domingo, 3 de outubro de 2010

Para te esquecer, ou te lembrar


chamo de injustiça você me ligar as 16:15 de um dia turbulento, e pior impossível para mim, e não falar absolutamente nada do outro lado da linha. não esperava absolutamente nenhuma ligação. dia cheio daqueles, e fiquei quieto, na minha. tocou o celular, olhei, chamada tua, e atendi na esperança de melhorar o meu dia, e então tu desligou. fiquei pensando será que você queria só me ouvir, ou sem querer disco meu número. porque da próxima vez tenta dizer algo, logo eu que amo a tua voz.
se você tivesse falado alguma coisa, tivesse dito que as coisas estão fluindo por aí, seria a melhor coisa do universo. ouvir tua voz no final do dia era o que me confortava. porque de todo o conjunto seu, tua voz se supera cada vez mais. Deus foi muito generoso contigo, eu sonho te ouvindo, durmo te ouvindo, escuto conversas gravadas, só pra recordar. lembra quando você cantou Paralamas pra mim, em pleno horário nobre, você chega e canta "eu tô te esperando, vê se não vai demorar". quem afinal está esperando quem? eu tô te esperando se é o que você quer saber.
hoje em dia te encontro em uma foto, em forma de som, ou em puro pensamento. não queria dizer isso, mas, tá FODA sem você aqui. em questão de amor eu já reprovei tantas vezes. você me conhece, sabe quem eu sou, como sou e porque sou. não vou chorar, prometi que não ia chorar, olhos malditos, o coração pode até me ouvir, mas os olhos se recusam a ficar secos. faz ideia do que eu estou falando? que remédio nenhum tem a tua voz. que o teu canto é o mais lindo. escrevo para te esquecer, ou para te lembrar, não sei.

quando tá escuro e ninguém te ouve,
quando chega a noite e você pode chorar.

Os paralamas do sucesso - Lanterna dos afogados ♪

- Douglas Lenon
30 de setembro de 2010

2 comentários:

  1. " não queria dizer isso, mas, tá FODA sem você aqui." Isso dói! Muito bonito, Douglas! beijos

    ResponderExcluir