quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

— eu os crio para mim mesma, para meu prazer.

- Lya Luft in Velhice, por que não? pertencente a obra “Pensar é transgredir”

Nenhum comentário:

Postar um comentário