quarta-feira, 3 de novembro de 2010

intelectuais se aprumam, pigarreiam e começam a responder dizendo "veja bem..." e daí em diante é um blablablá teórico que tenta explicar o inexplicável. poesia serve exatamente para a mesma coisa que serve uma vaca no meio da calçada de uma agitada metrópole. para alterar o curso do seu andar, para interromper um hábito, para evitar repetições, para provocar um estranhamento, para alegrar o seu dia, para fazê-lo pensar, para resgatá-lo do inferno que é viver todo santo dia sem nenhum assombro, sem nenhum encantamento.

- Martha Medeiros in Veneno Anti-monotonia pertencente a obra “Doidas e Santas”

Nenhum comentário:

Postar um comentário