domingo, 26 de dezembro de 2010


pode parecer tolo, mas eu acredito que, nos momentos de sombra, mais do que argumentar e gritar ou deprimir-se, a gente devia acender a pequena chama de algo positivo. se cada um cultivar afeto, beleza e lealdade em seu ambiente, por pequeno que seja, isso há de espalhar claridade no mundo. e não haverá apenas sombra e horror.
porque se a gente não acreditar nisso, melhor será correr para o campo de batalha (ou para uma de nossas ruas mesmo) e abrir o peito à primeira bala de quem quer que seja.
bala perdida serve - e não é coisa assim tão rara.

- Lya Luft in Tambores de guerra pertencente a obra “Pensar é transgredir”

Nenhum comentário:

Postar um comentário