sábado, 11 de dezembro de 2010

há trinta anos não chorava, mas agora estava tão cansada. se é que aquilo era choro. não era. era alguma coisa. finalmente, assoou o nariz. então pensou o seguinte: que ela forçaria o “destino” e teria um destino maior. com força de vontade se consegue tudo, pensou sem a menor convicção. e isso de estar presa a um destino ocorrera-lhe porque já começara sem querer a pensar em “aquilo”.

- Clarice Lispector in A Procura de uma dignidade pertencente a obra “Laços de Família”

Um comentário:

  1. Clarice as vezes fala por mim. E eu sempre levo os trechos dela como uma lição.
    Bom final de semana. Um beijo.

    ResponderExcluir