não faz sentido, mas eu ando assim. eu consigo ser o certo e o incerto ao mesmo tempo. eu vivo fazendo de tudo para agradar boa parte das pessoas, e sabe o que eu ganho? duas palavras: muito obrigado! quando eu cansar, quando eu chutar o balde, aí sim eu quero ver quem vai fazer alguma coisa por você. ninguém dá valor, nada tá bom, e a gente sempre tentando inovar, quem sabe a hora que você ver o esforço que eu faço, você começa a pensar.
me conformo fácil, pronto é isso, se você disser que a árvore é verde, e eu retrucar dizendo que é marrom, e você voltar a dizer que é verde, eu vou dizer que é verde. se você disser que me ama, eu não vou acreditar, mas se disser duas vezes, mesmo que dá boca para fora, eu acredito, acredito.
sou sonhador, sofredor, deve ter alguma coisa bem bonita reservada para mim, impossibilidade é quase um segundo nome para mim, tristeza é sinônimo, felicidade é antônimo.

- Douglas Lenon
09 de novembro de 2010

2 comentários:

  1. "...dar um passo para frente, e cinquenta para trás não faz sentido, mas eu ando assim."

    Anem Douglas, pára de escrever por mim!! hahahahahahaha...Muuuitíssimo lindo. Acho tão bonita a sua forma de sentir e defender isso; essa sua coragem de continuar o mesmo, mesmo que doa! =) Nem preciso falar mais uma vez que eu AMO seus textos, né? Beijos =*

    ResponderExcluir
  2. Tu escreve bem demais homem!
    Adorei o texto!

    ResponderExcluir